ANATEL: edital em breve

AnatelJá que o edital do concurso da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) será publicado somente em junho (segundo informações da Assessoria de Imprensa da autarquia), quem está interessado na seleção deve aproveitar esses dois meses para se preparar. E para aqueles que já vão iniciar os estudos, é válida a consulta de provas anteriores de concursos da agência reguladora, de acordo com especialistas. Segundo eles, a última seleção, que ocorreu em 2012 e foi organizada pelo Cespe/UnB, pode ser uma boa fonte de estudo.

 Inicialmente, o concurso destina-se ao provimento de 100 vagas, nos níveis médio e superior. Desse quantitativo, 12 serão para técnico em regulação de serviços de telecomunicações e 20 para técnico administrativo – ambos exigem o 2º grau completo. Já para os graduados, a oferta é de 20 vagas para analista administrativo e 48 para especialista em regulação de serviços de telecomunicações. Os técnicos em regulação terão remuneração de R$5.791,25, enquanto que os técnicos administrativos receberão R$6.047,25. Já os analistas terão ganhos de R$10.916,90, e os especialistas, R$11.776,90. Em todos os valores, já estão acrescidos os R$373 de auxílio-alimentação.
A seleção é uma boa oportunidade para quem busca a estabilidade empregatícia, já que as contratações serão feitas sob o regime estatutário. No momento, a Anatel está escolhendo a organizadora do concurso, bem como definindo os estados que serão beneficiados com servidores. A autarquia, que é ligada ao Ministério das Comunicações e tem unidades em todo o Brasil, contemplou no último concurso as cidades de Brasília, Maceió, Goiânia, Belo Horizonte, Campo Grande, Belém, Recife e São Paulo. A oferta era de 46 vagas. Na ocasião, houve avaliações objetivas e discursivas – estas somente para o cargo de analista. Quem concorria à essa função também foi submetido a exames discursivos, análise de títulos e curso de formação.

Estão abertas 80 vagas para as especialidades de Aviação, Intendência e Infantaria

1º EIA  O sonho de ingressar na Academia da Força Aérea está mais perto de se tornar realidade. As inscrições para o próximo concurso da AFA estarão abertas de 23 de abril até 15 de maio de 2014. São ofertadas 80 vagas, sendo 35 para a especialidade de aviação, 25 para intendência e 20 para infantaria.

O jovem interessado em participar do processo seletivo não pode ter menos de 17 anos e nem completar 23 anos de idade até 31 de dezembro de 2015 (conforme Art. 20 da Lei nº 12.464). O concurso é destinado a candidatos com ensino médio completo e a inscrição deve ser feita no site www.epcar.aer.mil.br. A taxa de inscrição é de R$ 70,00.

O processo seletivo é composto de exame de escolaridade (prova de língua portuguesa, física, matemática, língua inglesa e redação), inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de aptidão à pilotagem militar (somente para os candidatos que optaram pela especialidade de aviação e obtiveram a menção “APTO” na inspeção de saúde e no exame de aptidão psicológica), teste de avaliação do condicionamento físico e validação documental. As provas escritas ocorrerão no dia 27 de julho de 2014.

Se aprovado em todas as etapas, o candidato fará o Curso de Formação de Oficiais Aviadores, Intendentes e de Infantaria na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP), durante quatro anos. Durante o curso os candidatos aprovados serão Cadetes da Aeronáutica, receberão auxílio financeiro, terão direito a moradia na própria AFA, alimentação e plano de saúde. Após a conclusão do curso com aproveitamento o aluno será nomeado Aspirante-a-Oficial.

Para obter mais informações, não deixe de consultar o edital na página www.fab.mil.br.

 

Quadro de Vagas:

CURSO VAGAS
CFOAV 35 (ambos os sexos)
CFOINT 25 (ambos os sexos)
CFOINF 20 (somente para o sexo masculino)

 

Locais de realização das provas: Belém (PA), Recife (PE), Salvador (BA), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Barbacena (MG), São Paulo (SP), Curitiba (PR), Campo Grande (MS), Pirassununga (SP), Porto Alegre (RS), Brasília (DF), Manaus (AM), Porto Velho (RO) e Boa Vista (RR).

Ministério da Saúde está com concurso autorizado

Ministerio da saudeO Ministério da Saúde (MS) foi autorizado pelo Ministério do Planejamento, nesta terça-feira, dia 22, a realizar um novo concurso, desta vez com oferta de 185 vagas, para a carreira de tecnologista, de nível superior. Desse quantitativo, que servirá para a substituição de terceirizados, 60 oportunidades serão para a Secretaria de Atenção à Saúde, 64 para a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos e 41 para a Secretaria de Vigilância em Saúde, todas situadas em Brasília.
Embora o Ministério da Saúde tenha até seis meses para publicar as regras da seleção (ou seja, até 22 de outubro), é bem provável que esse prazo seja encurtado, a fim de suprir a carência de pessoal. Agora, o próximo passo é a escolha da organizadora, bem como a definição das especialidades que serão contempladas no concurso. De acordo com a tabela dos servidores públicos federais, a remuneração para o cargo é de R$4.908,53. No entanto, com o acréscimo do auxílio-alimentação de R$373, o valor passa para R$5.281,53. A portaria autorizativa, publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta terça, pode ser visualizado no anexo abaixo.

 

Estabilidade e Segurança do Cargo Público

profissionais diversosAntigamente, em empregos públicos ou privados, as pessoas percorriam uma longa e linear trajetória profissional, aposentando na instituição em que trabalharam durante anos. Atualmente, isso só é possível no serviço público, porque as mudanças do mercado de trabalho privado são muito maiores. Empresas surgem e desaparecem do dia para a noite, são compradas por investidores que mudam as regras de trabalho a todo momento, crises internacionais afetam seu funcionamento… O sociólogo inglês Richard Sennett descreveu esse processo no livro “A Corrosão do Caráter”, em que analisa quais as consequências da globalização para o mundo do trabalho, como as gerações atuais de trabalhadores se relacionam com seu emprego e qual o impacto disto na vida pessoal. Comparando um trabalhador do século XX com seu filho, um profissional do século XXI, Sennett analisa que o primeiro tinha um grau de previsibilidade muito maior em sua vida. Era tranquilo e podia se planejar melhor. No entanto, seu filho mudava de cidade a todo momento, pulava de empresa em empresa e não tinha condições de pensar o que fazer no futuro. Seus planos não podiam ultrapassar um ano. Suas decisões de vida não estavam sob seu domínio e até sua vida pessoal sofria com esta incerteza.

Fugindo da instabilidade do mercado privado, as pessoas se refugiam no serviço público como um meio de conquistarem segurança para suas vidas profissionais e pessoais também. Esta é a promessa do concurso público, uma tranquilidade que lhes permita gozar de sua vida sem a constante ameaça da mudança, do desemprego e da incerteza.

Obviamente, alguns poderão dizer que nem todo concursos público é igual. Quando o candidato disputa uma vaga de empregado público nas sociedades de economia mista (Petrobrás e o Banco do Brasil) ou numa empresa pública (como a Caixa Econômica Federal) não há garantia de estabilidade porque ele ocupa um emprego público, com contrato de trabalho assinado pela empresa estatal e sob as regras da CLT. Não é igual a um servidor público, regido por uma lei, um Estatuto.

Em verdade, o servidor público possui chances remotas de perder seu cargo, a menos que cometa uma falta grave. Já o empregado público pode ser demitido mais facilmente, à conveniência da empresa estatal. Se por um lado existe a possibilidade que ocupe cargos de gerência, direção e superintendência, com altíssimo salário, há uma ameaça de demissão que faria com que o emprego público fosse tão instável quanto a carreira privada. No entanto, a realidade mostra que é extremamente difícil que uma pessoa perca seu emprego público. Em regra, percorre-se uma carreira longa e gratificante, aposentando-se na mesma instituição em que trabalhou por anos. Quem ainda tiver dúvidas sobre isso, não confie em mim, procure pessoas que já trabalharam no Banco do Brasil ou na Petrobrás e verão que estou falando a mais pura verdade.

Mas e o recente concurso para o IBGE? Com 7.285 vagas temporárias, houve enorme desistência de candidatos. Como este fato pode ser explicado? Trata-se de um concurso que não concretiza a promessa de segurança, apenas garante um salário baixo por um prazo determinado, uma vez que o trabalho é temporário. É um desincentivo completo.

Sendo assim, não tema. Se seu projeto de vida é a certeza, a segurança, a estabilidade de um cargo público, pode fazer concursos com tranquilidade. Assim que passar, terá uma remuneração (servidor público) ou um salário (empregado público) certos, com reajustes de tempos em tempos que mantêm o poder de compra e com a possibilidade de planejar sua vida a longo prazo. Carro, casa, viagens tudo poderá ser pensado e concretizado, algo que o mercado privado não pode oferecer com o mesmo grau de previsibilidade que a carreira pública. Portanto, se é isso que você deseja, mãos à obra!

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Acerte no Alvo! espanhol: diptongos y triptongos: Conheça esses encontros vocálicos

 

  • alvoA) Se llama diptongo a la unión de una vocal débil (i, u) y una fuerte (a, o, e), o viceversa; también de dos (2) débiles. Las dos vocales siempre han de pronunciarse como un sólo sonido.Combinaciones de dos vocales fuertes como eo de Mediterráneo no forman diptongo; son hiatos.
    Los ejemplos siguientes corresponden a normas generales, a ellas hay que añadir variantes regionales.

    1. Diptongos decrecientes
    ai: aire, ayudáis, envainar, podáis, vaina, vais
    “El soldado, responsable, envainó su espada después del combate.”

    au: aula, jaula, pausa, raudo.
    “La policía pasó rauda por la calle atrás del ladrón.”

    ei: aceite, esperéis, seis, peine, reina, tenéis, treinta, veinte, veis.
    “No esperéis a que se haga tarde, venid.”

    eu: deuda, deudor, farmacéutico, neutro, reunión, terapéutico.
    “La deuda externa se pagar[a en 30 años.”

    oi: asteroide, boicot, heroico, hoy, prohibir, oigo, sois.
    “Debido al boicot, los isleños perdieron sus fuentes de renta.”

    ou: Salou.

    2. Diptongos crecientes
    ia: cotidiano, demasiado, dialogar, filial, industrial, manantial, Santiago, venial.

    Ie:, cielo, dieta, lidie.

    Io: acción, biología, comió, dios, gracioso, idiota, idioma, lección, ocasión, pasión.

    ua: actuación, actual, casual, individual, intelectual, mensual, ritual, sensual, sexual, visual.

    ue: agüé, buen, fue, juez, mengüé, puente.

    uo: aguó, menguó.

    3. Otros diptongos
    iu: ciudad, ciudadano, médium, simpósium. (Viudo, diurno y oriundo vacilan entre diptongo e hiato.)

    ui: asiduidad, buitre, circuito, cuidado, distribuidor, fui, fuimos, juicio, Luis, ruido, ruindad, ruinoso, ruiseñor, Ruiz. (Jesuita, altruista, gratuito, ruina y ruin vacilan entre hiato y diptongo.)

  • B) Existe triptongo cuando las vocales fuertes (a,e,o) van precedidas y seguidas de vocales débiles (i, u). Estas vocales se deben pronunciarse en una sola voz.
    iai: apreciáis, codiciáis, diferenciáis, lidiáis.iau: miau.

    iei: conferenciéis, despreciéis, lidiéis, limpiéis, sentenciéis.

    ioi: hioides.

    uai: aguáis, amortiguáis, continuáis.

    uau: guau.

    uei: amortigüéis, averigüéis, buey.

    El triptongo se deshace en las segundas personas del plural de los presentes (de indicativo y de subjuntivo) de la mayoría de los verbos acabados en -iar y -uar.
    No hay triptongo en: confiáis, confiéis, liáis, liéis, mengüáis, mengüéis, actuáis, actuéis.

  • Fonte: UOLEducação

 

Acerte no alvo! Ortografia: quando usar “ç”

alvoOrtografia, cujo significado é escrever direito, é um dos assuntos mais temidos pelos jovens estudantes em virtude do número de regras existentes. É-lhes difícil memorizar a todas, pois não leem muito nem escrevem sistematicamente, dois dos principais segredos para aprender a escrever as palavras adequadamente.

Quem tem o hábito de realizar boas leituras e de escrever ao menos um texto por semana aprende com mais facilidade a arte de escrever corretamente, se aliar a isso consultas constantes a dicionários de boa qualidade.

A intenção, no texto de hoje e em outros das próximas semanas, é apresentar algumas dicas que ajudam a memorizar regras de ortografia. Isso será realizado por meio de frases com palavras em que conste a mesma letra. Vamos à primeira:

  • “Uma das intenções da casa de detenção é levar os que cometeram graves infrações a alcançar a introspecção, por intermédio da reeducação.”

Nessa frase, há seis palavras escritas com Ç: intenções, detenção, infrações, alcançar, introspecção e reeducação. As regras quanto ao uso do Ç são as seguintes:

1- Usa-se Ç em palavras derivadas de vocábulos terminados em -TO, -TOR e -TIVO. Por exemplo:
Canto – canção
Ereto – ereção
Conjunto – conjunção
Infrator – infração
Setor – seção
Condutor – condução
Relativo – relação
Intuitivo – intuição
Ativo – ação
Três palavras da frase apresentada obedecem a essa regra:
Intento – intenção
Infrator – infração
Introspectivo – introspecção

2- Usa-se Ç em substantivos terminados em -TENÇÃO derivados de verbos terminados em -TER:
Conter – contenção
Manter – manutenção
Reter – retenção
Deter – detenção

3- Usa-se Ç em verbos terminados em -ÇAR cujo substantivo equivalente seja terminado em -CE ou em -ÇO:
Lance – lançar
Desenlace – desenlaçar
Abraço – abraçar
Endereço – endereçar
Almoço – almoçar
Uma palavra da frase apresentada obedece a essa regra:
Alcance – alcançar

4- Usa-se Ç em substantivos terminados em -ÇÃO derivados de verbos de que se retirou a letra R:
Exportar – exportação
Abdicar – abdicação
Abreviar – abreviação
Uma palavra da frase apresentada obedece a essa regra:
Educar – educação.

O estudo da ortografia exige atenção de quem escreve. É necessário realizar as analogias entre palavras. Ao escrever um vocábulo, ter a ciência de que ele proveio de outro, o que nos obriga a escrevê-lo de determinada maneira, e não de outra. É preciso paciência. Só aprende a escrever adequadamente quem treina sistematicamente. Portanto, leitor, mãos à obra!

ABIN: pedido de novo concurso

ABINA Agência Brasileira de Inteligência (Abin)informou em seu site que enviou um novo pedido de concurso ao Ministério do Planejamento. No pedido, são  solicitadas 470 vagas, sendo 200 de oficial de inteligência, 150 de oficial técnico de inteligência, ambos exigem nível superior, e 50 de agente de inteligência e 70 de agente técnico de inteligência, cargos que exigem nível médio. O pedido foi enviado no último dia 8 de abril.
A Abin já havia enviado anteriormente um ofício reiterando o pedido de concurso anterior, feito em julho de 2011 e negado pela pasta em setembro do ano passado. De acordo com a assessoria, no dia 17 de março, o ministério manteve a negativa e sugeriu que a Abin apresentasse nova proposta, com informações e justificativas atualizadas sobre o pleito, levando-se em consideração o exercício de 2015.
De acordo com a tabela de remuneração dos servidores, as remunerações desses cargos são de R$5.021,17, de R$5.538,21, de R$12.923,08 e de R$13.994,86, respectivamente. Todos os valores já incluem os R$373 de auxílio-alimentação. No último concurso, realizado em 2008, a avaliação dos candidatos foi por meio de prova objetiva, investigação social e funcional, prova de capacidade física, avaliação médica, avaliação psicológica e, por fim, o Curso de Formação em Inteligência.

Estabilidade e Segurança do Cargo Público

imagesAntigamente, em empregos públicos ou privados, as pessoas percorriam uma longa e linear trajetória profissional, aposentando-se na instituição em que trabalharam durante anos. Atualmente, isso só é possível no serviço público, porque as mudanças do mercado de trabalho privado são muito maiores. Empresas surgem e desaparecem do dia para a noite, são compradas por investidores que mudam as regras de trabalho a todo momento, crises internacionais afetam seu funcionamento… O sociólogo inglês Richard Sennett descreveu esse processo no livro “A Corrosão do Caráter”, em que analisa quais as consequências da globalização para o mundo do trabalho, como as gerações atuais de trabalhadores se relacionam com seu emprego e qual o impacto disto na vida pessoal. Comparando um trabalhador do século XX com seu filho, um profissional do século XXI, Sennett analisa que o primeiro tinha um grau de previsibilidade muito maior em sua vida. Era tranquilo e podia se planejar melhor. No entanto, seu filho mudava de cidade a todo momento, pulava de empresa em empresa e não tinha condições de pensar o que fazer no futuro. Seus planos não podiam ultrapassar um ano. Suas decisões de vida não estavam sob seu domínio e até sua vida pessoal sofria com esta incerteza.

Fugindo da instabilidade do mercado privado, as pessoas se refugiam no serviço público como um meio de conquistarem segurança para suas vidas profissionais e pessoais também. Esta é a promessa do concurso público, uma tranquilidade que lhes permita gozar de sua vida sem a constante ameaça da mudança, do desemprego e da incerteza.

Obviamente, alguns poderão dizer que nem todo concursos público é igual. Quando o candidato disputa uma vaga de empregado público nas sociedades de economia mista (Petrobrás e o Banco do Brasil) ou numa empresa pública (como a Caixa Econômica Federal) não há garantia de estabilidade porque ele ocupa um emprego público, com contrato de trabalho assinado pela empresa estatal e sob as regras da CLT. Não é igual a um servidor público, regido por uma lei, um Estatuto.

Em verdade, o servidor público possui chances remotas de perder seu cargo, a menos que cometa uma falta grave. Já o empregado público pode ser demitido mais facilmente, à conveniência da empresa estatal. Se por um lado existe a possibilidade que ocupe cargos de gerência, direção e superintendência, com altíssimo salário, há uma ameaça de demissão que faria com que o emprego público fosse tão instável quanto a carreira privada. No entanto, a realidade mostra que é extremamente difícil que uma pessoa perca seu emprego público. Em regra, percorre-se uma carreira longa e gratificante, aposentando-se na mesma instituição em que trabalhou por anos. Quem ainda tiver dúvidas sobre isso, não confie em mim, procure pessoas que já trabalharam no Banco do Brasil ou na Petrobrás e verão que estou falando a mais pura verdade.

Mas e o recente concurso para o IBGE? Com 7.285 vagas temporárias, houve enorme desistência de candidatos. Como este fato pode ser explicado? Trata-se de um concurso que não concretiza a promessa de segurança, apenas garante um salário baixo por um prazo determinado, uma vez que o trabalho é temporário. É um desincentivo completo.

Sendo assim, não tema. Se seu projeto de vida é a certeza, a segurança, a estabilidade de um cargo público, pode fazer concursos com tranquilidade. Assim que passar, terá uma remuneração (servidor público) ou um salário (empregado público) certos, com reajustes de tempos em tempos que mantêm o poder de compra e com a possibilidade de planejar sua vida a longo prazo. Carro, casa, viagens tudo poderá ser pensado e concretizado, algo que o mercado privado não pode oferecer com o mesmo grau de previsibilidade que a carreira pública. Portanto, se é isso que você deseja, mãos à obra!

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Estatísticas e Imprimir página

A ferramenta ‘Estatísticas’ foi criada para os participantes que, periodicamente, desejam verificar seu percentual de acertos e erros de questões no site. A equipe QC realizou essa implementação devido à grande solicitação por parte dos usuários para inserção da ferramenta que mostrasse a porcentagem de cada disciplina e que houvesse a possibilidade de  excluir o percentual de uma única disciplina.

Para verificar a alteração, clique em ‘Minhas estatísticas’ e em seguida ‘Por disciplina’.

Outra mudança realizada foi na impressão de questões, ao clicar na função ‘Imprimir Página’ será aberta uma janela de Pop-Up. Caso  o seu navegador possua algum anti pop-up,  você deverá  desbloqueá-lo manualmente.  Ainda em relação às impressões, as questões estão numeradas sequencialmente e o gabarito final da impressão se refere  ao número sequencial e não ao número da questão.

SEFAZ- RS: inscrições abertas para remuneração de R$8.324

estudantesA Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Sul (Sefaz-RS) abriu concurso para 100 vagas de técnico tributário da Receita Estadual. Do total de oportunidades, 10 são para candidatos com deficiência e 16 para negros ou pardos. A remuneração é de R$8.324,95, composta pelo vencimento básico de R$4.620 e prêmio de produtividade e efeciência de R$3.704,95 (valor variável, correspodente a março/2014). Para concorrer, é preciso ter formação superior completa em qualquer área. A carga de trabalho será de 40 horas semanais, podendo haver regime de escala.

As inscrições já estão abertas e podem ser efetuadas até as 23h59 do dia 8 de maio, no site da Fundatec, organizadora. Aqueles que não possuem acesso à internet podem recorrer aos computadores disponibilizados pela organizadora, em sua sede (Rua Professor Cristiano Fischer, 2012, Bairro Partenon, Porto Alegre/RS), das 9h às 17h. A taxa de inscrição é de R$145,22. Podem requerer isenção candidatos com deficiência ou desempregados ou para os que recebam até um salário mínimo e meio. Os pedidos são aceitos até 25 de abril, mediante entrega ou envio por Sedex da documentação pedida, à Fundatec.

As provas objetivas serão aplicadas dia 20 de julho, com os locais disponíveis a partir do dia 4 do mesmo mês. As avaliações serão divididas em dois blocos: no turno da manhã será o bloco 1, com 80 questões de Português, Matemática, Raciocínio Lógico e Tecnologia da Informação; no período da tarde será o bloco 2 com 80 questões de direitos Constitucional e Penal, Administrativo e Tributário, e Legislação Tributária Estadual. O concurso será válido por um ano, podendo ser prorrogado por mais um. A classificação final será divulgada em 9 de setembro.

Fonte: Folha Dirigida