ABIN: pedido de novo concurso

ABINA Agência Brasileira de Inteligência (Abin)informou em seu site que enviou um novo pedido de concurso ao Ministério do Planejamento. No pedido, são  solicitadas 470 vagas, sendo 200 de oficial de inteligência, 150 de oficial técnico de inteligência, ambos exigem nível superior, e 50 de agente de inteligência e 70 de agente técnico de inteligência, cargos que exigem nível médio. O pedido foi enviado no último dia 8 de abril.
A Abin já havia enviado anteriormente um ofício reiterando o pedido de concurso anterior, feito em julho de 2011 e negado pela pasta em setembro do ano passado. De acordo com a assessoria, no dia 17 de março, o ministério manteve a negativa e sugeriu que a Abin apresentasse nova proposta, com informações e justificativas atualizadas sobre o pleito, levando-se em consideração o exercício de 2015.
De acordo com a tabela de remuneração dos servidores, as remunerações desses cargos são de R$5.021,17, de R$5.538,21, de R$12.923,08 e de R$13.994,86, respectivamente. Todos os valores já incluem os R$373 de auxílio-alimentação. No último concurso, realizado em 2008, a avaliação dos candidatos foi por meio de prova objetiva, investigação social e funcional, prova de capacidade física, avaliação médica, avaliação psicológica e, por fim, o Curso de Formação em Inteligência.

Estabilidade e Segurança do Cargo Público

imagesAntigamente, em empregos públicos ou privados, as pessoas percorriam uma longa e linear trajetória profissional, aposentando-se na instituição em que trabalharam durante anos. Atualmente, isso só é possível no serviço público, porque as mudanças do mercado de trabalho privado são muito maiores. Empresas surgem e desaparecem do dia para a noite, são compradas por investidores que mudam as regras de trabalho a todo momento, crises internacionais afetam seu funcionamento… O sociólogo inglês Richard Sennett descreveu esse processo no livro “A Corrosão do Caráter”, em que analisa quais as consequências da globalização para o mundo do trabalho, como as gerações atuais de trabalhadores se relacionam com seu emprego e qual o impacto disto na vida pessoal. Comparando um trabalhador do século XX com seu filho, um profissional do século XXI, Sennett analisa que o primeiro tinha um grau de previsibilidade muito maior em sua vida. Era tranquilo e podia se planejar melhor. No entanto, seu filho mudava de cidade a todo momento, pulava de empresa em empresa e não tinha condições de pensar o que fazer no futuro. Seus planos não podiam ultrapassar um ano. Suas decisões de vida não estavam sob seu domínio e até sua vida pessoal sofria com esta incerteza.

Fugindo da instabilidade do mercado privado, as pessoas se refugiam no serviço público como um meio de conquistarem segurança para suas vidas profissionais e pessoais também. Esta é a promessa do concurso público, uma tranquilidade que lhes permita gozar de sua vida sem a constante ameaça da mudança, do desemprego e da incerteza.

Obviamente, alguns poderão dizer que nem todo concursos público é igual. Quando o candidato disputa uma vaga de empregado público nas sociedades de economia mista (Petrobrás e o Banco do Brasil) ou numa empresa pública (como a Caixa Econômica Federal) não há garantia de estabilidade porque ele ocupa um emprego público, com contrato de trabalho assinado pela empresa estatal e sob as regras da CLT. Não é igual a um servidor público, regido por uma lei, um Estatuto.

Em verdade, o servidor público possui chances remotas de perder seu cargo, a menos que cometa uma falta grave. Já o empregado público pode ser demitido mais facilmente, à conveniência da empresa estatal. Se por um lado existe a possibilidade que ocupe cargos de gerência, direção e superintendência, com altíssimo salário, há uma ameaça de demissão que faria com que o emprego público fosse tão instável quanto a carreira privada. No entanto, a realidade mostra que é extremamente difícil que uma pessoa perca seu emprego público. Em regra, percorre-se uma carreira longa e gratificante, aposentando-se na mesma instituição em que trabalhou por anos. Quem ainda tiver dúvidas sobre isso, não confie em mim, procure pessoas que já trabalharam no Banco do Brasil ou na Petrobrás e verão que estou falando a mais pura verdade.

Mas e o recente concurso para o IBGE? Com 7.285 vagas temporárias, houve enorme desistência de candidatos. Como este fato pode ser explicado? Trata-se de um concurso que não concretiza a promessa de segurança, apenas garante um salário baixo por um prazo determinado, uma vez que o trabalho é temporário. É um desincentivo completo.

Sendo assim, não tema. Se seu projeto de vida é a certeza, a segurança, a estabilidade de um cargo público, pode fazer concursos com tranquilidade. Assim que passar, terá uma remuneração (servidor público) ou um salário (empregado público) certos, com reajustes de tempos em tempos que mantêm o poder de compra e com a possibilidade de planejar sua vida a longo prazo. Carro, casa, viagens tudo poderá ser pensado e concretizado, algo que o mercado privado não pode oferecer com o mesmo grau de previsibilidade que a carreira pública. Portanto, se é isso que você deseja, mãos à obra!

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Estatísticas e Imprimir página

A ferramenta ‘Estatísticas’ foi criada para os participantes que, periodicamente, desejam verificar seu percentual de acertos e erros de questões no site. A equipe QC realizou essa implementação devido à grande solicitação por parte dos usuários para inserção da ferramenta que mostrasse a porcentagem de cada disciplina e que houvesse a possibilidade de  excluir o percentual de uma única disciplina.

Para verificar a alteração, clique em ‘Minhas estatísticas’ e em seguida ‘Por disciplina’.

Outra mudança realizada foi na impressão de questões, ao clicar na função ‘Imprimir Página’ será aberta uma janela de Pop-Up. Caso  o seu navegador possua algum anti pop-up,  você deverá  desbloqueá-lo manualmente.  Ainda em relação às impressões, as questões estão numeradas sequencialmente e o gabarito final da impressão se refere  ao número sequencial e não ao número da questão.

SEFAZ- RS: inscrições abertas para remuneração de R$8.324

estudantesA Secretaria de Fazenda do Rio Grande do Sul (Sefaz-RS) abriu concurso para 100 vagas de técnico tributário da Receita Estadual. Do total de oportunidades, 10 são para candidatos com deficiência e 16 para negros ou pardos. A remuneração é de R$8.324,95, composta pelo vencimento básico de R$4.620 e prêmio de produtividade e efeciência de R$3.704,95 (valor variável, correspodente a março/2014). Para concorrer, é preciso ter formação superior completa em qualquer área. A carga de trabalho será de 40 horas semanais, podendo haver regime de escala.

As inscrições já estão abertas e podem ser efetuadas até as 23h59 do dia 8 de maio, no site da Fundatec, organizadora. Aqueles que não possuem acesso à internet podem recorrer aos computadores disponibilizados pela organizadora, em sua sede (Rua Professor Cristiano Fischer, 2012, Bairro Partenon, Porto Alegre/RS), das 9h às 17h. A taxa de inscrição é de R$145,22. Podem requerer isenção candidatos com deficiência ou desempregados ou para os que recebam até um salário mínimo e meio. Os pedidos são aceitos até 25 de abril, mediante entrega ou envio por Sedex da documentação pedida, à Fundatec.

As provas objetivas serão aplicadas dia 20 de julho, com os locais disponíveis a partir do dia 4 do mesmo mês. As avaliações serão divididas em dois blocos: no turno da manhã será o bloco 1, com 80 questões de Português, Matemática, Raciocínio Lógico e Tecnologia da Informação; no período da tarde será o bloco 2 com 80 questões de direitos Constitucional e Penal, Administrativo e Tributário, e Legislação Tributária Estadual. O concurso será válido por um ano, podendo ser prorrogado por mais um. A classificação final será divulgada em 9 de setembro.

Fonte: Folha Dirigida

Acerte no Alvo! Verbos crer e ler: Verbos irregulares da 2ª conjugação

alvoSão irregulares no Presente do Indicativo e, em decorrência, no Presente do Subjuntivo e nos Imperativos Afirmativo e Negativo.

INDICATIVO SUBJUNTIVO IMPERATIVO IMPERATIVO
Presente Presente Afirmativo Negativo
creio
crês
crê
cremos
credes
creem
creia
creias
creia
creiamos
creiais
creiam
crê
creia
creiamos
crede
creiam
não creias
não creia
não creiamos
não creiais
não creiam
leio
lês

lemos
ledes
leem
leia
leias
leia
leiamos
leiais
leiam

leia
leiamos
lede
leiam
não leias
não leia
não leiamos
não leiais
não leiam

Observação: Assim também se conjugam os derivados destes verbos, como descrer, reler, etc.
Fonte: UOLEducação

Saiu edital para níveis médio, médio/técnico e superior!

BBSaiu o edital do novo concurso do BB Tecnologia e Serviços (Cobra Tecnologia), empresa do Banco do Brasil. Há oferta de 150 vagas imediatas e formação de cadastro de reserva em cargos dos níveis médio, médio/técnico e superior. As oportunidades estão distribuídas por Rio de Janeiro, Sâo Paulo (capital e interior), Distrito Federal, Belém e Goiânia, havendo chances imediatas nas três ultimas localidades. As remunerações são de até R$4.359,33, para carga de trabalho de 44 horas semanais. O concurso tem validade de um ano, prorrogável por igual período. Os cargos disponíveis são os de técnico administrativo, de nível médio, que proporciona remuneração de R$2.1551,41, e de técnico de operações, de médio/técnico, com rendimento de R$2.405,55. Já no nível superior, há oportunidades para analista em operações, em diversas áreas, com contracheque de R$4.359,33. 
 
As inscrições serão recebidas a partir das 10h desta terça, dia 15 de abril, com atendimento até 12 de maio, no site do Instituto Quadrix, organizador da seleção. Após cadastrar-se, o candidato deve pagar a taxa de R$26, para o nível médio, de R$28, para o médio/técnico, e de R$38, para o superior. Os membros de família de baixa renda, inscritos no CadÚnico, podem solicitar a isenção da taxa, no site do organizador, até o próximo dia 18. Os resultados desses pedidos serão publicados no dia 30 deste mês. Os deficientes também podem participar da disputa, concorrendo a 5% das vagas. Esses candidatos devem enviar, via Sedex, ao Instituto Quadrix, um laudo médico (original ou cópia autenticada), até o dia 14 de maio.
 
A seleção ocorrerá por meio de prova objetiva, além de contagem de títulos, no caso do 3º grau. A primeira, composta por 60 questões, será aplicada no dia 1º de junho. Para os níveis médio e médio/técnico, o exame versará sobre Língua Portuguesa (dez questões), Matemática (dez) e Conhecimentos Específicos (40). Já no superior, a avaliação será sobre Língua Portuguesa (dez), Matemática (cinco), Língua Inglesa (cinco) Conhecimentos Específicos (40). Será considerado aprovado quem conseguir a metade dos pontos da prova e não zerar nenhuma disciplina. O regime de contratação é o celetista.

Fonte: Folha Dirigida

Acerte no alvo! Orações reduzidas: Diante do verbo em forma nominal

alvoOrações desenvolvidas: orações subordinadas introduzidas por uma conjunção ou um pronome relativo; apresentam o verbo no modo indicativo, subjuntivo ou imperativo.

Orações reduzidas: não há conjunção ou pronome iniciando a oração subordinada; o verbo se encontra numa forma nominal (infinitivo, gerúndio ou particípio).

Exemplos:

1) É importante conversar sempre.

Oração             Oração Reduzida

principal            de infinitivo

2) Chegando as férias, irei até lá.

Oração Reduzida         Oração

 de gerúndio                  principal

3) Terminada a exposição, calou-se.

Oração reduzida               Oração

de particípio                      Principal

Observação:

Classificam-se as orações reduzidas assim como as desenvolvidas.

Assim:

no exemplo 1, temos uma oração subordinada substantiva subjetiva.

no exemplo 2, temos uma oração subordinada adverbial temporal.

Fonte: UOLEducação

no exemplo 3, temos novamente uma oração subordinada adverbial temporal.

UnB aprova redução no número de vagas pelo sistema de cota racial

cespe-unb-346O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Cepe) da Universidade de Brasília (UnB) aprovou nesta quinta-feira (3) a redução da reserva de vagas pelo sistema de cotas raciais dos atuais 20% para 5% do total de alunos.

A medida começa a valer para o próximo vestibular da universidade, previsto para julho deste ano.

Duas votações foram realizadas durante a reunião no auditório da reitoria nesta tarde. Na primeira, o conselho aprovou a manutenção do sistema de cotas, com 32 votos a favor e 8 contra. Em seguida, por 27 votos a 11, o grupo escolheu reduzir de 20% para 5% o percentual de cotistas.

“A votação ocorreu hoje, mas nós estamos discutindo isso há mais de um ano. Temos que a política de cotas foi um processo positivo, que inclusive levou a discussão para o nível nacional”, afirma o reitor da UnB, Ivan Camargo.

Segundo ele, com a manutenção dos 50% das vagas definidas por critérios sociais, adotado pelo Ministério da Educação (MEC), o número de estudantes negros tende a ser maior do que os 5%.

“A discussão foi sobre acabar completamente com as cotas ou diminuir a participação dos cotistas. No entendimento do conselho, com os 50% de cotas sociais mais os 20% de cotas raciais, o concurso ficaria muito pequeno [com poucas vagas]“, diz Camargo.

A votação desta quinta deveria ter acontecido há três semanas, mas foi adiada a pedido dos alunos. Eles queriam a realização de uma audiência pública para discutir o tema, o que ocorreu no último dia 24.

A UnB adotou o sistema de cotas raciais em 2003. O primeiro vestibular com reserva de 20% das vagas para estudantes negros foi realizado em junho de 2004. Na ocasião ficou decidido que o sistema seria rediscutido em 10 anos.

O coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (Neab), Nelson Inocêncio, afirma que foi importante manter o sistema de cotas, ainda que com um número menor de participação. “Gostaria que fosse um percentual maior, mas sabíamos que com o sistema de cotas sociais adotado pelo MEC seria difícil manter o percentual”, afirma.

Para Inocêncio, a política de cotas sociais deveria levar em consideração outros fatores além dos econômicos. “Sabemos que a violência contra as minorias é fator determinante [para a desigualdade e a exclusão social]. O racismo é um fenômeno que deve debatido, discutindo e criticado.”

fonte: G1

Família: cumplicidade nos estudos

imagesNada melhor que a boa convivência em família. Quando essa convivência se transforma em “cumplicidade” nos estudos, fica ainda melhor. Não seria exagero dizer que família que estuda unida deve permanecer unida. Essa deveria ser a máxima de familiares e parentes que alinhavam, juntos, um único projeto de vida. Neste caso, passar em concursos públicos, conquistando independência financeira e uma aposentadoria para lá de tranquila.
Conheço alunos que passaram a se interessar mais pelos livros e apostilas depois que um membro da própria família o convenceu de que seria uma sábia decisão. Um desses alunos, tem algo em torno dos 20 anos e não sabia o que fazer em relação ao seu futuro profissional. A mãe, conhecedora do jeito meio “desligado” do filho, pensou que seria uma forma de incentivo passar a frequentar as aulas com ele. Assim, mãe e filho têm ido regularmente ao curso e já dão sinais de um melhor entrosamento e otimismo em relação à conquista de uma vaga.
Não vejo pontos desfavoráveis nessa iniciativa. Estudar junto significa mais interação, tão escassa entre as famílias modernas por contas de hábitos e rotinas diferentes. Mais que isso, significa um mesmo projeto de vida, um incentivo a mais para o outro e uma cobrança menor – ou praticamente nula – pela falta de tempo e de dedicação ao outro, o que é muito comum para quem tem tarefas distintas e controversas.
E essa história se repete mais do que imaginamos. Em outra turma, há um casal – marido e mulher –, ambos jornalistas, que, cansados de uma rotina, segundo eles, de exploração do mercado do qual dependem, passaram a se dedicar a passar em um concurso público. Fazem, curiosamente, o curso preparatório para tribunais, ou seja, estudam disciplinas que nunca viram na vida, mas nem isso intimida os dois. Ambos se desdobram porque, além de trabalharem o dia inteiro, ainda têm uma filhinha de 2 anos. Aí, entra a figura da mãe da esposa – a sogra -, que fica com a criança até voltarem da maratona de estudos. No fim das contas, temos aí, por baixo, quatro pessoas envolvidas direta ou indiretamente com um único propósito.
  A inclusão do(a) namorado(a), do(a) amigo(a), do(a) tio(a)  também é saudável. Estudar em grupo é sempre motivo positivo. É comum um membro ter facilidade de assimilação em relação a uma disciplina mais que outro ou não entender bem um tópico e outra pessoa, com nível de compreensão exato, se disponibilizar a dar explicações. Estudar em grupo funciona dessa forma e, em família, fica ainda mais proveitoso.
Sendo assim, experimente. Chame sua mãe, seu pai, converse seriamente. Concurso público pode ser uma boa – e talvez a única – oportunidade de você – ou algum deles – ter um excelente emprego.  É muito comum quem conquista um cargo de nível médio tirar, no final do mês, algo em torno de R$3 mil. Quando, com esse nível de formação, uma pessoa conseguiria um excelente emprego na iniciativa privada para receber o mesmo valor no contracheque? Dificilmente isso aconteceria.
Ah, mas você tem nível superior? Melhor ainda! Já concluiu a universidade que sonhou e agora pode pensar em conquistar estabilidade no mercado de trabalho. Nesse caso, os salários podem passar, com facilidade, de R$10 mil, o que a cada concurso vem atraindo ainda mais candidatos.
Quanto à idade, se você ainda não sabe, basta ter entre 18 e 65 anos para ter condições de concorrer a uma vaga na administração pública. Sendo assim, chame seu pai, mãe, irmãos, avós e não perca mais tempo. Eles vão ajudar você na mesma medida que você os ajudará, incentivando, analisando questões, tendo a paciência necessária para viver um dia após o outro em busca de um ideal.
Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Bons estudos!

OAB divulga o gabarito da 1ª fase do XIII Exame de Ordem Unificado

1foto_3A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) divulgou, na noite deste domingo (13), o gabarito oficial da primeira fase do XIII Exame de Ordem Unificado. A prova teve início às 13h (horário de Brasília) e cinco horas de duração. No total, os bacharéis em direito tiveram que responder a 80 questões objetivas. Para ser aprovado na primeira fase, é preciso acertar 50% das questões.

O conteúdo da prova abordou temas de disciplinas profissionalizantes obrigatórias e integrantes do currículo mínimo do curso de direito, como questões sobre direitos humanos, código do consumidor, estatuto da criança e do adolescente, direito ambiental, direito internacional, filosofia do direito. Além disso, fazem parte do currículo o estatuto da advocacia e da OAB, seu regulamento geral e código de ética e disciplina da OAB.

Segunda fase
Os candidatos aprovados na primeira fase farão a etapa subjetiva ou prova prático-profissional (segunda fase) no dia 1º de junho. A prova é de caráter eliminatório. Nessa etapa deverá ser elaborada uma peça profissional e quatro questões escritas discursivas.

Para a prova subjetiva serão apresentadas situações-problema e compreenderão as seguintes áreas, que deverá ser escolhida pelo candidato no ato da inscrição: direito administrativo, direito civil, direito constitucional, direito empresarial, direito penal, direito do trabalho ou direito tributário e do seu correspondente direito processual.

A aprovação é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado. O Exame de Ordem pode ser prestado por bacharel em direito, ainda que pendente apenas a  colação de grau, formado em instituição regularmente credenciada. Poderão realizá-lo os estudantes de direito do último ano do curso de graduação ou dos dois últimos semestres.

Na terça-feira (15) a OAB vai abrir as inscrições para a repescagem, ou seja, quem não passou na segunda fase do último exame poderá participar da etapa final deste XIII Exame de Ordem.

Veja a prova e gabarito

Fonte: G1