Coragem é o que não falta para o concurseiro

Dia_da_coragem4O dia de hoje, 6 de maio, me inspirou a escrever uma declaração para esse guerreiro concurseiro, afinal, hoje é o dia da coragem. E cá pra nós, talvez você nem se dê conta do tamanho da sua coragem! A decisão por um concurso público é uma decisão que requer uma dose alta de coragem, até porque as renúncias que você fará, serão constantes em sua vida de estudante.

Haja coragem para peitar os incrédulos e mostrar que você pode, que você consegue criar metas e se dar bem com elas!

Haja coragem de encarar um “mar” de gente pelos corredores dos cursinhos ou pelas redes sociais disputando o mesmo cargo que você e, mesmo assim, erguer a cabeça e sentir-se o melhor, o mais bem preparado!

Haja coragem para pedir “aquela ajudinha básica” para os pais, parentes e até amigos mais próximos quando a coisa aperta. Seja aperto de grana, de dor, de tristeza, de desmotivação, até mesmo para cuidar dos filhos quando precisa estudar!

Haja coragem para reconhecer os “desvios” durante a preparação e ainda assim, levantar a cabeça, e recomeçar!

Haja coragem para levantar a cada derrota!

Haja coragem para encarar de frente aquela disciplina que, durante bom tempo, virou seu calcanhar de Aquiles, mas mesmo assim, você bateu no peito e dominou-a com garra!

Haja coragem para abandonar por um tempo as festas, os amigos, aquela cervejinha depois do trabalho, a praia e até mesmo as festas essenciais na sua vida como aniversários, natal, reveillon, carnaval!

Haja coragem para olhar para a família sem você e dizer bem baixinho: “é por um curto período”!

Haja coragem para enxugar as lágrimas e dizer que você é mais que vencedor e que nada e nem ninguém (nem você mesmo) vai tirá-lo da maratona!

Haja coragem para abrir a sua prova e depositar nela toda a sua confiança!

Haja coragem para abrir o diário oficial, porque o medo de desmaiar pode  pegar você de surpresa quando vir seu nome escrito!

Então, haja coragem para servir os interesses públicos e, finalmente, desempenhar a sua função com glória!

A você, homem, mulher, estudante, concurseiro de coragem, desejamos que a cada dia você possa se renovar ainda mais com esse ingrediente que determinará o final da sua história! CORAGEM! SEMPRE!

Por: Cláudia Jones

Para STF, Justiça não pode interferir em critérios de avaliação

martelo justiçaEis uma matéria, de caso concreto, muito importante para que está estudando Atos Administrativos. Abaixo reproduzimos a matéria publicada no jornal Folha Dirigida:

Critérios adotados por bancas examinadoras de concurso não podem ser revistos pelo Judiciário. Esta tese, de grande interesse dos concurseiros, foi fixada pelo Plenário do  Supremo Tribunal Federal (STF), em sessão realizada no último dia 23, no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 632853. Por maioria de votos, os ministros definiram que apenas em casos de “flagrante ilegalidade ou inconstitucionalidade”, a Justiça poderá ingressar no mérito administrativo para rever critérios de correção e de avaliação impostos pelas organizadoras.

O RE 632853 havia sido interposto pelo governo cearense contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Ceará (TJ-CE), que determinou a anulação de 10 questões de concurso público, realizado em 2005, para preenchimento de vagas de enfermeiro no Programa Saúde da Família. Os candidatos alegavam que alguns dos itens impugnados possuíam mais de uma resposta correta e que existiam respostas baseadas em bibliografia que não constava do edital. A decisão terá efeito em, pelo menos, 196 processos sobrestados em tribunais de todo o país, que discutem casos semelhantes.

O relator do caso, ministro Gilmar Mendes, disse que a jurisprudência do STF já entende que o Judiciário não pode fazer o controle jurisdicional sobre o mérito de questões de concursos públicos, a não ser nos casos apontados como exceção. Segundo o ministro, a corte permite apenas que se verifique se o conteúdo das questões corresponde ao previsto no edital, sem entrar no mérito da questão. Ao acompanhar o voto do relator, o ministro Teori Zavascki observou que a interferência do Judiciário em concursos públicos deve ser mínima, pois se os critérios da banca forem modificados com fundamento em reclamação de uma parcela dos candidatos, todos os outros concorrentes serão afetados, o que resultaria em violação do princípio da isonomia.

Sobre o tema, a FOLHA DIRIGIDA ouviu Marcos Joel dos Santos, sócio-fundador do escritório Cassel Ruzzarin Santos Rodrigues Advogados. “Por maioria, o STF acabou provendo o recurso do governo do Ceará, admitindo o entendimento manifestado por Gilmar Mendes. Restou vencido, assim, o ministro Marco Aurélio Mello, que defendeu a possibilidade de revisão judicial daqueles critérios. Mas, no caso concreto, segundo a decisão reformada do TJ-CE, ficou demonstrado no processo de origem que as questões impugnadas da prova objetiva apresentavam mais de uma resposta correta, bem como que foi exigida bibliografia diversa daquela prevista pelo edital do certame.”

Para o advogado, a decisão do STF, em contraposição ao julgamento do Tribunal de Justiça cearense, é contraditória. “Sendo o edital a ‘lei do concurso’, submetendo à sua estrita observância tanto os candidatos quanto a própria administração pública, temos que esta avançou sobre terreno que lhe era defeso, ferindo os princípios da razoabilidade, moralidade e legalidade, sendo correta a decisão inicial do TJ-CE. Para além do caso concreto, a decisão do STF assume tons assombrosos quando observada à luz da inafastabilidade da jurisdição, do direito à tutela jurisdicional adequada, garantida pelo artigo 5º, inciso XXXV da Constituição da República. Isso porque exime o Judiciário de apreciar demandas a que deveria garantir resposta efetiva, em casos onde a administração pública arbitrariamente excede aos limites de discricionariedade estabelecidos e viola princípios basilares que deveriam nortear sua rotina”, pontua.

Marcos Joel dos Santos acredita que “o entendimento reafirmado pela decisão da Suprema Corte acaba por mitigar poderes legítimos de controle externo da administração pelo Judiciário, mantendo ambiente de grave insegurança a candidatos ao ingresso no serviço público”. É como se os concurseiros ficassem, assim, desprotegidos, à mercê das regras e dos critérios – por vezes, questionáveis – estabelecidos por órgãos públicos e organizadoras.

Estude Atos Administrativos pelo QC e entenda um pouco mais sobre o assunto.
Veja mais de 20 mil questões de Direito Administrativo

Assista a mais de 170 aulas de Direito Administrativo

Fonte: Folha Dirigida

Tira dúvidas: estudar em família é aconselhável?

imagesRecebi um email de uma aluno que está estudando há alguns meses e nos contou que a mãe e irmão resolveram estudar também. Ele gostaria de saber se estudar com a família, em casa, pode ajudar ou atrapalhar no desenvolvimento.  Será que isso pode atrapalhar meu desenvolvimento, pergunta ele

Não vejo pontos desfavoráveis nessa iniciativa. Estudar junto significa mais interação, tão escassa entre as famílias modernas por contas de hábitos e rotinas diferentes. Mais que isso, significa um mesmo projeto de vida, um incentivo a mais para o outro e uma cobrança menor – ou praticamente nula – pela falta de tempo e de dedicação ao outro, o que é muito comum para quem tem tarefas distintas e controversas.

Conheço alunos que passaram a se interessar mais pelos livros e apostilas depois que um membro da própria família o convenceu de que seria uma sábia decisão.

A inclusão do(a) namorado(a), da mãe, do(a) tio(a)  também é saudável. Estudar em grupo é sempre motivo positivo. É comum um membro ter facilidade de assimilação em relação a uma disciplina mais que outro ou não entender bem um tópico e outra pessoa, com nível de compreensão exato, se disponibilizar a dar explicações. Estudar em grupo funciona dessa forma e, em família, fica ainda mais proveitoso.

Nada melhor que a boa convivência em família. Quando essa convivência se transforma em “cumplicidade” nosestudos, fica ainda melhor.  Neste caso, passar em concursos públicos, conquistando independência financeira e uma aposentadoria para lá de tranquila. Mas aqui fica a dica: é para estudar mesmo!

Por Cláudia Jones

Comece a estudar agora mesmo pelo QC!

Bom estudos!

Por Cláudia Jones, jornalista e especialista em concursos

Guia de Estudo para a PRF

Com a previsão do concurso da PRF para 2015, muitos alunos têm perguntado como devem estudar para esta concorrida prova. De forma bastante sintética, coloquei um guia de estudo abaixo que pode direcionar a energia e o tempo dos candidatos:

Tabela PRF

O Guia de estudos foi elaborado com base na dificuldade das disciplinas e no peso que possuem.

Sendo assim, as matérias de Conhecimentos Básicos têm uma carga horária menor e se concentram nos dois primeiros dias da semana, com uma revisão às terças-feiras.

As matérias de Conhecimentos Específicos, que valem mais pontos, estão concentradas de quarta a sexta, com uma revisão aos sábados.

Em todo o guia, há sempre um misto entre estudo de teoria e de exercícios. Além de impedir a monotonia, este esquema ajuda o aluno a aplicar de modo concreto seu conhecimento abstrato. Por isso, toda questão que fizer deve ser retirada das últimas provas da PRF e da banca que organizará o concurso. Assim, o candidato vai testar seu saber, avaliar sua evolução e conhecer o estilo de pergunta e o padrão de resposta que deve adotar para ser aprovado.

As disciplinas de Ciências Exatas estão concentradas pela manhã, quando a maioria das pessoas desenvolve uma capacidade maior de atenção. Como muitos candidatos têm dificuldade nestas matérias, é melhor estudá-las no início do dia, quando a concentração é máxima.

Em todas as disciplinas de Ciências Exatas, proponho um estudo teórico bem enxuto, de 30 minutos, complementadas pela leitura de questões resolvidas ou comentadas. Assim, o candidato ao mesmo tempo vai enxergando como a teoria é aplicada na prática de fazer um exercício. Depois, ele ainda tem mais 1hora para fazer questões por conta própria.

As matérias jurídicas de Conhecimentos Específicos têm 4 horas semanais de estudo, menos Direitos Humanos e Cidadania que possui conteúdo mais enxuto. Ao contrário das outras disciplinas de Direito que devem ser estudadas por meio de livros, o estudo da Legislação Relativa à PRF é um pouco diferente, porque se foca na leitura seca de algumas normas. Por isso meu esquema estabeleceu apenas 1 hora de estudo teórico e 3 horas de resolução de questões.  Assim o candidato não se desmotiva com uma leitura enfadonha e parte diretamente para fazer questões que o ajudam a fixar os detalhes das leis.

A repetição semanal deste esquema de estudo garantirá que o aluno não esqueça nenhum conteúdo. Gradativamente, ele vai construindo seu conhecimento até a data da prova.

Bons estudos!

Fernando Bentes, é diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Legenda da tabela:

TEORIA: Estudo abstrato pela leitura de livros e apostilas que apresentam conceitos, fórmulas, gráficos e definições.
QUESTÕES: Estudo prático de resolução de questões.
QUESTÕES RESOLVIDAS: Estudo de leitura de questões resolvidas e comentadas por professores que indicam ao aluno a lógica das perguntas e o modo de pensar corretamente para resolver questões.

 

Maiores de 50 anos e concursos públicos

fazendo provasDias atrás recebi um email de uma interessada em concursos públicos que estava há bastantes anos sem estudar e já estava com 57 anos. A dúvida dela era se ela conseguiria e se, por acaso sofreria discriminação, pela idade, como acontece com ela no mercado privado.

Os concursos públicos são a forma mais democrática de obter um emprego. Assim, a discriminação que você pode enfrentar, por causa da idade, ou outros pretextos, na iniciativa privada, não se repete no serviço público. Inclusive, na maioria dos concursos, um dos critérios de desempate é a idade. Pessoas de mais idade têm preferência sobre as mais novas na hora do desempate. Tecnicamente você só não tomará posse se já tiver atingido os 70 anos, pois com essa idade a aposentadoria é compulsória. Até esse limite oficial, você pode assumir o cargo. Em alguns concursos é possível que haja restrições quanto à idade, por causa da atividade do cargo, sendo fundamental acompanhar os editais para escolher concursos sem essa restrição. Concurso público demanda investimento em tempo de estudo e dedicação. Conheço diversas pessoas, nesta faixa etária,que estão em pleno vapor frequentando aulas, turmas de teoria, de exercícios e simulados. Ou seja, entrando na briga para ganhar! E é lindo quando chego às salas de estudos do curso e presencio pessoas mais idosas estudando com afinco, tirando dúvidas com os professores e trocando conhecimento com os colegas, sejam da mesma idade, sejam mais novos, enfim, determinadas a vencer. Mas sabe o que é mais gratificante? É quando essas pessoas chegam até a mim e dizem: fui classificada num concurso. E isso,  pode acontecer com você também, que ainda não se decidiu por um concurso só depende da sua determinação e organização nos estudos. O quanto é importante para você, ter um bom salário e estabilidade, mesmo que por tempo restrito? Depois dessa sua resposta, se for relevante é arregaçar as mangas e cair nos estudos. E, se você vai conseguir? Determine a aprovação na sua vida e caia na maratona dos estudos! Vá em frente, vença e bons estudos!

Comece a estudar agora mesmo pelo QC!

Bom estudos!

Por Cláudia Jones, jornalista e especialista em concursos

Rumo ao DEPEN. Dicas de como estudar para esse concurso!

DEPEN agenteO Departamento Penitenciário Nacional – DEPEN publicou edital para o provimento dos cargos de Especialista em Assistência Penitenciária, de Agente Penitenciário Federal e de Técnico de Apoio à Assistência Penitenciária. Ao todo são 258 vagas destinadas aos níveis médio e superior. As remunerações ão de R$ 3.679,20 a R$ 5.403,95. Convidamos o professor de Direito Penal e Processo Penal, Leonardo Galhardo, policial civil e autor de diversos livros para concursos para dar dicas para esse concurso.

De acordo com Leonardo, mesmo as vagas sendo para a sede em Brasília/DF e para uma das cinco penitenciárias federais localizadas em Brasilia/DF, Campo Grande/MS, Catanduvas/PR, Mossoró/RN e Porto Velho/RO o concurso continua sendo interessante para os candidatos do Rio de Janeiro/RJ, tendo em vista que garantem um bom salário (R$ 5.403,95) e exigem apenas o nível médio. Além disso, os agentes penitenciários são submetidos ao regime estatutário, o que garante estabilidade e plano de carreira.

O DEPEN publicou um manual em que afirma em linhas gerais o perfil ideal de um Agente Penitenciário. De acordo com a própria instituição, o candidato deve ser uma pessoa capaz de pautar a sua conduta social nos pilares da legalidade (cumprimento das leis) e da ética (valores morais), com a finalidade de lidar de maneira adequada com um indivíduo que está privado de sua liberdade. “Além disso, é importante que o candidato tenha a humildade de perceber que nem sempre vai ter condições de transformar criminosos em não criminosos, sob pena de se frustrar no exercício da função. Outro aspecto importante é ser corajoso e equilibrado, tendo em vista que a sua rotina vai mudar drasticamente e a função vai exigir o manuseio e o emprego de armas de fogo, o que exige controle emocional e muita responsabilidade”, orienta Galhardo.
O especialista ainda explica que a banca CESPE tem o hábito de cobrar muita jurisprudência (decisões anteriores reiteradas dos tribunais sobre determinado tema) relacionada ao STF/STJ. “Além disso, é interessante conhecer a literalidade da lei, tendo em vista que a referida banca também cobra muitas questões dessa natureza. Outra dica importante é no sentido de que as questões genéricas e incompletas formuladas pela sobredita banca costumam ser marcadas como corretas. Logo, se a questão não trouxer alegações restritivas e falar de forma genérica sobre os requisitos de um determinado instituto, podemos marcá-la como correta, mesmo que nem todos os requisitos cumulativos tenham sido apresentados na assertiva”.  Para ele,  esse é um dos pontos que mais derruba os candidatos, tendo em vista que os mesmos percebem uma assertiva como incompleta e ficam tentados a marcá-la como errada, perdendo a questão na maioria das vezes.
O professor afirma que o edital mudou drasticamente. “A prova anterior (2013) cobrou conhecimentos gerais (língua portuguesa, noções de informática, ética do serviço público, raciocínio lógico e atualidades) e conhecimentos específicos (noções de direito constitucional, noções de direito administrativo, noções de direito penal, noções de direito processual penal e tópicos de direitos humanos). A seleção atual, por sua vez, dividiu o programa por áreas e separou o concurso em diversas modalidades, sendo certo que aquela que mais se assemelha ao concurso anterior deixou de cobrar as noções de direito penal, por exemplo, mas trouxe leis penais extravagantes, além de inserir criminologia”, informa. O especialista diz que são muitas mudanças que vão impactar igualmente todos os candidatos, o que significa que aqueles que estavam estudando com base no edital anterior vão enfrentar as mesmas dificuldades. “Você só precisa encarar tais mudanças como uma oportunidade de sair na frente dos demais candidatos e estudar com afinco”, motiva.

Com a publicação do edital, o candidato deve focar na resolução de questões de provas anteriores, tendo em vista que o tempo é curto e não vale a pena se debruçar sobre páginas intermináveis de doutrina, orienta Leonardo. “Dessa forma, sugiro ao candidato uma preparação focada em exercícios de provas da mesma banca (mesmo que não sejam especificamente para o DEPEN), com a finalidade de avaliar aqueles pontos que são estatisticamente mais cobrados em cada disciplina, bem como absorver o padrão de respostas utilizado nos concursos anteriores”.

Galhardo explica ainda que as provas objetivas para Agente Penitenciário seguem o modelo tradicional da banca CESPE, o que significa que temos afirmações simples, as quais devem ser marcadas como CERTO ou ERRADO. “Nesse sentido, é essencial que o candidato tenha controle emocional para deixar em branco as perguntas que não possui condições de responder, sob pena de perder pontos importantes e ficar de fora da lista dos aprovados. Além disso, o concurso possui outras fases, como o exame de aptidão física, a avaliação médica e a avaliação psicológica, o que significa que não adianta estudar vinte e quatro horas por dia e descuidar da saúde. Já tive alunos que dominavam o conteúdo programático do edital, mas ficaram reprovados por deixarem a parte física/emocional para um segundo momento. Sendo assim, estude bastante, mas separe uma ou duas horas por dia para cuidar do corpo e da mente, com uma caminhada tranquila, corrida, bicicleta ou qualquer outra atividade que lhe agrade. Ajuda na preparação para as próximas fases e ainda fornece tranquilidade emocional para reforçar os estudos. Por fim, leia o edital! Ele é a regra máxima do seu concurso e você precisa conhecê-lo por inteiro para não ser surpreendido lá na frente… Boa sorte”!

Estude pelo QC. Abaixo disponibilizamos um Guia de estudos baseado o conteúdo programático para os cargos de Agente penitenciário (nível médio) e Especialista Penitenciário(nível superior):

CONHECIMENTOS BÁSICOS (PARA TODOS OS CARGOS)

LÍNGUA PORTUGUESA: 1- Compreensão e interpretação de textos. 2- Tipologia textual. 3- Ortografia oficial.4-Acentuação gráfica. 5 Emprego das classes de palavras.

6- Emprego/correlação de tempos e modos verbais 7-Emprego do sinal indicativo de crase. 8- Sintaxe da oração e do período. 9- Pontuação. 10- Concordância

nominal e verbal. 11- Regência nominal e verbal. 12- Significação das palavras. 13- Redação de Correspondências oficiais (Manual de Redação da Presidência da República). 13.1 Adequação da linguagem ao tipo de documento. 13.2 Adequação do formato do texto ao gênero.

ATUALIDADES: 1- Sistema de justiça criminal. 2- Sistema prisional brasileiro. 3- Políticas públicas de segurança
pública e cidadania.
NOÇÕES DE ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO: 1- Ética e moral. 2- Ética, princípios e valores. 3- Ética e democracia: exercício da cidadania. 4 Ética e função pública.

5- Ética no Setor Público. 5.1 Código de Ética Profissional do Serviço Público – Decreto nº 1.171/1994. 5.2 Regime disciplinar na Lei nº 8.112/1990: deveres e proibições,
acumulação, responsabilidades, penalidades. 5.3 Lei nº 8.429/1992: Improbidade Administrativa. 5.4 Processo administrativo disciplinar. Espécies de Procedimento Disciplinar: sindicâncias investigativa, patrimonial e acusatória; processo administrativo disciplinar (ritos ordinário e sumário). Fases: instauração, inquérito e julgamento. Comissão Disciplinar: requisitos, suspeição, impedimento e prazo para conclusão dos trabalhos (prorrogação e recondução).
NOÇÕES DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO SOCIAL: 1- Declaração Universal dos Direitos Humanos (Resolução 217-A (III) – da Assembleia Geral das Nações Unidas, 1948). 2 Direitos Humanos e Direitos Fundamentais na Constituição Federal de 1988 (arts. 5º ao 15). 3 Regras mínimas da ONU para o tratamento de pessoas presas. 4- Programa Nacional de Direitos Humanos (Decreto nº 7.037/2009). 5- Política Nacional de Participação Social (Decreto nº 8.243/2014). 6 Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (arts. 62 a 64 da Lei de Execução Penal). 7 Conselhos Penitenciários (arts. 69 e 70 da Lei de Execução Penal). 8 Conselhos da Comunidade (arts. 80 e 81 da Lei de Execução Penal).

Tabela para Agente Penitenciário

 

CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES PARA O CARGO DE ESPECIALISTA EM ASSISTÊNCIA PENITENCIÁRIA (TODAS AS ÁREAS) E TÉCNICO DE APOIO A ASSISTÊNCIA PENITENCIÁRIA – ÁREA: TÉCNICO DE ENFERMAGEM
ASSISTÊNCIAS NA EXECUÇÃO PENAL: 1 Assistências na Lei de Execução Penal (arts. 10 a 37 e arts. 126 a
130). 2- Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema
Prisional (Portaria MJ/MS nº 1, de 02/01/2014). 3- Plano Estratégico de Educação no âmbito do Sistema
Prisional. (Decreto nº 7.626/2011). 4- Resoluções do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária:
Resolução nº 4/2014 – Assistência à Saúde; Resolução nº 1/2014 – Atenção em Saúde Mental; Resolução
nº 3/2009 – Diretrizes de Educação; Resolução nº 8/2009 – Assistência Religiosa.
CONHECIMENTOS COMPLEMENTARES PARA O CARGO DE CARGO DE AGENTE PENITENCIÁRIO
FEDERAL (TODAS AS ÁREAS)
EXECUÇÃO PENAL: 1- Lei de Execução Penal. 2- Sistema penitenciário federal (Lei nº 11.671/2008 e Decreto
nº 6.877/2008). 3- Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no
Sistema Prisional (Portaria MJ/MS nº 1, de 02/01/2014). 4- Plano Estratégico de Educação no âmbito do
Sistema Prisional. (Decreto nº 7.626/2011). 5- Resoluções do Conselho Nacional de Política Criminal e
Penitenciária: Resolução nº 4/2014 – Assistência à Saúde; Resolução nº 1/2014 – Atenção em Saúde
Mental; Resolução nº 3/2009 – Diretrizes de Educação; Resolução nº 8/2009 – Assistência Religiosa;
Resolução nº 5/2014 – Procedimentos para revista pessoal. 6 Política Nacional de Atenção às Mulheres em
Situação de Privação de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional (Portaria MJ/SPM nº 210/2014).

Bons estudos!

Veja outras matérias interessantes:

Fernando Bentes, diretor do QC, ensina a ter metas de estudos. 

Divisão e otimização dos estudos!

 

 

O futuro é agora!

estudantes 2Quem está prestes a concluir o ensino médio pode ter nos concursos públicos a chance de ter uma carreira construída em bases sólidas para o resto da vida. Se, na melhor das hipóteses, um jovem de uns 18 anos com experiência apenas nesse patamar, na iniciativa privada, teria como vencimentos mensais algo em torno de R$ 1 mil, no serviço público esse valor pode chegar a três, quatro vezes mais. Não são raras as oportunidades que pagam salários de R$3 mil, R$ 4 mil.

Quando decidimos fazer um concurso público damos o primeiro passo rumo ao sucesso, que significa apenas duas coisas: que vamos vencer ou não vamos vencer!  E vencer depende apenas do quanto estamos dispostos a nos entregar ao trabalho de construir uma estrada segura que vá nos levar até a vitória. Estudar é, sim, o primeiro passo, focado no que será o nosso projeto de vida. Neste caso, passar em concurso público.

Cabe a cada um, então, decidir pelo entende como “vitória”. É fato que concurso público não é a única oportunidade para nos mantermos equilibrados financeiramente, mas pode ser a que faltava para esse início tão sofrido de jovens sem experiência aos 18 anos e um monte de sonhos na cabeça inviabilizados pela falta de emprego e de (algum) dinheiro no bolso.

Depois, com estabilidade, tudo ficará mais fácil: fazer a faculdade, abrir um consultório, programar aquela viagem, casar e ter filhos… Para isso, é preciso erguer o alicerce que, muitas vezes, insistimos em desperdiçar, principalmente quando somos jovens demais.

Comece a estudar agora mesmo pelo QC!

Bom estudos!

Por Cláudia Jones, jornalista e especialista em concursos

O tempo certo de cada um

livros-e-relogio(1)Concurso público virou sinônimo de sonho há bastante tempo. Quando o candidato pensa em se dedicar apenas à preparação para um concurso, cria uma expectativa de que passará em breve e que o sonho chegará em um curto período. Isso acaba gerando ansiedade e decepção quando a derrota acontece. E aí se pergunta: devo largar tudo para estudar? Valerá mesmo a pena? Mas não posso, poderá pensar em seguida.

A decisão de largar tudo e iniciar a preparação deve ser vista como uma estratégia, mas pode não ser a opção mais eficiente e nem a mais segura para o candidato. Um exemplo é o candidato com algum dinheiro obtido na sua demissão, ou o que ganhou de herança, suficiente para sobreviver um tempo determinado. No entanto, dependendo do candidato e do concurso, mesmo que estude em tempo integral, esse prazo poderá não ser suficiente.

Não abrir mão de outras atividades, por outro lado, aumenta o tempo necessário para a preparação do candidato, o que pode ser um gerador de desânimo.  Um objetivo que demora muito a ser alcançado é tão perigoso quanto um objetivo que tem que ser alcançado em curto prazo. Talvez uma proposta intermediária seja melhor.

Assim, inicie os estudos sem abandonar as outras atividades, assista às aulas, faça exercícios, sedimente o conteúdo que está estudando, adquira hábito de estudo – sem falar que lazer é fundamental para descansar o corpo e a mente. Conforme o conteúdo se sedimenta e o candidato consegue organizar os estudos, o seu desempenho em concursos melhora.

Um problema maior é quando o candidato percebe que “quase” passou e fica desorientado por ter sido “por pouco”. Aí, vale a pena repensar a grade de horários e se dedicar ainda mais a sua preparação. Isso poderá fazer a diferença. Fica garantido que em curto prazo o sonho se realiza e ao mesmo tempo não tem chance do dinheiro terminar antes da realização do sonho. O sonho não fica muito distante e nem tem a obrigação de ser alcançado em prazo muito curto.

O candidato deve organizar seu tempo de estudo, usando uma tabela ou planilha se possível, determinando qual será o tempo reservado para o estudo na vida dele, e quanto desse tempo será dedicado a cada disciplina. Pode ser uma sugestão determinar o tempo disponível de estudo com o peso de cada disciplina na prova que está concorrendo. Assim,  não correrá o risco de deixar passar  em branco alguma disciplina por falta de tempo para dedicar-se a ela. Mas tudo depende da etapa em que o candidato está no processo de preparação. Por exemplo, um candidato que iniciou a preparação agora deve dividir o tempo de estudo entre as disciplinas básicas, deixando um tempo um pouco maior para as disciplinas que tem mais dificuldade de forma a tornar a preparação e o estudo mais uniforme.

Inicialmente o candidato deve ter domínio sobre as matérias básicas, tendo estudado a teoria. Essa fase é inicial, mesmo, e não adiantará querer pular etapas. Primeiro, o bebê engatinha para, meses depois, andar. É assim com quem estuda. Quando estiver fazendo exercícios deve iniciar os estudos das disciplinas específicas para o próximo concurso que pretende fazer. A organização é a mesma, o candidato não deve abandonar o estudo das matérias básicas, mas reduzi-lo para abrir espaço para as disciplinas específicas.

Um grande conselho para você, candidato, é que nunca desista. Não existe candidato que não consiga um emprego público, o que existe é o candidato que desiste antes de alcançar seu sonho. Com perseverança e a certeza de que tudo faz parte do aprendizado, você não esmorecerá e a vaga estará garantida. É sempre uma questão de tempo. Faça a sua parte, estudando, empenhando-se, que o resultado não poderá ser outro diferente da aprovação, cujo merecimento será medido na prova. É uma questão lógica! O emprego público depende única e exclusivamente do candidato e o tempo necessário para ter o sonho realizado depende de cada um.

Bons estudos!

Cláudia Jones, é jornalista e especialista em concursos

Tabela de Estudos para o concurso do INSS

Quem deseja concorrer a uma vaga para o Instituto Nacional de Seguridade Social- INSS, deve começar a se organizar desde já. O Concurso está previsto desde  2014 e já existem muitos candidatos em ritmo de estudo disciplinado. O atraso do edital é favorável a quem começou  a estudar agora ou vai começar. Já quem estuda há bastantes meses deve manter o ritmo e não desanimar. Para este candidato que já viu a matéria toda, ou praticamente toda, esta é a hora de intensificar na resolução de questões, nos resumos  e revisões teóricas e, principalmente, hora de treinar a prova por emeio de simulados.

Para quem vai começar a estudar neste momento, produzimos duas tabelas para apoio ao candidato iniciante. O ideal é ter muita organização e disciplina. Produzimos as tabelas para quem tem tempo integral e para quem tem pouco tempo. Dessa forma, fique à vontade para ajustar as disciplinas de acordo com sua necessidade. Não colocamos Ética no Serviço Público, pois como é uma matéria menor, e Regime Jurídico Único, que é a famosa Lei 8112/90, que você estudará dentro de Direito Administrativo. Assim você pode começar a estudá-la quando tiver terminado alguma outra disciplina, ou incluí-la no domingo, se quiser.

Tabela-INSS-geral-1Jones

Tabela-inss-geral-2Jones

Abaixo listamos os conteúdos cobrados no edital anterior, de 2011 com os links para as questões e aulas referentes aos tópicos.  Para estudar cada disciplina, siga a sequência de assuntos disponíveis no edital.

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO: Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal: Decreto n.o 1.171/94 e Decreto 6.029/07.
REGIME JURÍDICO ÚNICO: Lei 8.112/90 e alterações posteriores, direitos e deveres do Servidor Público. O servidor público como agente de desenvolvimento social; Saúde e Qualidade de Vida no Serviço Público.
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL: 1- Direitos e deveres fundamentais: direitos e deveres individuais e coletivos; direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade; direitos sociais; nacionalidade; cidadania; garantias constitucionais individuais; garantias dos direitos coletivos, sociais e políticos. 2- Da Administração Pública (artigos de 37 a 41, capítulo VII, Constituição Federal).
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO: 1- Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios.
2- Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. 3- Organização administrativa da União; administração direta e indireta. 4- Agentes públicos: espécies e classificação; poderes, deveres e prerrogativas; cargo, emprego e função públicos; regime jurídico único: provimento, vacância, remoção, redistribuição e substituição; direitos e vantagens; regime disciplinar; responsabilidade civil, criminal e administrativa. 5- Poderes administrativos: poder hierárquico; poder disciplinar; poder regulamentar; poder de polícia; uso e abuso do poder. 6- Ato administrativo: validade, eficácia; atributos; extinção, desfazimento e sanatória; classificação, espécies e exteriorização; vinculação e discricionariedade. 7- Serviços Públicos; conceito, classificação, regulamentação e controle; forma, meios e requisitos; delegação: concessão, permissão, autorização. 8- Controle e responsabilização da administração: controle administrativo; controle judicial; controle legislativo; responsabilidade civil do Estado. Lei nº. 8.429/92 e alterações posteriores (dispõe sobre as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, cargo, emprego ou função da administração pública direta, indireta ou fundacional e dá outras providências). 9- Lei n°9.784/99 e alterações posteriores (Lei do Processo Administrativo).
LÍNGUA PORTUGUESA: 1- Compreensão e interpretação de textos. 2- Tipologia textual. 3- Ortografia oficial. 4- Acentuação gráfica. 5- Emprego das classes de palavras.
6- Emprego do sinal indicativo de crase. 7- Sintaxe da oração e do período. 8- Pontuação. 9- Concordância nominal e verbal. 10- Regências nominal e verbal. 11- Significação das palavras. 12- Redação de correspondências oficiais.
RACIOCÍNIO LÓGICO: 1- Conceitos básicos de raciocínio lógico: proposições; valores lógicos das proposições; sentenças abertas; número de linhas da tabela verdade; conectivos; proposições simples; proposições compostas. 2- Tautologia. 3- Operação com conjuntos. 4 Cálculos com porcentagens.
NOÇÕES DE INFORMÁTICA: 1- Conceitos de Internet e intranet. 2- Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos associados à Internet e à intranet. 3- Conceitos e modos de utilização de ferramentas e aplicativos de navegação, de correio eletrônico, de grupos de discussão, de busca e pesquisa. 4- Conceitos básicos e modos de utilização de tecnologias, ferramentas, aplicativos e procedimentos de informática. 5- Conceitos e modos de utilização de aplicativos para edição de textos, planilhas e apresentações. 6- Conceitos e modos de utilização de sistemas operacionais Windows e Linux.
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: 1- Seguridade Social. 1.1 Origem e evolução legislativa no Brasil. 1.2 Conceituação. 1.3 Organização e princípios constitucionais.
2 -Legislação Previdenciária. 2.1 Conteúdo, fontes, autonomia. 2.3 Aplicação das normas previdenciárias. 2.3.1 Vigência, hierarquia, interpretação e integração.
3- Regime Geral de Previdência Social. 3.1 Segurados obrigatórios, 3.2 Filiação e inscrição. 3.3 Conceito, características e abrangência: empregado, empregado doméstico, contribuinte individual, trabalhador avulso e segurado especial. 3.4 Segurado facultativo: conceito, características, filiação e inscrição. 3.5 Trabalhadores excluídos do Regime Geral. 4 -Empresa e empregador doméstico: conceito previdenciário. 5- Financiamento da Seguridade Social. 5.1 Receitas da União. 5.2 Receitas das contribuições sociais: dos segurados, das empresas, do empregador doméstico, do produtor rural, do clube de futebol profissional, sobre a receita de concursos de prognósticos, receitas de outras fontes. 5.3 Salário-de-contribuição. 5.3.1 Conceito. 5.3.2 Parcelas integrantes e parcelas não-integrantes. 5.3.3 Limites mínimo e máximo. 5.3.4 Proporcionalidade. 5.3.5 Reajustamento. 5.4 Arrecadação e recolhimento das contribuições destinadas à seguridade social. 5.4.1 Competência do INSS e da Secretaria da Receita Federal do Brasil. 5.4.2 Obrigações da empresa e demais contribuintes. 5.4.3 Prazo de recolhimento. 5.4.4 Recolhimento fora do prazo: juros, multa e atualização monetária. 6- Decadência e prescrição. 7- Crimes contra a seguridade social. 8- Recurso das decisões administrativas. 9- Plano de Benefícios da Previdência Social: beneficiários, espécies de prestações, benefícios, disposições gerais e específicas, períodos de carência, salário-de-benefício, renda mensal do benefício, reajustamento do valor dos benefícios. 10- Manutenção, perda e restabelecimento da qualidade de segurado. 11- Lei n.° 8.212, de 24/07/1991 e alterações posteriores. 12- Lei n.º 8.213, de 24/07/1991 e alterações posteriores. 13- Decreto n.° 3.048, de 06/05/1999  e alterações posteriores; 14- Lei de Assistência Social – LOAS: conteúdo; fontes e autonomia (Lei n° 8.742/93 e alterações posteriores; Decreto nº. 6.214/07 e alterações posteriores).
Bons estudos!

Vencendo o desânimo!

desanimo nos estudos“Há certas horas em que bate um desânimo…”. Acho que não existe uma só pessoa que trabalhe com concursos que nunca tenha ouvido essa frase ou similar. A diferença entre o candidato vitorioso e o outro é até que ponto ele tem certeza de que está preparado para superar essa fase.

Não desanimar é fundamental para quem pretende conquistar uma vaga no funcionalismo público. Todo o tempo que você “gasta” e tudo o que você aprende não serão em vão, caso você realmente não desista por conta do desânimo.

Dificuldades sempre existirão, seja em que carreira for, em que área for. A vida é assim. No entanto, o diferencial está na sua dedicação, no quanto você tem a sua vaga na administração pública como meta de vida. Isso é fundamental para você vencer o tal desânimo e ir superando as dezenas de adversidades que surgirão ao longo do caminho.

Uma dica para seguir em frente é dedicação com paciência, porque pode mesmo demorar o seu ingresso no serviço público. Então, estabeleça isso como meta a médio e longo prazos e se programe. Organize a agenda de estudos, faça um bom curso, mantenha um ritmo durante o tempo de preparação, seja ele de seis meses ou um ano, por exemplo. Tudo de acordo com seu ritmo de vida, já que temos no meio de tudo isso, muitas vezes, faculdade, trabalho, filhos.

Mais tarde, no final desse período determinado com antecedência, aposto como você vai ver o quanto foi importante ter disciplina na preparação. E se não tiver ainda conquistado sua vaga, já estará muito, muito mais perto que antes. E muito mais preparado também. Enquanto isso, os outros…

Bons estudos!

Cláudia Jones, é jornalista e especialista em concursos