Delegado de Polícia dá dicas de como passar em concursos da área Policial

segurança publicaA segurança pública é uma questão que vem sendo trabalhada como um dos principais desafios do Governo. Devido à sua importância, os gestores públicos vêm, cada vez mais,  depositando esforços  para que essa área esteja bem amparada de servidores. Todos os anos são abertas diversas oportunidades pelo país. São centenas de vagas nas esferas federal, estadual e municipal.  Diante disso, convidamos o ex-aluno do QC, Aloysio Falcão, hoje, delegado de polícia do estado do Rio de Janeiro e professor de Direito Penal e Processual Penal, para dar dicas de como estudar para essa área.

“Sabemos que o conhecimento doutrinário e jurisprudencial é importantíssimo para a aprovação no tão almejado cargo público porém, ao meu ver, a parte mais importante sempre foi treinar questões de

Concursos Públicos, especialmente daquele concurso em que você foque, pois muitas vezes as questões se repetem, pega-se o jeito “maldoso” dos examinadores, descobre-se seus pontos fracos referentes às
matérias que precisa estudar mais, aprende a controlar o tempo na hora da prova (conheço candidato muito bem preparado que não soube controlar o tempo no dia do exame e acabou sendo reprovado), bem como
ajuda a distrair e variar o método de estudo, pois muitas vezes estamos estafados mentalmente e não conseguimos absorver mais informação, o que é completamente normal. Passarei o método de estudo
que criei e utilizei durante 01 ano e meio, onde consegui ser aprovado em diversos concursos, dentre os mais importantes Delegados de Polícia da Bahia, Goiás e Rio de Janeiro (onde sou Delegado atualmente).

Como meu foco eram os concursos para o cargo de Delegado de Polícia, eu estudava 02 matérias por dia e, à noite, reservava 02 horas pra realizar questões sobre os temas que havia estudado pela manhã com o
intuito de fixar a matéria (existem diversos livros que, ao final de cada capítulo, possuem questões comentadas, bem como websites com questões de concursos).

Por exemplo, estudava 03 horas de Direito Penal pela manhã, 03 horas de Processo Penal à tarde, descansava por umas horas ou praticava alguma atividade física e à noite realizava em média 40 questões por
dia, a depender do tipo de questões, se ABCDE ou C e E, etc. Quando estava perto da data da prova, aproximadamente 02 semanas antes, abandonava os livros esomente fazia questões, em torno de 150 questões
por dia (Imagine que em uma prova de 100 questões você terá, em média, 05 horas pra terminá-la, acrescente mais 50 questões diárias e é  possível realizar, sim. Então, até o dia da prova, você terá feito
quase 2.000 questões da Banca Examinadora, o que é muita coisa).

Não estou falando que o meu jeito é o mais correto, porém funcionou comigo, pois no começo, quando não realizava questões e apenas lia muita doutrina, lei seca e jurisprudência, estava sempre batendo na
trave e angariando algumas reprovações, mas que também fazem parte da vida de todo concurseiro. É errando que se aprende!

Outro ponto bastante importante que muita gente esquece é a atividade física! Se possível, faça caminhadas, corrida, luta ou qualquer esporte pelo menos 3x na semana, pois ajuda a desestressar, melhora
seu sono e oxigena o cérebro, alimentando a sua memória. A parte psicológica é muito importante! Muitas pessoas, sem ter formação profissional em medicina, recomendam aos concurseiros a utilização de
remédios que supostamente facilitariam nos estudos, dentre os mais conhecidos, a ritalina! É um erro tremendo achar que tomando este medicamento você estudará mais, pelo contrário, a ritalina é um remédio que pode trazer diversos efeitos colaterais, dentre eles, taquicardia, ansiedade, insônia, o que prejudicará seu desempenho nos estudos, pois você precisa estar em pleno estado de saúde mental pra render melhor.

Pra despertar, basta o bom e velho cafezinho e, se possível, um banho gelado pra dar uma renovada! Outra parte importante que alguns candidatos me perguntam é se é preciso estudardomingo à domingo. Eu

Aloysio Falcão, professor e delegado da Polícia Civil-RJ

Aloysio Falcão, professor e delegado da Polícia Civil-RJ

digo que não, lógico que terá domingos em que você conseguirá render bem, porém, na maioria das vezes, sua mente estará cansada, vocêestará se cobrando e não irá estudar da forma mais adequada, podendo passar despercebido algum tema relevante que possa cair em prova. Por isso, minha dica é: aproveite um dia na semana (no meu caso, o Domingo) pra passar com sua família, fazer coisas que você gosta, ir ao cinema, praia, tomar uma cerveja (de leve, rs), etc. Isso ajudará na recuperação do seu espírito e cérebro! Outra coisa, quando houver sido reprovado (o que acontecerá, fui reprovado algumas vezes e não tenho vergonha nenhuma disto), tentem levar para o lado positivo sempre, veja sua evolução (Exemplo: na primeira prova você acertou 40 questões dentre as 100 e foi reprovado, na segunda você fez 50% da prova e ainda restou reprovado, não desanime! Pense que você evoluiu muito e que, em breve, estará fazendo 70%, 80%, ou até mesmo 90% da prova e será aprovado! Ninguém nunca sabe de tudo, é humanamente impossível!)

O grande segredo dos estudos é evoluir! Pois bem pessoal, volto a repetir que não quero afirmar que este seja o método mais eficaz pra obter a tão sonhada aprovação, porém, pra aqueles que ainda não têm um
estratégia de estudos, espero que esse post seja interessante e possa ajudar na vida de vocês! Testem e depois me digam se estão gostando e evoluindo! E lembrem-se do mais importante, façam sempre o BEM pois
tudo será retribuído em dobro e, se for religioso, ore sempre que possível, pois o lado espiritual é essencial pra aguentar a rotina dura dos estudos. Não é fácil, mas está longe de ser impossível! Muita fé e foco pra todos!Sabemos que o conhecimento doutrinário e jurisprudencial é importantíssimo para a aprovação no tão almejado cargo público porém, ao meu ver, a parte mais importante sempre foi treinar questões de Concursos Públicos, especialmente daquele concurso em que você foque, pois muitas vezes as questões se repetem, pega-se o jeito “maldoso” dos examinadores, descobre-se seus pontos fracos referentes às matérias que precisa estudar mais, aprende a controlar o tempo na hora da prova (conheço candidato muito bem preparado que não soube controlar o tempo no dia do exame e acabou sendo reprovado), bem
como ajuda a distrair e variar o método de estudo, pois muitas vezes estamos estafados mentalmente e não conseguimos absorver mais informação, o que é completamente normal. Passarei o método de estudo
que criei e utilizei durante 01 ano e meio, onde consegui ser aprovado em diversos concursos, dentre os mais importantes Delegados de Polícia da Bahia, Goiás e Rio de Janeiro (onde sou Delegado atualmente).

Como meu foco eram os concursos para o cargo de Delegado de Polícia, eu estudava 02 matérias por dia e, à noite, reservava 02 horas pra realizar questões sobre os temas que havia estudado pela manhã com o
intuito de fixar a matéria (existem diversos livros que, ao final de cada capítulo, possuem questões comentadas, bem como websites com questões de concursos).

Por exemplo, estudava 03 horas de Direito Penal pela manhã, 03 horas de Processo Penal à tarde, descansava por umas horas ou praticava alguma atividade física e à noite realizava em média 40 questões por
dia, a depender do tipo de questões, se ABCDE ou C e E, etc. Quando estava perto da data da prova, aproximadamente 02 semanas antes, abandonava os livros e somente fazia questões, em torno de 150 questões
por dia (Imagine que em uma prova de 100 questões você terá, em média, 05 horas pra terminá-la, acrescente mais 50 questões diárias e é possível realizar, sim. Então, até o dia da prova, você terá feito quase 2.000 questões da Banca Examinadora, o que é muita coisa).

Não estou falando que o meu jeito é o mais correto, porém funcionou comigo, pois no começo, quando não realizava questões e apenas lia muita doutrina, lei seca e jurisprudência, estava sempre batendo na
trave e angariando algumas reprovações, mas que também fazem parte da vida de todo concurseiro. É errando que se aprende!

Outro ponto bastante importante que muita gente esquece é a atividade física! Se possível, faça caminhadas, corrida, luta ou qualquer esporte pelo menos 3x na semana, pois ajuda a desestressar, melhora
seu sono e oxigena o cérebro, alimentando a sua memória. A parte psicológica é muito importante! Muitas pessoas, sem ter formação profissional em medicina, recomendam aos concurseiros a utilização de
remédios que supostamente facilitariam nos estudos, dentre os mais conhecidos, a ritalina!

É um erro tremendo achar que tomando este medicamento você estudará mais, pelo contrário, a ritalina é um remédio que pode trazer diversos efeitos colaterais, dentre eles, taquicardia, ansiedade, insônia, o
que prejudicará seu desempenho nos estudos, pois você precisa estar em pleno estado de saúde mental pra render melhor.

Pra despertar, basta o bom e velho cafezinho e, se possível, um banho gelado pra dar uma renovada! Outra parte importante que alguns candidatos me perguntam é se é preciso estudar domingo à domingo. Eu
digo que não, lógico que terá domingos em que você conseguirá render bem, porém, na maioria das vezes, sua mente estará cansada, você estará se cobrando e não irá estudar da forma mais adequada, podendo
passar despercebido algum tema relevante que possa cair em prova. Por isso, minha dica é: aproveite um dia na semana (no meu caso, o Domingo) pra passar com sua família, fazer coisas que você gosta, ir
ao cinema, praia, tomar uma cerveja (de leve, rs), etc. Isso ajudará na recuperação do seu espírito e cérebro! Outra coisa, quando houver sido reprovado (o que acontecerá, fui reprovado algumas vezes e não
tenho vergonha nenhuma disto), tentem levar para o lado positivo sempre, veja sua evolução (Exemplo: na primeira prova você acertou 40 questões dentre as 100 e foi reprovado, na segunda você fez 50% da
prova e ainda restou reprovado, não desanime! Pense que você evoluiu muito e que, em breve, estará fazendo 70%, 80%, ou até mesmo 90% da prova e será aprovado! Ninguém nunca sabe de tudo, é humanamente impossível!)

O grande segredo dos estudos é evoluir! Pois bem pessoal, volto a repetir que não quero afirmar que este seja o método mais eficaz pra obter a tão sonhada aprovação, porém, pra aqueles que ainda não têm um
estratégia de estudos, espero que esse post seja interessante e possa ajudar na vida de vocês! Testem e depois me digam se estão gostando e evoluindo! E lembrem-se do mais importante, façam sempre o BEM pois
tudo será retribuído em dobro e, se for religioso, ore sempre que possível, pois o lado espiritual é essencial pra aguentar a rotina dura dos estudos. Não é fácil, mas está longe de ser impossível! Muita fé e foco pra todos”!

 

PETROBRAS: Guia de Estudos e Fichas- Resumos de Adminstração

Candidatos ao concurso da Petrobras estão na reta final da preparação para a prova que acontece dia 07 de dezembro de 2014. Para o cargo técnico de administração e Controle Junior, o único que não exige certificado técnico, haverá a disciplina de Administração.  Para um melhor treinamento dos estudantes, o QC preparou um Guia de Estudos dessa disciplina.

                                                                            Guia de Estudos e Questões:

 

  • Recursos Humanos: Recrutamento e seleção

petrobrasO recrutamento e seleção embora constituam um processo contínuo são conceitos diferentes com fronteiras entre si. De um modo geral, o recrutamento consiste na procura e atração de candidatos para uma determinada função, enquanto seleção consiste na escolha e tomada de decisão do candidato que ocupará o cargo disponível.

O recrutamento é um conjunto de técnicas e procedimentos que visam atrair candidatos potencialmente qualificados, capazes de assumirem cargos dentro da organização. É como um sistema de informação, através do qual a organização divulga e oferece ao mercado de recursos humanos as oportunidades de emprego que pretende preencher. Para ser eficaz, o recrutamento deve atrair um número contingente de candidatos suficiente para abastecer adequadamente o processo de seleção.

O recrutamento é uma atividade que tem por objectivo imediato atrair candidatos, de entre os quais serão selecionados os futuros participantes da organização. Assim, poderemos afirmar que o recrutamento é uma atividade de comunicação com o ambiente externo, é uma atividade de relações públicas e de envolvimento da organização com a comunidade que a rodeia.

O recrutamento envolve um processo que varia conforme a organização. O órgão de recrutamento não tem autoridade para efectuar qualquer actividade de recrutamento sem a devida tomada de decisão por parte do órgão que possui a vaga a ser preenchida.

O recrutamento de pessoal é oficializado através de uma ordem de serviço denominada como requisição de pessoal. Quando o órgão de recrutamento a recebe, verifica se existe algum candidato adequado disponível nos seus arquivos; caso contrário, deve recrutá-lo através das técnicas de recrutamento.

Seleção:
Segundo Chiavenato (2005), a seleção de pessoas funciona como um filtro que permite que apenas as pessoas que apresentem características desejáveis a organização, possam ingressar na mesma. É  uma importante ferramenta da gestão de pessoas, com a finalidade de identificar as pessoas que possuam o perfil desejado pela análise e descrição de cargo.Portanto, para que o processo de seleção seja eficaz, ele precisa se basear em dados e informações sobre o cargo a ser preenchido, como também, em função das competências desejadas pela organização.
Habitualmente são escolhidas várias técnicas, sendo que cada uma complementa as restantes,obtendo-se assim informação mais rica acerca do candidato (Chiavenato, 2000).

  • Plano de cargos e carreira

O plano de carreiras define, principalmente, a trajetória do funcionário na organização e o seu salário durante essa trajetória. O salário é considerado pelo funcionário um fator relacionado a como ele sente em relação à sua empresa, pois promove a consciência de que cada indivíduo é responsável por seu próprio aprendizado e estimula o compartilhamento do conhecimento.

  • Treinamento, Desenvolvimento e Educação

Nos últimos anos, a migração das técnicas de treinamento e desenvolvimento tradicionais para a educação corporativa ganhou foco e força estratégica, evidenciando-se como um dos pilares de uma gestão empresarial bem sucedida.

A Educação Corporativa tem sido apresentada pelas empresas como uma alternativa para aumentar a geração de valor em seus produtos e serviços. Possibilita a vantagem competitiva, na medida em que melhora significativamente a performance e o alto desempenho. Tem papel importante na gestão do conhecimento organizacional. Existem basicamente três grupos de entendimento do sentido da educação na sociedade (Luckesi), que se revelam em três tendências filosófico-políticas para compreender a prática educacional. São elas: redentora, reprodutora e transformadora. A transposição dessas ideias para um sistema de educação corporativa parece útil para os responsáveis pela concepção de programas educacionais, pois permite identificar com clareza como deverão ser trabalhados os aspectos relativos à cultura empresarial. Uma estratégica de reprodução é fundamental em ações e programas educacionais dirigidos para os líderes e gestores empresariais e formadores de opinião em geral, quer sejam membros internos, quer externos. Deve enfatizar os traços culturais vigentes alavancadores do sucesso empresarial.

  • Gerenciamento de Desempenho e Gestão de Competências

Competência, vem do latim competentia e significa competência na qualidade de quem é capaz de apreciar e resolver certos assuntos, fazer determinada tarefa, capacidade, aptidão e idoneidade entre outras habilidades. A Gestão por competências visa instrumentalizar o departamento de recursos humanos e os gestores das empresas para realizar gestão e desenvolvimento de pessoas, com foco, critério e clareza. As ferramentas da gestão por competências são totalmente alinhadas às atribuições dos cargos e funções de cada organização. Através do mapeamento e mensuração por competências são identificadas as competências comportamentais e técnicas necessárias para a execução das atividades de um cargo/função e mensurado o grau ideal para cada grupo de competências para que uma pessoa que assuma o cargo/função atinja os objetivos da empresa.

Através da seleção por competências será realizada a entrevista comportamental, visando a identificar se o candidato possui o perfil ideal para a vaga de emprego.  Através da avaliação por competências, será identificado se o perfil comportamental e técnico dos colaboradores de uma corporação estão alinhados ao perfil ideal exigido pelos cargos/funções. Através do plano de desenvolvimento por competências será aperfeiçoado e potencializado o perfil individual de cada colaborador através de ações de desenvolvimento.

  • Noções de Armazenagem

A armazenagem é constituída por um conjunto de funções de recepção, descarga, carregamento, arrumação e conservação de matérias-primas, produtos acabados ou semi-acabados. Uma vez que este processo envolve mercadorias, este apenas produz resultados quando é realizada uma operação, nas existências em trânsito, com o objectivo de lhes acrescentar valor (Dias, 2005, p. 189). Pode-se definir a missão da armazenagem como o compromisso entre os custos e a melhor solução para as empresas. Na prática isto só é possível se tiver em conta todos os factores que influenciam os custos de armazenagem, bem como a importância relativa dos mesmos (Casadevante, 1974, p. 26).

De forma a ir ao encontro das necessidades das empresas, e uma vez que os materiais têm tempos mortos ao longo do processo, estes necessitam de uma armazenagem racional e devem obedecer a algumas exigências (Casadevante, 1974, p. 22):

  • Quantidade: a suficiente para a produção planejada;
  • Qualidade: a recomendada ou pré-definida como conveniente no momento da sua utilização;
  • Oportunidade: a disponibilidade no local e momento desejado;
  • Preço: o mais econômico possível dentro dos parâmetros mencionados.

A armazenagem quando efetuada de uma forma racional poderá trazer inúmeros benefícios, os quais se traduzem diretamente em reduções de custos. Se não vejamos (Casadevante, 1974, p. 28):

  • Redução de risco de acidente e consequente aumento da segurança;
  • Satisfação e aumento da motivação dos trabalhadores;
  • Incremento na produção e maior utilização da tecnologia;
  • Melhor aproveitamento do espaço;
  • Redução dos custos de movimentações bem como das existências;
  • Facilidade na fiscalização do processo e consequente diminuição de erros;
  • Redução de perdas e inutilidades;
  • Versatilidade perante novas condições

Algumas desvantagens da armazenagem são segundo Krippendorff (1972, p. 24):

  • Os materiais armazenados estão sujeitos a capitais os quais se traduzem em juros a pagar;
  • A armazenagem requer a ocupação de recintos próprios ou o aluguel que se traduz em rendas;
  • A armazenagem requer serviços administrativos;
  • A mercadoria armazenada têm prazos de validade que têm de ser respeitados;
  • Um armazém de grandes dimensões implica elevados custos de movimentações;
  • um armazém de grande porte necessita de maquinas com tecnologia.

Na armazenagem os custos envolvidos são geralmente fixos e indiretos, percebendo-se desde logo a dificuldade da gestão das operações e principalmente o impacto dos custos. Por outro lado, a alta parcela dos custos fixos na armazenagem potencia a que os custos sejam proporcionais à capacidade existente no armazém, isto é, independentemente deste estar vazio ou cheio, os custos continuarão os mesmos uma vez que o espaço, os trabalhadores, os equipamentos e outros investimentos continuam a existir. Na análise de custos deve-se começar pela identificação dos itens responsáveis, que podem ser equipamentos, alugueres de armazém e outros, e prosseguir com o cálculo dos mesmos (Dias, 2005, p. 191).

Aqui você encontra questões online de Administração Geral

Treine questões de Gestão de Pessoas

 

Bons estudos!

Fontes: site QC/ Idalberto Chiavenato/ Wikipedia/ CASADEVANTE Y MÚJICA, José Luis Fernández – A armazenagem na prática. Lisboa: Editorial Pórtico, 1974.

Estudos e Metas, uma conjugação perfeita!

images (10)As metas em um estudo são muito importantes. Quando a pessoa está no ensino médio ou superior, geralmente, existem diversas avaliações que dão a chance de o aluno se recuperar. Porém, em um preparo para concursos públicos, a situação é mais grave, pois só existe um momento, isolado e pontual, que pode definir todo o futuro de uma dedicação: a data da prova. No horizonte do candidato há sempre um esgotamento do tempo, como se o relógio de uma bomba estivesse correndo contra ele. Mas isto não é motivo de desespero.

O ideal é um planejamento que se baseia no edital do concurso anterior. O candidato deve se nortear por dois critérios: as matérias que menos sabe e as que valem mais. Estudar o que já sabe, vai agregar alguns poucos acertos na prova. Dedicar o mesmo tempo a uma disciplina que conta 10 pontos, contra outra que conta 50 pontos, é ilógico.
Após fixar a data final do estudo – o dia da prova – e conferir as disciplinas mais importantes, o candidato deve fazer o planejamento de estudo teórico. Aulas presenciais são boas pela possibilidade de tirar dúvida, enquanto as aulas pela internet, têm professores melhores e não exigem um custo econômico e físico com deslocamento. O material escrito, em livros e apostilas impressos ou virtuais permite uma preparação mais profunda, atenta e veloz, mas a pessoa deve ter bastante concentração. Nesta etapa, o candidato deve escolher o modelo de preparação que mais lhe atenda e equacionar quanto tempo demora para estudar todo o conteúdo do edital.
Iniciada a abordagem teórica, o candidato precisa definir sua meta de acerto. 50%, 75%, 95% da prova? O ideal é uma estimativa de 100%, num processo gradual. Por isso, deve entremear o estudo teórico com a prática, por meio de questões de concursos. Pode se fixar na última prova daquele cargo e instituição, depois, parte para os certames anteriores organizados pela banca. Se perceber que seu índice de erros é maior em alguma disciplina, deve separar um tempo para aprofundar seu estudo teórico.
Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Quanto mais acertar questões, menos nervoso ficará durante a prova, porque estará acostumado a resolver questões daquele perfil de banca, com o mesmo tipo de pergunta e que adota o mesmo padrão de resposta. Obviamente, isto também aumentará sua chances de passar na prova.

Sem estas metas, o candidato terá um estudo errante, sem produtividade e, pior, sem meios de medir a melhoria em sua aprendizagem.
Se não cumprir alguma meta, não tem importância, pelo menos, terá chegado perto. Ninguém nunca conseguirá estudar tudo que gostaria até a data da prova.
Outra necessidade importante é ter uma margem de flexibilidade para fazer pequenas adaptações necessárias ao longo do estudo. Isto pode ocorrer quando o edital é lançado e muda alguma disciplina que afeta sua preparação; se o candidato percebe que sua produtividade num tema está muito baixa; caso observe que precisa estudar mais um assunto, porque certa banca sempre o cobra nas provas. Não tenha medo de sair do roteiro, contanto que se preserve a estratégia geral de estudo.
Se cumprir estas diretrizes, aquela bomba-relógio da preparação não vai explodir no dia da prova. Ao contrário, servirá apenas como um cronômetro que conta o tempo para a aprovação do candidato.

UFRJ: edital para várias carreiras!

ufrj logoA Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ- publicou edital para  132 vagas. São diversas oportunidades para quem tem níveis fundamental e  médio, além de vagas  para graduados em algumas áreas como, por exemplo, arquiteto, arquivista, entre outras. A remuneração vaira de R$1.640,34 a R$3.765,42. Uma observação importante é que, além da prova objetiva, o candidato deve estar preparado para a prova prática. Lembramos que o candidato nomeado será servidor federal e terá como garantia a estabilidade. Alguns cargos de nível médio exigem curso técnico comprovado, sendo assim, não adianta  se inscrever sem atender ao requisito exigido pelo edital.  Esse é um concurso que abre oportunidade para candidatos que já estudaram para outras áreas, pois tem um núcleo de matérias comuns a outros concursos.

Para Fernando Bentes, diretor do QC, o concurso da UFRJ promete bastante concorrência . “Embora todos os cargos exijam o conhecimento da Língua Portuguesa, cabe ao candidato observar com atenção o edital para explorar o programa específicos de seu cargo”, analisa. “Para a função de Assistente em Administração, por exemplo, a Língua Portuguesa exige conhecimentos do Manual de Redação Oficial da Presidência da República. Já nos cargos de nível superior, a cobrança será forte sobre os conhecimentos específicos, que valem mais que as outras disciplinas”.

O concurso será organizado pela própria UFRJ e, se observarmos as provas anteriores, podemos notar que a instituição apresenta uma prova bastante simples.  Os enunciados não costumam ser muito extensos e as questões são bem objetivas e organizadas com 5 itens de resposta. As questões literais são mais frequentes nessa prova.

Bentes diz que contrariamente a outros concursos que recorrem a bancas tradicionais, a UFRJ deixou os interessados “no escuro”. “Não há muitos outros certames organizados anteriormente que sirvam de base para consulta”, avalia. “Como o concurso será organizado pela própria Instituição, através da  Coordenação de Políticas de Pessoal da Pró-Reitoria de Pessoal, o candidato deve visitar a página da PR-4 e pesquisar outras seleções congêneres, para tentar descobrir os caminhos do que pode ser cobrado na prova e sob qual o enfoque”, aconselha.

O concurso da UFRJ oferece oportunidades para o candidato que tem um perfil de organização e, em muitos cargos criatividade, pois estarão evolvidos com trabalhos de diversas áreas realizados em uma universidade. Se o candidato que possui o nível superior for aprovado num cargo de nível médio, este ainda receberá um Adicional de Qualificação em sua remuneração.

Para o especialista, mais um incentivo ao concurso é o grande investimento que tem sido feito na UFRJ nos últimos anos, o que garantiam uma consolidação de sua estrutura, além da expansão de seus campi para outras partes do Estado do Rio de Janeiro. “

Além destas circunstâncias, outro atrativo do concurso é a possibilidade de trabalhar numa das Universidades mais conceituadas do país, com grande destaque na produção científica. Conviver com grandes professores e com os talentos que emergem das salas de aula é muito salutar e ainda abre a possibilidade de oportunidades profissionais não só entre acadêmicos, mas com todas as empresas e órgãos governamentais que procuram a Instituição para desenvolver pesquisa, comenta.”

Com a saída do edital é importante que o candidato, mescle teoria com resolução de questões e perpasse por todos os itens do edital. É fundamental que o candidato crie uma agenda de estudos, monte um plano que ele tenha condições de cumprir e crie e metas a serem alcançadas para uma boa preparação. O candidato deve respeitar, acima de tudo, o seu limite. Cada candidato deve sentir o tempo que ele suporta e trabalhar este tempo.  A sugestão que dou aos candidatos que desejam passar ilesos por esse momento é trabalhar bem a preparação, ter uma preparação saudável, com qualidade. Há uma tentação que é estudar as matérias que mais gosta. Quando o estudante se encontra cansado, esgotado, é normal “fugir” para a matérias que mais gosta, por se sentir mais confortável e consequentemente menos estafado. No entanto, a aprovação exige um conhecimento igual e aprofundado de todas as matérias. Mesmo nos concursos em que existem matérias com maior peso ou maior volume de questões, o que conduz a um estudo mais detido, não se pode ignorar as demais. A data da prova ainda não foi definida, mas o candidato não deve perder tempo e começar desde já.

Quem já está estudando para este concurso o momento é de treinar muitas questões. As provas serão aplicadas em orários distintos, sendo assim, o candidato que  desejar  poderá fazer as duas provas.

Petrobras: Guia de Estudos e Resumos de Língua Portuguesa

petrobrasCandidatos ao concurso da Petrobras estão na reta final da preparação para a prova que acontece dia 14 de dezembro de 2014. Para o cargo de nível médio serão 10 questões de língua portuguesa. Para um melhor treinamento dos estudantes, o QC preparou um Guia de Estudos dessa disciplina.

GUIA DE ESTUDOS LÍNGUA PORTUGUESA . 

Resumos e Questões online

  1. Interpretação textual (Questões)

É a chamada inferência textual, dedução textual. Ou seja, ao ler u m texto é possível inferir informações , tirar conclusões  a partir das ideias que foram mostradas , portanto explicitadas no texto. Logicamente, essas deduções, inferências tem de ter uma ligação com o que está explícito no texto. Os comando das questões de interpretação são, entre outros, “depreende-se”, “infere-se”, “conclui-se do texto que”, “qual a intenção do autor quando afirma que…”. Muita atenção, pois é necessário concluir situações que o texto permita.

2. Pontuação: emprego da vírgula (Questões)

A pontuação está ligada a parte de análise sintática, pois existem regras a serem cumpridas. O uso da vírgula possui muitas funções, esteja ela no meio de uma oração ou entre orações. Vejamos as funções:

O uso da vírgula no interior de orações:

  • Separar elementos que exercem a mesma função sintática.
  • Ex: “Tivera pai, mãe, marido, dois filhos. Todos aos poucos tinham morrido”. (nesse exemplo a vírgula separa uma série de objetos diretos do verbo “ter”.)   LISPECTOR, Clarice. A legião estrangeira.
  • Para indicar que uma palavra, geralmente verbo, foi suprimida.
    Ex: Patrícia, a todos os seus irmãos, deu um presente de Natal; ao marido, apenas um beijo. (A vírgula após “marido” está indicando a supressão do verbo “dar”.)
  • Isolar vocativo.
    Ex: – E agora, meu marido, aceito ou não o emprego?
  • Isolar aposto.
    Ex: Goiânia, capital de Goiás, é uma cidade que tem belas mulheres.
  •  Isolar complemento verbal ou nominal antecipados.
    Ex: Um medo terrível, eu senti naquele momento. (inversão do objeto direto)
    De cobra, eu morro de medo! (inversão do complemento nominal)
  •  Isolar adjunto adverbial antecipado.
    Ex: “Dizem muito que, no Brasil, os corruptos ficam soltos enquanto os ladrões de galinha vão para a cadeia”.  VERISSIMO, Luis Fernando. Novas comédias da vida  pública – A versão dos afogados.
  •  Isolar nome de lugar, quando se transcrevem datas.
    Ex: Goiânia, 21 de janeiro de 2001.
  •  Isolar conjunções intercaladas.
    Ex: A ferida já foi tratada. É preciso, porém, cuidar para que não infeccione.
  •  Intercalar expressões como “em suma”, “isto é”, “ou seja”, “vale dizer”, “a propósito”.
    Ex: Preciso dar uma maquiada no texto, ou seja, subentender algumas idéias.

Uso da vírgula entre orações

  • Separar as orações coordenadas assindéticas e as sindéticas que não sejam introduzidas pela conjunção e:
    Ex: Cheguei, peguei o livro, voltei correndo para o curso.
    Há aqueles que se esforçam muito, porém nunca são reconhecidos.É aconselhável usar a vírgula quando a conjunção e:- aparece repetida no período:
    Ex: Passaram aqui para perguntar, e questionar, e amolar, e comprometer.- aparece entre orações de sujeitos diferentes:
    Ex: O tempo estava nublado, e o piloto desistiu do vôo.

    - não tem sentido de adição:
    Ex: A senhora apertou a campainha, e ninguém veio atender. ( o e tem valor de conjunção adversativa)

    • Isolar orações intercaladas.
    Ex: E o ladrão, perguntei eu, foi condenado ou não?

    • Isolar orações adjetivas explicativas.
    Ex: As frutas, que estavam maduras, caíram no chão.

    • Isolar orações adverbiais.
    Ex: “Fiquei tão alegre com esta idéia, que ainda agora me treme a pena na mão.”
    (Machado de Assis)

    • Isolar orações reduzidas.
    Ex: “Para serenar a roda, propus novo chope.” (Cyro dos Anjos)

Assista a aulas sobre vírgula

3. Emprego do acento indicativo de crase   (Questões)

A palavra crase é de origem grega e significa fusão, mistura. Em gramática, basicamente a crase se refere à fusão da preposição a com o artigo feminino a. A combinação de outras preposições com “a” (para a, na, da, pela, com a) indica se o “a” ou “as” deve levar o acento grave. Exemplo:  Emprestou o livro à amiga (para a amiga)./ As visitas virão às seis horas (pelas seis horas)./ Estava às portas da morte (nas portas da morte).

4. Ortografia (Questões) (escrita correta das palavras e acentuação gráfica – em conformidade com o novo acordo ortográfico)

A ortografia é a parte da gramática normativa que ensina a escrever corretamente as palavras de uma língua  definindo, nomeadamente, o conjunto de símbolos (letras e sinais diacríticos), a forma como devem ser usados, a pontuação, o uso de maiúsculas, etc. É o conjunto de regras estabelecidas pela gramática normativa.

5. Colocação pronominal dos pronomes oblíquos átonos  (Questões)  (próclise, mesóclise e ênclise);

É o estudo da colocação dos pronomes oblíquos átonos (me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes) em relação ao verbo. Os pronomes átonos podem ocupar 3 posições: antes do verbo (próclise), no meio do verbo (mesóclise) e depois do verbo (ênclise). Esses pronomes se unem aos verbos porque são “fracos” na pronúncia.

6. Uso de pronomes relativos (Questões)

Os pronomes relativos têm por função básica unir orações diferentes fazendo com que as ideias nelas expressas complementem-se, evitando assim repetições desnecessárias.

7. Concordância verbal e nominal (Questões)

Concordância nominal nada mais é que o ajuste que fazemos aos demais termos da oração para que concordem em gênero e número com o substantivo. Teremos que alterar, portanto, o artigo, o adjetivo, o numeral e o pronome. Além disso, temos também o verbo, que se flexionará à sua maneira, merecendo um estudo separado de concordância verbal.

REGRA GERAL: O artigo, o adjetivo, o numeral e o pronome, concordam em gênero e número com o substantivo.

- A pequena criança é uma gracinha.
– O garoto que encontrei era muito gentil e simpático.

Concordância verbal é a relação de dependência estabelecida entre um termo e outro mediante um contexto oracional. Desta feita, os agentes principais desse processo são representados pelo sujeito, que no caso funciona comosubordinante; e o verbo, o qual desempenha a função de subordinado. Dessa forma, temos que a concordância verbal se caracteriza pela adaptação do verbo, tendo em vista os quesitos “número e pessoa” em relação ao sujeito.

    8.  Regência verbal (Questões)

A regência verbal é a relação sintática de dependência que se estabelece entre o verbo — termo regente — e o seu complemento — termo regido. 1 2 A regência determina se uma preposição é necessária para ligar o verbo a seu complemento. Os termos, quando exigem a presença de outro chamam-se regentes ou subordinantes; os que completam a significação dos anteriores chamam-se regidos ou subordinados.

Quando o termo regente é um nome (substantivo, adjetivo ou advérbio), ocorre a regência nominal. Quando o termo regente é um verbo, ocorre a regência verbal. Na regência verbal, o termo regido pode ser ou não preposicionado. Na regência nominal, ele é obrigatoriamente preposicionado.

9. Uso das palavras porque, por que, por quê e porquê; que; se; há e a;

10. Classes das palavras e suas funções sintáticas (Questões)

 

 

Fontes: site QC, Brasil Escola, Prof. Rafaela Motta, Infoescola, Wikipédia.

Episódio #16 – Tira dúvidas: Verbos

banner-qc-cast-verbos (1)Neste programa o QC Cast traz  um papo especial com o professor Alexandre Soares, professor de Língua Portuguesa, com dicas sobre verbos.  O  quadro “Tira Dúvidas” tem o propósito trazer os temas em um bate-papo agradável.

Clique abaixo para ouvir (ou faça download aqui)

 

Dificuldades? Quem não as tem, levanta  mão!

deseperoAlguns meses atrás, encontrei-me com alguns alunos no corredor de um cursinho preparatório e lá estavam, desanimados, discutindo suas dificuldades na preparação. Um deles me chamou e perguntou: Jones, estamos aqui discutindo e chegamos à conclusão que cada um de nós age de uma forma diferente  mas remamos, remamos e não chegamos a lugar algum até agora.

Percebi que aqueles alunos, não estavam sozinhos mergulhados em suas dúvidas, desânimos e buscas de acertos. Assim como outros milhares, eles eram apenas estudantes que precisavam de uma direção.

Eu sempre fui a favor do pensamento de que quanto mais erramos mais perto estamos do nosso objetivo. E é verdade, os erros fazem parte da conquista!

Mas, o extraordinário é quando o aluno descobre que aquele erro foi prejudicial e consegue mudar o rumo.

Quem é que nunca estudou errado? Todo mundo começa e no início há os erros, desvios. Ao longo da preparação, quando você amadurece um pouco mais- isso mesmo, amadurecimento é o que mostra ângulos de visões diferentes- consegue perceber que os erros foram um aprendizado, e a partir deles é possível ajustar o processo.

Não estamos aqui falando de pessoas que tiveram uma educação voltada para os estudos desde pequenos. Não! Estou falando de nós, seres mortais, que um dia acordamos, decidimos mudar de vida e vimos no concurso público a grande oportunidade para isso. Assim, chegamos à determinação, cheios de vícios, preguiças, céticos com alguns detalhes e tomados por uma inexperiência inigualável.

Mas, ao logo da caminhada, vamos conseguindo ajustar-nos às exigências da preparação, às necessidades da adaptação que, por um lado, tanto nos tortura, mas que são condições necessárias  para o bom desempenho.

Aquele grupinho de alunos não estava num mundo à parte e, sim, dentro de um universo que conta com muitos desses “serezinhos perdidos”.

Mas, por que isso acontece? Por que as pessoas se sentem tão perdidas e tendo a sensação de que não há evolução?

Um primeiro ponto a ser observado é que há um ledo engano em achar que há evolução. Como pode não evoluir um ser que está recebendo conhecimento, informação? Evolução há, crescimento existe. O problema talvez seja a forma que cada um conduz determinada situação. E, para ser bem sincera, não há uma fórmula pronta que todos possam usar e pronto: deu certo! Não! Existe uma análise de cada situação e ajustes a fazer para cada individuo que um dia acordou e decidiu ser servidor público. Poxa, cada um tem seu estilo de vida, suas obrigações e cada um tem um mecanismo diferente. Então, a verdade é que os ajustes devem ser avaliados individualmente.  Nada melhor do que uma boa dose de organização na bagunça!

Você se lembra que no começo de nossa conversa , o aluno me dissera que cada uma agia de uma forma e todos chegaram à conclusão qeu estavam indo sem sentido? É isso! Cada um é cada um.

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Acredito que num somatório geral o que podemos perceber é que não existe um equilíbrio pessoal na preparação, não existe uma organização, um planejamento, não existem metas.

Mas, trabalhar com metas é complicado, Cláudia! Sim, é bem difícil , há de se tomar cuidado pois as metas gera uma certa ansiedade e pressiona a pessoa. E aí, seria um outro problema a trabalhar.  Mas, é fundamental traçá-las para alcançar o retorno, mais rapidamente. Ou, pelo menos evitar deslizes que podem atrasar a aprovação.

Se olharmos para os estudos como um projeto- e é assim que tem de ser olhado-, é importante que o candidato coloque na ponta do lápis todo o investimento para aquele objetivo, tanto financeiro quanto em relação ao tempo dedicado. Com isso, fica mais fácil estabelecer metas a partir dos conteúdos que vão fazer parte da sua rotina nos próximos meses, talvez anos, em alguns casos. E, isso, querido candidato, só é possível adquirir com alguns dias de estudos, talvez meses, nos quais haverá a percepção da grandeza dos conteúdos que serão estudados e o grau de complexidade que cada um deles representa para a sua preparação.

Só a partir desta análise pessoal e inicial é que você terá condições de estabelecer uma meta que seja condizente à sua situação de vida e que, principalmente, você possa cumpri com um “belo sorriso nos lábios” e que não lhe traga angústias e frustrações.

Por isso, tem uma hora que você precisa parar e colocar no papel tudo o que envolve a sua preparação e, a partir disso, estabelecer a sua meta. Quando isso acontecer, você estará mais seguro e confiante e, com toda a certeza, no caminho certo até a sua aprovação.

Aqueles alunos os quais encontrei no início da nossa conversa, conseguiram colocar no papel toda a sua programação e partiram em busca do sonho, agora com as metas!

Bons estudos!

 

 

 

 

 

PC-RJ: Guia de estudos e dicas de Constitucional para a reta final

images (23)Em ritmo de reta final, os candidatos à Papiloscopista da Polícia Civil do Rio de Janeiro tiveram um acréscimo quanto ao tempo de estudos. Isso porque a prova, inicialmente marcada para dia 16 de novembro, foi postergada para 07 de dezembro. Essa mudança dá uma oportunidade a mais para que os estudantes ajustem suas dificuldade e ganhem tempo de preparação para as disciplinas que ainda não dominam. Com isso, o QC preparou um Guia de Estudos para que os alunos tenham um direcionamento dos tópicos a estudar.

Segundo o diretor do QC e professor de direito Constitucional, Fernando Bentes, em relação à disciplina e tendo em vista que o trabalho será desenvolvido na Polícia, é natural uma cobrança maior sobre os direitos a serem respeitados na relação do Estado com o indivíduo e sobre o Poder a que pertence a Instituição. “Recomendo o estudo cuidadoso dos direitos individuais, com destaque para as diferentes modalidades de liberdades públicas, a proteção aos presos e as garantias processuais. Além destes pontos, uma preocupação com a organização e as atribuições do Poder Executivo, da segurança pública e da atividade policial”, aconselha.

A banca IBFC apresenta  cinco alternativas em cada questão de múltipla escolha. “Tendo em vista o número grande de opções, a banca deve colocar pelo menos duas alternativas próximas de uma resposta certa, o que obriga o candidato a escolher a mais certa, a mais completa”, aposta Bentes.

Fernando diz que, nesta reta fina, se já tiver estudado todo o edital, pode recorrer apenas às anotações pessoais, trechos que sublinhou em livros, resumos próprios, além de questões de concursos passados que ele resolveu e errou. “É importante revê-los para não repetir o erro na hora da prova”, salienta.

O especialista ainda acredita numa prova de dificuldade média, sem abordagens complexas, anão ser na parte específica de conhecimentos.”O candidato deve perceber, ao longo de seu estudo, se errou muitas questões de concursos passados ou da banca IBFC.  Caso positivo, ele deve retornar aos livros. Para Direito Constitucional, neste concurso, existem dois manuais, da profª Natália Masson e do prof. Marcelo Novelino. São livros, simples, didáticos, atualizados e de autores muito bons”, recomenda.

Para Bentes, esta é a hora de concentração total para a prova, quanto menos cumprir tarefas sociais, familiares e profissionais, melhor será a dedicação e a reflexão sobre as disciplinas que vem estudando. “Se a preparação já contemplou toda a parte teórica, esqueça os livros e pode se concentrar nas questões de concursos passados da Polícia Civil do Rio e da banca IBFC. Mas nada de economia, faça metas irrealizáveis, como fazer mil questões, duas mil questões. Ainda que não alcance esta meta, terá feito um exercício prático muito grande e seu emprenho será recompensado ao encontrar uma questão semelhante ou até igual, na hora da prova”, conclui.

Guia de Estudos

Rumo à PF: Guia de estudos e dicas de Processo Penal

PFO concurso da Polícia federal para Agente de 2014 traz em seu edital o conteúdo de Processo Penal. Preparamos um Guia de Estudos para você  sair na frente. De acordo com o professo Jamil Chaim, neste momento, o ideal é o candidato elaborar um plano específico de estudos, considerando os pontos trazidos no edital e o período até a prova. “Esse plano também deve compreender revisões das matérias estudadas”, aconselha.

Para o professor, um erro comum do candidato é estudar mais as matérias que gosta e negligenciar as que não gosta. “O correto é justamente o oposto, dando ênfase nos pontos que tem dificuldade. Numa prova concorrida como essa, é preciso ser bom (ou pelo menos razoável) em TODAS as matérias”, ensina.

O mestre indica a utilização de material específico para concursos (livros resumidos/material de cursinhos) e acompanhar a jurisprudência (principalmente súmulas).

Uma pergunta recorrente em provas nas quais se perde pontos por marcar respostas erradas é: “Quando marcar e quando não marcar?”. “Parece-me que não há uma resposta definitiva, válida para todos os candidatos. Em princípio, a melhor estratégia é marcar somente quando souber a resposta. Mas há alunos que se saem melhor marcando todas as respostas”. Jamil sugere que o candidato faça simulados em casa, comparando os resultados das três situações (marcando apenas as questões que tem certeza, marcando também as que tem dúvida e, por fim, marcando todas). “Assim, cada um pode saber com segurança qual a melhor tática para o seu caso, e ainda estará colocando a prática a próxima dica: treinar muito! É FUNDAMENTAL reservar um período para resolver testes TODOS OS DIAS, e é preciso treinar também a escrita”, acrescenta.

Especificamente quanto ao  processual penal, o professor diz que há tempo mais que suficiente para estudar (e revisar!) TODOS os pontos cobrados. “Nessa disciplina, o edital é  mais enxuto. Vale a pena focar no estudo do interrogatório e dos direitos do acusado, inquérito policial, perícias e prisão cautelar (flagrante, preventiva, temporária, inclusive as regras constitucionais sobre o tema)”, orienta.

 Guia de Estudos

Dataprev: milhares de vagas para diversos cargos

dataprevO concurso da Empresa de Tecnologia da Previdência Social( Dataprev)- ligada à Previdência Social- é uma excelente oportunidade, mesmo sendo cadastro de reservas. As vagas são pulverizadas por todo o país e a remuneração, relativamente significante. Podendo chegar, com o adicional de atividade e o auxílio- alimentação a mais de seis mil reais. Se olharmos para o histórico de concursos da instituição é possível notar que ela tem por costume convocar grande número de candidatos aprovados. Este edital de 2014 traz oportunidades para profissionais habilitados em diversas áreas como comunicação social, direito, arquitetura, engenharia, entre outras. Além do cargo de Analista de processamento, que é específico para quem possui diploma em ciência da tecnologia. Para nível médio são dois cargos que exigem técnico em segurança do trabalho e enfermagem. Isso reduz o número de concorrentes para os cargos de nível médio.

Todos os cargos têm em comum português, Ética no serviço Público, Conhecimentos Gerais que nada mais é do que a disciplina de Atualidades na qual serão cobrados conhecimentos sobre política, cultura, economia, educação, entre outros temas atuais, o que torna a cobrança bem abrangente, e língua estrangeira. Em relação à língua estrangeira, o candidato deverá ficar atento e escolher apenas uma opção, entre inglês e espanhol, pois se responder às duas provas perderá os pontos dessas questões. Além disso, as últimas provas de língua estrangeira da banca tiveram um teor mais interpretativo.

Os candidatos aos cargos que trazem em sua prova a disciplina de informática devem estar atentos aos tópicos importantes como: edição de textos, planilhas e apresentações (ambiente Microsoft Office e BrOffice), pois a banca não informa a versão. Sendo assim, é necessário o candidato dar uma olhada em todas as versões para conhecer as diferenças entre elas. Claro que todo o conteúdo do edital  referente à Noções de Informática é importante e deve ser estudado em sua totalidade. A última prova do órgão cobrou Windows 7 e Microsoft Word 2010. Uma atenção é que o candidato deve considerar que todos os programas estarão em configuração padrão e o mouse configurado para pessoas destras e que não há restrições de proteção, de funcionamento e uso em relação a programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos que forem mencionados na prova.

Quanto à disciplina de língua estrangeira, o candidato deverá optar na hora da prova se fará  inglês ou espanhol. O foco dessa prova é interpretação dos textos, isso bate com o histórico da banca.

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

A Quadrix, a mesma que vem organizando os concursos da DATAPREV desde 2010, não tem o costume de pegadinhas em suas provas. Aliás, seu histórico de concursos é relativamente pequeno. O que não dá à instituição uma possibilidade de formar um perfil relevante ou de posição no mercado. Sendo assim, as provas organizadas pela banca são de fácil entendimento e, geralmente, seus enunciados trazem a literalidade e não são longos. Num contexto geral, as questões não trazem um nível interpretativo grande sendo mais objetivas. Com isso, favorece o candidato que tem a facilidade em decorar. É possível trabalhar com questões de bancas como a FCC, FGV, ou Cesgranrio que, apesar de bancas de muito mais relevância, tem um perfil aproximado. Isso, no caso do candidato encontrar poucas questões da Quadrix. As inscrições vão até 6 de junho de 2011 .

Para quem ainda não iniciou os estudos, o ideal é dividir o tempo entre as disciplinas básicas e específicas e fazer o maior números de questões o possível. Este é o momento de ter contato, ao mesmo tempo, com a teoria e as questões para massificar as matérias na mente do candidato.

Quem já vem se preparando para este concurso basta aprofundar no treinamento de questões, pois o edital não trouxe mudanças consideráveis e fazer resumos, caso necessite. Mas, fazer questões vai solidificar o conteúdo. Isso deverá ser feito até semana que antecede a prova, parando para descansar apenas na véspera.

Muita atenção à prova discursiva que tratará de qualquer conteúdo referente ao conteúdo do cargo escolhido e será de 15 a 30 linhas. Haverá ainda  prova de títulos a qual poderá acrescentar ao candidato uma pontuação entre 1, 1,5 ou 2,5, a depender da qualificação (Pós- graduado, mestrado ou doutorado).