Atenção à leitura Adequada

Lendo livro com o dedoMuitos alunos frequentemente perguntam como aumentar a rapidez e a compreensão da leitura. Esse é um tema crucial para aqueles que estão se preparando para concursos públicos, considerando a grande quantidade de informações que precisa ser assimilada.

Muitos questionam se é necessário fazer algum curso específico de leitura dinâmica. Necessário certamente não é, pois a prática tem demonstrado que a maior parte dos aprovados não fez qualquer curso para aprimorar a leitura. Todavia, esta é uma escolha subjetiva. Se o aluno tiver tempo, dinheiro e disposição para isso, vale a pena tentar.

De todo modo, algumas técnicas são fundamentais para quem busca otimizar os estudos e lograr aprovação em concursos públicos.

Uma dica importante diz respeito não propriamente à forma de leitura, mas sim ao material escolhido. Vejo muitos alunos, notadamente da área jurídica, utilizando livros densos durante a preparação para concursos (obras que, não raro, são divididas em vários volumes).

Não há dúvida de que a utilização de livros clássicos e aprofundados é indispensável para os estudantes e profissionais que desejam conhecer a fundo determinado assunto. Todavia, para quem está se preparando especificamente para concursos, o recomendável é a utilização de livros voltados para essa finalidade e/ou de material elaborado pelos cursinhos.

Dessa forma, o primeiro ponto não é aumentar a velocidade da leitura, mas sim reduzir (claro, de forma criteriosa) o volume do material a ser lido.

Quanto à leitura em si, a dica é grifar (com cores chamativas) os pontos essenciais da matéria e fazer revisões constantes. Nessas revisões, o aluno deve focar nos pontos que grifou. Quanto mais revisões o aluno fizer, maior será o nível de compreensão e fixação da matéria e mais rápida será a leitura.

Por fim, não se pode esquecer que a aprovação leva tempo. Exige dedicação e paciência. Deve-se perseverar, mantendo o foco no objetivo pretendido.

Por: Jamil Chaim, professor do site Questões de Concursos

Episódio #20 – Direito tributário nos concursos

banner-qc-cast-direito-tributario2Neste programa o QC Cast conversa com Marcello Leal, professor de direito tributário para saber sobre a importância da disciplina nos concursos e em quais é cobrado esse conteúdo.  Acompanhe esse bate-papo especial que vai ajudar muito na sua preparação. Uma super aula em áudio!

Clique abaixo para ouvir (ou faça download aqui)

 

Apresentação Cláudia Jones e participação de Marcello Leal

INMETRO: boas oportunidades!

InmetroO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial – INMETRO publicou edital para diversos cargos de nível médio e superior.  A varia de R$ 8.626,55 a R$ 16.512,95 dependendo do cargo. As inscrições vão até 22/12/2014. As provas estão marcadas para 01/02/2015.

A prova de nível médio é objetiva e guarda um equilíbrio maior entre Conhecimentos Gerais e Conhecimentos Específicos, com 30 questões cada um. Assim, o candidato pode até se aprofundar nas matérias de seu cargo, mas não pode se esquecer de estudar a disciplina geral de nivelamento, que é Língua Portuguesa.

A prova de nível superior dá mais valor aos Conhecimentos Específicos, com 40 questões objetivas e duas discursivas. Conhecimentos Gerais têm apenas 20 questões, todas de múltipla escolha. Logo o candidato deve se concentrar mais nas disciplinas de sua área, sem perder tempo nas disciplinas gerais, pois isto não será decisivo para que seja aprovado.

Segundo Fernando Bentes, diretor do site Questões de Concursos, a IDECAN tem duas características básicas: a cobrança de um saber preciso, uma definição tecnicamente correta de conceitos e dispositivos legais. É menos interpretativa e mais objetiva. Portanto, é bom o candidato fazer uma preparação que antecipa as definições claras e certas de tudo que estuda.

Para o especialista, o treinamento em questões da banca e elaboração das respostas por extenso, para a prova de nível superior. Assim, o candidato fará um exercício de antecipação das perguntas e do estilo das questões que estarão na prova.

Como encarar o “batidão” de concursos no final do ano?

2O final do ano está cheio de provas. E, muitos candidatos optaram por fazer várias delas. A dúvida de muitos é: como encarar essa maratona de provas? De acordo com Fernando Bentes, diretor do QC, será necessário muita concentração e força de vontade. “Vai ser um período de muita dedicação para o candidato, mas ele pode ser recompensado com a aprovação, por isso, vale à pena o sacrifício”, afirma.

 Para Bentes, o ideal é se livrar de outras tarefas que podem atrapalhá-lo, como compromissos sociais, familiares e de trabalho. !Se puder diminuir o ritmo de outras atividades para se concentrar no estudo, melhor”.
Para quem trabalha, Fernando aconselha a reservar a noite e os fins de semana. e para quem não trabalha, deve estudar 8 horas diárias, deixando apenas o domingo livre.
Na opinião do especialista o candidato deve adequar os estudos, na semana da prova, apenas para o exame mais próximo? Sim, o ideal é se concentrar apenas naquele concurso que fará na semana.
Fernando acredita que seria melhor o candidato escolher apenas um processo seletivo para manter o foco.  “Isto seria o ideal, porque o candidato acaba se transformando num especialista daquele tipo de prova, o que aumenta suas chances de aprovação. Mas, se já estão estudando para vários cargos, pode aumentar suas chances fazendo prova para várias instituições, complementa.
As provas do final do ano, em sua maioria, são bem diferentes na opinião de Bentes, mas disciplinas comuns como, por exemplo, português, pode facilitar o candidato. “O estudo de uma disciplina será aproveitado para várias provas. Outra facilidade podem ser concursos organizados pela mesma banca organizadora”.
 Para afastar o nervosismo por causa de tantos processos seletivos, Bentes orienta a estudar na véspera e no dia da prova.”O candidato deve levar seus resumo e anotações para o local de prova. A leitura ajuda na concentração e faz com que o candidato esqueça outras influências que retiram sua tranquilidade”.
 PAra os candidatos que farão dois concursos no mesmo dia, Fernando acredita que o ideal seria escolher apenas um. “Mas se quiser fazer dois concursos, o candidato deve saber que a segunda prova poderá ficar prejudicada”.

Os sete erros cometidos em redações de concursos públicos

Temos recebido diversos pedidos para trabalharmos, cada vez mais, dicas para que o candidato elabore uma boa redação e evite cometer erros cruciais ao bom desempenho  em seus textos. Com isso, solicitamos aos nossos professores que tragam suas experiências para que possam auxiliar nossos estudantes na produção textual. Desta vez, quem dá dicas especiais é a professora Verônica Ferreira. Vamos lá!

  • Quem não exercita, se trumbica: esta dica pode parecer um pouco óbvia, mas há ainda pessoas que não praticam redação para concursos públicos. Escrever bem não é um dom, ao contrário, é mãosresultado de muita leitura e prática da escrita. Uma dica é escrever, pelo menos, uma redação por semana, para desenvolver o senso crítico, fruto da leitura de várias fontes de informação como livros, jornais, sites, revistas, entre outros. Os temas escolhidos para escrever uma redação são sempre atuais, e alguns bem polêmicos. Há ainda casos em que os organizadores do concurso apresentam temas relacionados à instituição que você presta concurso. Um exemplo é a prova para a Polícia Federal, em que a redação poderá estar relacionada a algum tema voltado para Segurança Nacional, para a Política Nacional, ou ainda para ações da própria corporação.

 

  • Erros de português: é inadmissível erros de ortografia, concordância, semântica, pontuação, coesão e sintaxe. Há quem confunde o uso de pronomes oblíquos e escreve “para mim fazer”, por exemplo. O candidato deve tomar cuidado para não cometer o erro de escrever como se fala. A escrita exige regras mais arbitrárias, dentro da norma culta da língua. Para não errar, o candidato deve estar atento às normas gramaticais.

 

  • Limites estabelecidos: toda instituição que organiza os concursos públicos deixa bem clara as normas estruturais da redação, como limite de linhas (que varia de 25 a 30) e o tamanho delas. O candidato deve obedecer à risca estes critérios, pois do contrário ele pode comprometer a pontuação. Desta forma, nada de escrever a mais do que o estabelecido ou escrever fora das linhas.

 

  • Tempo: há quem faça primeiro a redação e depois a prova ou vice-versa. Cada candidato tem um ritmo próprio para responder as questões e desenvolver o texto da redação. O candidato deve tomar cuidado com o tempo no dia da redação, pois serão duas avaliações que ele irá fazer num mesmo espaço de tempo estipulado para uma única prova. Deve-se ter consciência de que escrever uma redação envolve pensar nos argumentos, elaborar a estrutura do texto, considerar uma proposta para o possível tema e ainda pensar num título cabível ao assunto.

 

  • Fugir do tema: não é incomum candidatos escreverem temas totalmente fora da proposta de redação. Isso resulta na anulação da prova. O fato pode ocorrer devido ao não entendimento do tema sugerido. Para evitar esse equívoco, o candidato deve ler e reler a proposta, considerando o contexto do assunto, ou seja, como este tema é apresentado na prova.

 

  • Frases e expressões clichê: um dos diferenciais que contribui para uma ótima nota na redação é a criatividade e originalidade, ou seja, a escrita autoral, o que diferencia a escrita de um candidato para o outro. Isso pode ser conseguido com muita prática, o que diminui as chances de usar frases consideradas clichê. Também chamadas de “chavão”, “frase-feita” ou “lugar-comum”, elas são conhecidas pela maioria das pessoas e não acrescentam informações novas ao texto, como “precisamos mudar o mundo” ou “nos dias de hoje”, ou ainda “atualmente”, “concluindo”, entre outras.

 

  • Falta de revisão: para garantir a redação, não se esqueça de ler o texto após a sua produção, para ter certeza de que ela não foge ao tema proposto, de que o título (caso seja pedido) tenha coerência com o tema e de que o texto está fácil de ser lido e compreendido. Lembre-se de que escrever bem uma redação é escrever de maneira simples e objetiva. Ao ler, ponha-se no lugar do avaliador e tenha certeza de que ele irá compreender facilmente a sua redação.

Por Verônica Ferreira, professora do QC

Como montar um planejamento financeiro para um plano de estudos

planejamento financeiroO projeto de aprovação em concurso público normalmente se baseia no sonho de obter um boa remuneração e estabilidade.

Além dessas vantagens principais, pode-se destacar outras, tais como: o critério de seleção prestigia o mérito individual, e não influências ou indicações, e jornada de trabalho e ambiente de trabalho razoáveis.
No entanto, diante da grande concorrência e da dificuldade das provas, o projeto deve ser visto como de médio e longo prazo.
Assim, o planejamento financeiro é vital para o sucesso.
O ponto de partida é definir se a rotina de estudo será integral, em que o concursando não exerce outra atividade profissional, ou parcial, dividindo o tempo entre trabalho e estudo.
No primeiro caso, estudo em tempo integral, a pessoa deverá ter uma boa reserva financeira ou alguém que o suporte financeiramente, o que pode ser determinante para definir o que fazer.
O planejamento deve considerar 4 pontos:
1. Prazo: o período de preparação pode variar a depender da base de conhecimento que pessoa já tem, a rotina de estudo e a dificuldade da prova. No entanto, é raro a aprovação com menos de um ano de estudo e nos concursos jurídicos de alta complexidade, como juiz e promotor, a média varia entre 3 a 4 anos.
2. Despesas Familiares: os custos tradicionais devem ser computados, como moradia, alimentação, transporte, lazer, educação de filhos (se for o caso) e equivalentes.
3. Investimento na Preparação: o concursando seguramente precisará comprar livros e apostilas, bem como fazer cursos preparatórios. A pessoa deve fazer uma pesquisa e verificar quantos livros precisará (de acordo com a quantidade das matérias), qual o valor médio de um curso preparatório para a área de interesse, custo de transporte até o curso e alimentação (nesses casos, muitos optam por cursos online, pois otimizam o tempo, evitando o deslocamento, e os gastos).
4. Reserva de Contingência: importante considerar a possibilidade de imprevistos e de o tempo de estudo ser maior do que o desejado.
João Mendes, especialista em concursos

Reta Final TJ-RJ: o que priorizar para o cargo de técnico

A professora Claudete Pessôa orienta a aluna Glauce.

A professora Claudete Pessôa orienta a aluna Glauce.

Candidatos  ao concurso do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro para o cargo de técnico judiciário já se movimento rumo à reta final de estudos. A proximidade da prova, marcada para 23 de novembro traz algumas no comportamento dos  alunos referentes à organização dos estudos. A prova apresenta em seu conteúdo as matérias  de língua portuguesa, raciocínio lógico que compreende matemática e estatísticas também, noções de direito administrativo, constitucional, processual Penal e processual civil, além de noções de custas judiciais, consolidação normativa e o Código de Organizaçãoe divisão Judiciárias do estado do Rio de Janeiro(CODJERJ).

 Claudete Pessôa, Oficial de Justiça e professora de Custas, Consolidação e Cordjerj, aposta que que a banca dará maior ênfase a esta matéria que está muito atrelada ao Direito Processual Civil e à Consolidação Normativa, tendo em vista que o TJRJ  introduziu CUSTAS como matéria nova em seu edital/2014.

A especialista orienta a intensificar  o ritmo e revisar conteúdos nesta reta final. “Devem ser mais constantes, ainda que não tenha esgotado o edital, pois a revisão através as anotações de estudo ou de resolução de questões, permite fixar o aprendizado e ajustar o que não foi bem assimilado”, aconselha.

Glauce Pessoa, do Rio de Janeiro, aluna do site Questões de Concursos, diz que, nesta reta final, está revendo os pontos que estou com maior dificuldade. “Estou treinando muitas questões pelo site Questões de Concursos. Neste momento, é fundamental saber o meu nível de conhecimento e ajustá-lo , caso haja dificuldade.

A estudante conta que seu foco está direcionado para Custas e Raciocínio Lógico. ” até porque entrou muitos detalhes em Custas e raciocínio lógico não vem “puro” vem acompanhado de matemática e estatística, esta, nunca vi”.

Glauce conta sua estratégia no dia da prova. “Acordo cedo para chegar com tempo e, durante a prova, faço primeiro aquelas matérias as quais domino. o que não sei pulo e depois volto para elas. Não reviso, pois se eu revisar, sempre acharei que a resposta não é aquela. então, marco cuidadosamente o cartão resposta”.

Caso o candidato resolva estudar na véspera,Claudete não vê problema algum . “Já fiz isso muitas vezes – desde que o candidato o faça de forma leve, sem a neurose de “decorar” matéria extensa e nova”, conta.

Ela ainda assim, complementa que na véspera, o candidato deve priorizar o descanso. “Mas não dá para dormir o tempo todo”, brinca . “Descansado, pegue suas anotações, e simplesmente leia para relaxar. Acredite, isso é possível, eu sempre fiz assim, diz!!

Para a especialista é necessário que o candidato administre a sua ansiedade. “É importante que inicie a prova pela matéria que se sente mais confortável e uma hora antes do fim, pare tudo e marque o cartão resposta com calma”, ensina. “É importante, antes de iniciar a prova, respirar fundo, fazer uma oração, uma meditação, manter o auto-controle, ler as instruções”, aconselha.

Claudete explica que é muito comum a banca apresentar casos hipotéticos, aplicando o conhecimento de várias disciplinas. “É preciso o candidato perceber que a solução da questão está nos institutos legislativos que estudou, pois a banca se pauta na letra da lei para elaborar tais questões e quem estudou saberá a solução”. Para ela, é preciso ler as questões inteiras, pois as pegadinhas costumam estar logo nas primeiras opções. Foco total no enunciado, é preciso descobrir o núcleo da questão, principalmente em um enunciado extenso”, ensina.

Episódio #19 – Quem é esse tal de Raciocínio Lógico?

banner-qc-cast-raciocinio-logico (1)Neste programa o QC Cast vai tentar entender o por quê dos concursos cobrarem Raciocínio Lógico. Conversamos com o professor , Renato Oliveira, que vai explicar um pouco sobre a disciplina e como é cobrado nos concursos. Acompanhe esse bate-papo especial que vai ajudar muito na sua preparação. Uma super aula em áudio!

Clique abaixo para ouvir (ou faça download aqui)

 

Apresentação Cláudia Jones e participação de Renato Oliveira

TRE-MG: um dos mais esperados do estado!

tre mgPara quem já está com o pezinho na preparação para o Tribunal Regional Eleitoral- TRE-  pode se manter a direção dos estudos. A banca que organizou o último concurso do órgão em 2013, a Consulplan, foi escolhida para organizar o próximo. Candidatos aguardam na expectativa de o edital sair ainda neste ano com provas no incio de 2015. Inicialmente, serão 19 vagas, sendo 16 destinadas à função de técnico judiciário na área Administrativa (médio), uma de técnico em Contabilidade (médio/técnico), duas de técnico em Edificações (médio/técnico), e cadastro reserva para apoio especializado na área de Programação de Sistemas (Médio/técnico).
A Consulplan é uma banca que cobra mais a literalidade nas provas de direito, ou seja, com menos interpretação e direto na Lei. Os candidatos mais adiantados devem treinar questões de provas anteriores. Além da Consulplan, é possível se basear em provas de bancas como a Fundação Carlos Chagas  quem tem maior números de questões disponíveis e cujo estilo se aproxima da Consulplan.
Para quem vai iniciar os estudos agora, o ideal é criar uma agenda com a programação das disciplinas divididas pelo tempo disponível do candidato. A organização e disciplina são fundamentais para o Êxito nesta prova.

A demora na publicação de um edital é mais um desafio a vencer!

desanimo nos estudosTenho encontrado alguns alunos um pouco desmotivados com a demora na publicação do edital do INSS. Milhares de candidatos INSS estão estudando há bastante tempo e na expectativa da publicação do edital do concurso. Na verdade, a autarquia federal está no aguardo da liberação da autorização pelo Ministério do Planejamento, Gestão e Orçamento- MPOG. Quando essa autorização sair, o INSS tem até seis meses para publicar o seu edital. No entanto, a instituição pode publicar a qualquer momento que desejar após essa autorização. Não vejo com maus olhos essa demora na publicação, pois quanto mais tempo demorar, mais oportunidades o candidato tem de se preparar melhor, de ajustar suas dificuldades. Se você já estudou toda a teoria, durante esse tempo, reorganize seus estudos. Marque os pontos que mais têm dúvidas e faça uma massificação exaurida desses temas. Não deixe ficar uma só dúvida. Reveja as matérias fazendo resumos e atacando as questões. Se você observar, são milhares de questões, não só de provas anteriores do INSS, como de outros concursos que têm conteúdos afins. Não adianta ficar na angústia de querer ver o edital publicado logo, pois o amadurecimento nos estudos vai proporcionar-lhe uma colocação melhor quando for aprovado. Pense que sempre temos o que ver de novo. Procure as atualizações. Principalmente na área do direito, que sempre existem muitas atualizações. Então, corra atrás, fique a par dessas atualizações. Você verá que na hora da sua prova, esse tempo a mais foi favorável a você. Muitos estão começando a estudar agora, outros, começarão somente quando o edital sair, mas o que importa é a qualidade com que se estuda.

Olhe para o status em que você se encontra na sua preparação: estar à frente de muitos! Use essa arma ao seu favor! Se você observar, existe muita coisa o que estudar e não

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

acredito que não exista mais o que  ver. Ninguém é 100% bom em tudo. Se você procurar, vai descobrir que pode existir uma disciplina em que você pode até ser bom, mas não é ótimo. Então, procure ser ótimo, você tem tempo para isso. E como se torna ótimo? Treinando, treinando e treinando!

Se você desanimar agora e achar que já estudou tudo poderá perder o fio da meada. Eu sempre digo que se acostumar a estudar é muito difícil, mas se acostumar a não estudar é fácil demais e pode ser um tiro no pé ficar desanimado justamente agora. Não adianta estudar há um ano, por exemplo, e estremecer agora, desacelerar pode deixar você atrás até  mesmo de quem começar a se preparar depois que o edital sair. O conteúdo precisa estar fresco na sua memória. Esta é a hora de treinar muitas questões e, isso, fará com que você domine as matérias. Acabaram as questões da FCC? Não tem problema, procure questões de bancas similares, até porque não sabemos qual será a banca escolhida. Claro que nos baseamos na banca que organizou o último concurso, mas isso é apenas para dar um norte aos nossos estudos. Não quer dizer que a organizadora será a mesma. Um detalhe importante é não deixar a “peteca” cair agora, pois é nesta hora, em que você acredita que sabe tudo, que já estudou tudo, que pode perder o jogo. E eu posso dizer de cadeira, com meus quase 10 anos de concurso, que já vi muita gente muito bem preparada, abandonar os estudos por acreditar que está fortalecido e quando o edital saiu, essa escolha foi crucial para assinar a sentença: a perda do foco, o que, claro, culminou com a reprovação desse candidato. Sabe aquelas tentações as quais você venceu durante seus estudos nesse tempo? As saídas com amigos, a praia, a diversão? Elas têm o poder de retornar justamente neste momento. E, você olha e diz: agora, eu posso abraçar tudo o que perdi durante meus estudos, pois já estudei e estou pronto! Não! Agora você não pode porque simplesmente vai querer compensar toda a “perda” que teve naquele momento. E, sim, elas, as tentações, virão com mais frequência e, então, você fará uma, duas, três e quando vir, já estará entregue à diversão e se esquecerá completamente de seu objetivo. Claro que não estou dizendo do lazer, que é tão fundamental quando se estuda, estou falando da substituição do estudo pela diversão. Este tipo de candidato é o concorrente que todos querem! Não se esqueça disso!

Poxa, olhe para trás, veja o quanto você abriu mão para chegar ao nível que chegou! Quantos momentos com amigos, familiares, você abriu mão para estudar. Isso tudo tem de ser um incentivo para  continuar na luta porque você tem um objetivo: ser um servidor estável, com uma boa remuneração que possa “bancar” os seus sonhos, possa lhe dar um conforto a mais  e para sua família .

Então, continue, independente de quando o edital sair,continue em frente, pois você não irá se arrepender. Depois me conte em qual colocação você ficou! Tenho certeza de que será muito melhor do que você almejou! Bons estudos e olhe pra frente!

Por: Cláudia Jones, jornalista especializada em concursos

Guia de estudos para INSS