Episódio #16 – Tira dúvidas: Verbos

banner-qc-cast-verbos (1)Neste programa o QC Cast traz  um papo especial com o professor Alexandre Soares, professor de Língua Portuguesa, com dicas sobre verbos.  O  quadro “Tira Dúvidas” tem o propósito trazer os temas em um bate-papo agradável.

Clique abaixo para ouvir (ou faça download aqui)

 

Dificuldades? Quem não as tem, levanta  mão!

deseperoAlguns meses atrás, encontrei-me com alguns alunos no corredor de um cursinho preparatório e lá estavam, desanimados, discutindo suas dificuldades na preparação. Um deles me chamou e perguntou: Jones, estamos aqui discutindo e chegamos à conclusão que cada um de nós age de uma forma diferente  mas remamos, remamos e não chegamos a lugar algum até agora.

Percebi que aqueles alunos, não estavam sozinhos mergulhados em suas dúvidas, desânimos e buscas de acertos. Assim como outros milhares, eles eram apenas estudantes que precisavam de uma direção.

Eu sempre fui a favor do pensamento de que quanto mais erramos mais perto estamos do nosso objetivo. E é verdade, os erros fazem parte da conquista!

Mas, o extraordinário é quando o aluno descobre que aquele erro foi prejudicial e consegue mudar o rumo.

Quem é que nunca estudou errado? Todo mundo começa e no início há os erros, desvios. Ao longo da preparação, quando você amadurece um pouco mais- isso mesmo, amadurecimento é o que mostra ângulos de visões diferentes- consegue perceber que os erros foram um aprendizado, e a partir deles é possível ajustar o processo.

Não estamos aqui falando de pessoas que tiveram uma educação voltada para os estudos desde pequenos. Não! Estou falando de nós, seres mortais, que um dia acordamos, decidimos mudar de vida e vimos no concurso público a grande oportunidade para isso. Assim, chegamos à determinação, cheios de vícios, preguiças, céticos com alguns detalhes e tomados por uma inexperiência inigualável.

Mas, ao logo da caminhada, vamos conseguindo ajustar-nos às exigências da preparação, às necessidades da adaptação que, por um lado, tanto nos tortura, mas que são condições necessárias  para o bom desempenho.

Aquele grupinho de alunos não estava num mundo à parte e, sim, dentro de um universo que conta com muitos desses “serezinhos perdidos”.

Mas, por que isso acontece? Por que as pessoas se sentem tão perdidas e tendo a sensação de que não há evolução?

Um primeiro ponto a ser observado é que há um ledo engano em achar que há evolução. Como pode não evoluir um ser que está recebendo conhecimento, informação? Evolução há, crescimento existe. O problema talvez seja a forma que cada um conduz determinada situação. E, para ser bem sincera, não há uma fórmula pronta que todos possam usar e pronto: deu certo! Não! Existe uma análise de cada situação e ajustes a fazer para cada individuo que um dia acordou e decidiu ser servidor público. Poxa, cada um tem seu estilo de vida, suas obrigações e cada um tem um mecanismo diferente. Então, a verdade é que os ajustes devem ser avaliados individualmente.  Nada melhor do que uma boa dose de organização na bagunça!

Você se lembra que no começo de nossa conversa , o aluno me dissera que cada uma agia de uma forma e todos chegaram à conclusão qeu estavam indo sem sentido? É isso! Cada um é cada um.

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Acredito que num somatório geral o que podemos perceber é que não existe um equilíbrio pessoal na preparação, não existe uma organização, um planejamento, não existem metas.

Mas, trabalhar com metas é complicado, Cláudia! Sim, é bem difícil , há de se tomar cuidado pois as metas gera uma certa ansiedade e pressiona a pessoa. E aí, seria um outro problema a trabalhar.  Mas, é fundamental traçá-las para alcançar o retorno, mais rapidamente. Ou, pelo menos evitar deslizes que podem atrasar a aprovação.

Se olharmos para os estudos como um projeto- e é assim que tem de ser olhado-, é importante que o candidato coloque na ponta do lápis todo o investimento para aquele objetivo, tanto financeiro quanto em relação ao tempo dedicado. Com isso, fica mais fácil estabelecer metas a partir dos conteúdos que vão fazer parte da sua rotina nos próximos meses, talvez anos, em alguns casos. E, isso, querido candidato, só é possível adquirir com alguns dias de estudos, talvez meses, nos quais haverá a percepção da grandeza dos conteúdos que serão estudados e o grau de complexidade que cada um deles representa para a sua preparação.

Só a partir desta análise pessoal e inicial é que você terá condições de estabelecer uma meta que seja condizente à sua situação de vida e que, principalmente, você possa cumpri com um “belo sorriso nos lábios” e que não lhe traga angústias e frustrações.

Por isso, tem uma hora que você precisa parar e colocar no papel tudo o que envolve a sua preparação e, a partir disso, estabelecer a sua meta. Quando isso acontecer, você estará mais seguro e confiante e, com toda a certeza, no caminho certo até a sua aprovação.

Aqueles alunos os quais encontrei no início da nossa conversa, conseguiram colocar no papel toda a sua programação e partiram em busca do sonho, agora com as metas!

Bons estudos!

 

 

 

 

 

PC-RJ: Guia de estudos e dicas de Constitucional para a reta final

images (23)Em ritmo de reta final, os candidatos à Papiloscopista da Polícia Civil do Rio de Janeiro tiveram um acréscimo quanto ao tempo de estudos. Isso porque a prova, inicialmente marcada para dia 16 de novembro, foi postergada para 07 de dezembro. Essa mudança dá uma oportunidade a mais para que os estudantes ajustem suas dificuldade e ganhem tempo de preparação para as disciplinas que ainda não dominam. Com isso, o QC preparou um Guia de Estudos para que os alunos tenham um direcionamento dos tópicos a estudar.

Segundo o diretor do QC e professor de direito Constitucional, Fernando Bentes, em relação à disciplina e tendo em vista que o trabalho será desenvolvido na Polícia, é natural uma cobrança maior sobre os direitos a serem respeitados na relação do Estado com o indivíduo e sobre o Poder a que pertence a Instituição. “Recomendo o estudo cuidadoso dos direitos individuais, com destaque para as diferentes modalidades de liberdades públicas, a proteção aos presos e as garantias processuais. Além destes pontos, uma preocupação com a organização e as atribuições do Poder Executivo, da segurança pública e da atividade policial”, aconselha.

A banca IBFC apresenta  cinco alternativas em cada questão de múltipla escolha. “Tendo em vista o número grande de opções, a banca deve colocar pelo menos duas alternativas próximas de uma resposta certa, o que obriga o candidato a escolher a mais certa, a mais completa”, aposta Bentes.

Fernando diz que, nesta reta fina, se já tiver estudado todo o edital, pode recorrer apenas às anotações pessoais, trechos que sublinhou em livros, resumos próprios, além de questões de concursos passados que ele resolveu e errou. “É importante revê-los para não repetir o erro na hora da prova”, salienta.

O especialista ainda acredita numa prova de dificuldade média, sem abordagens complexas, anão ser na parte específica de conhecimentos.”O candidato deve perceber, ao longo de seu estudo, se errou muitas questões de concursos passados ou da banca IBFC.  Caso positivo, ele deve retornar aos livros. Para Direito Constitucional, neste concurso, existem dois manuais, da profª Natália Masson e do prof. Marcelo Novelino. São livros, simples, didáticos, atualizados e de autores muito bons”, recomenda.

Para Bentes, esta é a hora de concentração total para a prova, quanto menos cumprir tarefas sociais, familiares e profissionais, melhor será a dedicação e a reflexão sobre as disciplinas que vem estudando. “Se a preparação já contemplou toda a parte teórica, esqueça os livros e pode se concentrar nas questões de concursos passados da Polícia Civil do Rio e da banca IBFC. Mas nada de economia, faça metas irrealizáveis, como fazer mil questões, duas mil questões. Ainda que não alcance esta meta, terá feito um exercício prático muito grande e seu emprenho será recompensado ao encontrar uma questão semelhante ou até igual, na hora da prova”, conclui.

Guia de Estudos

Rumo à PF: Guia de estudos e dicas de Processo Penal

PFO concurso da Polícia federal para Agente de 2014 traz em seu edital o conteúdo de Processo Penal. Preparamos um Guia de Estudos para você  sair na frente. De acordo com o professo Jamil Chaim, neste momento, o ideal é o candidato elaborar um plano específico de estudos, considerando os pontos trazidos no edital e o período até a prova. “Esse plano também deve compreender revisões das matérias estudadas”, aconselha.

Para o professor, um erro comum do candidato é estudar mais as matérias que gosta e negligenciar as que não gosta. “O correto é justamente o oposto, dando ênfase nos pontos que tem dificuldade. Numa prova concorrida como essa, é preciso ser bom (ou pelo menos razoável) em TODAS as matérias”, ensina.

O mestre indica a utilização de material específico para concursos (livros resumidos/material de cursinhos) e acompanhar a jurisprudência (principalmente súmulas).

Uma pergunta recorrente em provas nas quais se perde pontos por marcar respostas erradas é: “Quando marcar e quando não marcar?”. “Parece-me que não há uma resposta definitiva, válida para todos os candidatos. Em princípio, a melhor estratégia é marcar somente quando souber a resposta. Mas há alunos que se saem melhor marcando todas as respostas”. Jamil sugere que o candidato faça simulados em casa, comparando os resultados das três situações (marcando apenas as questões que tem certeza, marcando também as que tem dúvida e, por fim, marcando todas). “Assim, cada um pode saber com segurança qual a melhor tática para o seu caso, e ainda estará colocando a prática a próxima dica: treinar muito! É FUNDAMENTAL reservar um período para resolver testes TODOS OS DIAS, e é preciso treinar também a escrita”, acrescenta.

Especificamente quanto ao  processual penal, o professor diz que há tempo mais que suficiente para estudar (e revisar!) TODOS os pontos cobrados. “Nessa disciplina, o edital é  mais enxuto. Vale a pena focar no estudo do interrogatório e dos direitos do acusado, inquérito policial, perícias e prisão cautelar (flagrante, preventiva, temporária, inclusive as regras constitucionais sobre o tema)”, orienta.

 Guia de Estudos

Dataprev: milhares de vagas para diversos cargos

dataprevO concurso da Empresa de Tecnologia da Previdência Social( Dataprev)- ligada à Previdência Social- é uma excelente oportunidade, mesmo sendo cadastro de reservas. As vagas são pulverizadas por todo o país e a remuneração, relativamente significante. Podendo chegar, com o adicional de atividade e o auxílio- alimentação a mais de seis mil reais. Se olharmos para o histórico de concursos da instituição é possível notar que ela tem por costume convocar grande número de candidatos aprovados. Este edital de 2014 traz oportunidades para profissionais habilitados em diversas áreas como comunicação social, direito, arquitetura, engenharia, entre outras. Além do cargo de Analista de processamento, que é específico para quem possui diploma em ciência da tecnologia. Para nível médio são dois cargos que exigem técnico em segurança do trabalho e enfermagem. Isso reduz o número de concorrentes para os cargos de nível médio.

Todos os cargos têm em comum português, Ética no serviço Público, Conhecimentos Gerais que nada mais é do que a disciplina de Atualidades na qual serão cobrados conhecimentos sobre política, cultura, economia, educação, entre outros temas atuais, o que torna a cobrança bem abrangente, e língua estrangeira. Em relação à língua estrangeira, o candidato deverá ficar atento e escolher apenas uma opção, entre inglês e espanhol, pois se responder às duas provas perderá os pontos dessas questões. Além disso, as últimas provas de língua estrangeira da banca tiveram um teor mais interpretativo.

Os candidatos aos cargos que trazem em sua prova a disciplina de informática devem estar atentos aos tópicos importantes como: edição de textos, planilhas e apresentações (ambiente Microsoft Office e BrOffice), pois a banca não informa a versão. Sendo assim, é necessário o candidato dar uma olhada em todas as versões para conhecer as diferenças entre elas. Claro que todo o conteúdo do edital  referente à Noções de Informática é importante e deve ser estudado em sua totalidade. A última prova do órgão cobrou Windows 7 e Microsoft Word 2010. Uma atenção é que o candidato deve considerar que todos os programas estarão em configuração padrão e o mouse configurado para pessoas destras e que não há restrições de proteção, de funcionamento e uso em relação a programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos que forem mencionados na prova.

Quanto à disciplina de língua estrangeira, o candidato deverá optar na hora da prova se fará  inglês ou espanhol. O foco dessa prova é interpretação dos textos, isso bate com o histórico da banca.

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

A Quadrix, a mesma que vem organizando os concursos da DATAPREV desde 2010, não tem o costume de pegadinhas em suas provas. Aliás, seu histórico de concursos é relativamente pequeno. O que não dá à instituição uma possibilidade de formar um perfil relevante ou de posição no mercado. Sendo assim, as provas organizadas pela banca são de fácil entendimento e, geralmente, seus enunciados trazem a literalidade e não são longos. Num contexto geral, as questões não trazem um nível interpretativo grande sendo mais objetivas. Com isso, favorece o candidato que tem a facilidade em decorar. É possível trabalhar com questões de bancas como a FCC, FGV, ou Cesgranrio que, apesar de bancas de muito mais relevância, tem um perfil aproximado. Isso, no caso do candidato encontrar poucas questões da Quadrix. As inscrições vão até 6 de junho de 2011 .

Para quem ainda não iniciou os estudos, o ideal é dividir o tempo entre as disciplinas básicas e específicas e fazer o maior números de questões o possível. Este é o momento de ter contato, ao mesmo tempo, com a teoria e as questões para massificar as matérias na mente do candidato.

Quem já vem se preparando para este concurso basta aprofundar no treinamento de questões, pois o edital não trouxe mudanças consideráveis e fazer resumos, caso necessite. Mas, fazer questões vai solidificar o conteúdo. Isso deverá ser feito até semana que antecede a prova, parando para descansar apenas na véspera.

Muita atenção à prova discursiva que tratará de qualquer conteúdo referente ao conteúdo do cargo escolhido e será de 15 a 30 linhas. Haverá ainda  prova de títulos a qual poderá acrescentar ao candidato uma pontuação entre 1, 1,5 ou 2,5, a depender da qualificação (Pós- graduado, mestrado ou doutorado).

Rumo à PF: Guia de estudos e dicas de Atualidades

ciberativismoO concurso da Polícia federal para Agente de 2014 traz em seu edital o conteúdo de Atualidades. Preparamos um Guia de Estudos para você  sair na frente. De acordo com a professora Melina, no que se refere à matéria atualidades, a melhor forma de se preparar é acompanhar os acontecimentos do Brasil e do mundo pelos veículos de comunicação. “As questões certamente abordarão temas que estiveram em destaque na mídia nas semanas e meses anteriores à prova”, orienta. Para a professora, temas relacionados à atuação dos Estado Islâmico (ISIS) no Iraque e na Síria e às eleições presidenciais têm chances significativas de serem cobrados. “No plano da economia, inflação e baixo crescimento são temas recorrentes nos noticiários. Tendo em vista que a prova é para preenchimento de cargos na Polícia Federal, é importante tentar identificar temas de atualidades que se relacionem de alguma forma com a atuação da PF. Nesse sentido, a epidemia de ebola é um assunto importante, pois tem potencial para afetar o mundo inteiro, e cabe à PF o controle das fronteiras e da entrada de pessoas no país”, alerta. A especialista indica a leitura diária de jornais nas semanas anteriores à prova é imprescindível para conseguir uma boa nota na matéria atualidades.

 

 

INCA publica edital para 558 vagas.

INCAO Instituto Nacional do Câncer- INCA- publicou edital para  558 para o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Rio de Janeiro. As oportunidades são para cargos de  níveis médio, médio/técnico e superior, com remunerações iniciais que podem chegar a R$14.128,75.

A banca organizadora será a Fundação Professor Carlos Augusto Bittencourt (Funcab) e as provas serão objetiva e discursiva e/ou redação, além de prova de títulos, aplicadas em 14 de dezembro, de manhã para níveis médio e técnico, e à tarde para superior. A validade do concurso será de dois anos podendo prorrogar por igual período.

As inscrições vão de 16 de outubro a 9 de novembro, no site da Funcab. A taxas variam de R$78 a R$97 dependendo do cargo.

Pesquisador – O Inca, no Rio, também vai abrir outras 25 vagas no cargo de pesquisador, cujo requisito inclui mestrado ou doutorado na área pretendida. Os iniciais vão de R$8.050,05 a R$12.525,08. Nesse caso, a organização do concurso fica a cargo do próprio instituto e a taxa de inscrição é de R$180. O edital, que inicialmente havia sido divulgado fora do prazo, será agora republicado. Os candidatos terão que passar por análise de títulos e currículo, defesa pública de memorial, prova escrita e prova oral.

Língua Portuguesa: Sete erros mais comuns dos candidatos # 1

O QC fez uma pesquisa com seus professores e listou os erros mais comuns, segundo a analise de cada um. Vamos acompanhar a primeira parte da série “Setes Erros mais comuns em Português”. A Análise é da professora Verônica Ferreira.
1)      Não ler o enunciado da questão, ou achar que leu: interpretação de texto é um dos temas que mais reprova o candidato no concurso público. Por que? Porque o candidato ou não tem paciência para ler o enunciado corretamente (fica tão preocupado com o tempo que não se dedica totalmente à prova) ou simplesmente acha que entendeu o texto, lendo apenas uma vez. O candidato pode organizar o tempo treinando a resolução de provas anteriores em casa. A questão é que o candidato deve ler bem o enunciado, marcar os verbos de comando caso o enunciado tenha (verbos de comando são os verbos que distinguem o que o candidato deve fazer – “faça”, “indique”, “comente” etc.) e reler para ver se entendeu mesmo. Isso serve também para os textos.
2)      Erros no uso da crase: a base de compreensão da crase é a fusão do artigo feminino “a” com a preposição “a”. O que fará com que o seu uso seja realizado ou não é de que maneira que esta fusão ocorre. Para isso, o candidato deve ler as regras que permeiam o tema, considerando os casos optativos, ou seja, em que a crase pode ser usada ou não.
Verônica Ferreira, professora de Língua Portuguesa do QC.

Verônica Ferreira, professora de Língua Portuguesa do QC.

3)      Erros de ortografia: esse erro é clássico e revela um candidato que não lê ou ainda que não se preocupa com o que lê. A leitura de diferentes fontes como jornais, revistas, livros, sites ajuda a diminuir os erros. Isto vale também para concursos que pedem redação. Dependendo da banca, o erro excessivo de ortografia numa redação pode até mesmo eliminar um candidato do concurso.

4)      Erro no emprego de pronomes: tema muito comum em concursos públicos, os pronomes ainda surgem como “pegadinhas” na hora da prova. O exemplo básico é o uso quanto aos pronomes “eu” e “mim”. Não se usa “mim” antes de verbos no infinitivo (“Comprei este livro para eu ler”) e não usa “eu” depois de preposições (“Traga esta vassoura para mim”). Há ainda outros erros como esse. Estudar a diferença no uso dos pronomes só aumentas as chances de passar no concurso público.
5)      Uso incorreto do “mas” e “mais”: hoje, infelizmente, o que mais se vê é a confusão no uso do “mas” (conjunção adversativa) e “mais” (advérbio de intensidade). Desta forma está errado o uso como “comprei o sapato,mais estava apertado” e “ela mora muito mas longe agora”. O correto é “comprei o sapato, mas estava apertado” e “ela mora mais longe agora”.
6)      O verbo “haver”: todos sabem que o verbo “haver” é impessoal, mas mesmo assim muitos confundem na hora de usá-lo. Ele é impessoal e não obedece à regra geral da concordância verbal. Ele também não varia quando está no sentido de existir ou ainda indicando tempo transcorrido, como “Havia cinco alunos na livraria” ou “Há cinco meses não compro naquela loja”.
7)      Onde X Aonde: muito comum em concursos públicos, os dois termos confundem a cabeça do candidato na hora de realizar a prova. “Onde” é empregado para ideia de fixo, algo que não tem movimento. “Aonde” é empregado com verbos que dão ideia de movimento, de mudança. Observe: “Onde você mora?”. Indica o local em que se habita, ou seja, um local fixo. “Aonde você vai?”. Indica mudança de local, de um lugar para o outro.

Como elaborar um Plano de Estudos. Parte 1

estudando4
Com a finalidade de auxiliar os candidatos na organização dos estudos, o QC, preparou uma série de matérias sobre como elaborar um plano de estudos. Começamos com as dicas de Fernando Bentes, diretor do site Questões de Concursos.
  • 1- Situação de estudo: depois da escolha do concurso, o candidato deve saber de todas as condições que influenciam seu estudo, como o dinheiro a ser investido, se a sua formação é adequada ao perfil, qual o grau de sabedoria possui em cada disciplina cobrada, se possui todos os documentos normalmente exigidos e quais os fatores que podem ajudar ou atrapalhar em sua caminhada. Toda sua trajetória é dependente de onde o candidato se encontra e das condições efetivas de cumprir uma trajetória positiva.
  • 2- Tempo: todo o planejamento deve considerar o tempo restante até o concurso. De preferência, o estudo deve ser feito com antecedência, baseando-se na previsão do concurso. Depois de o edital sair, o tempo deve ser redimensionado.
  • 3- Espaço: muito importante o candidato saber onde irá estudar. Em casa, no horário livre do trabalho, numa biblioteca, etc. Para isso, deve ponderar se terá condições satisfatórias de estudo, sem interrupções, se o local de estudo é próximo ou distante e se a tranquilidade compensa o tempo, custo e o desgaste do deslocamento.
  • 4- A “Lei do Concurso”:  o ponto de partida de um candidato deve ser o edital do concurso. Se ainda não tiver sido lançado, deve se basear no edital da última prova e estudar normalmente. Quando o edital sair, pode fazer adaptações de acordo com as novas cobranças que ele previr.
  • 5- Planejamento com base no Edital: dentro edital algumas importantes informações devem ser recolhidas: os requisitos para o cargo, as datas de inscrição e prova, as disciplinas previstas e seu programa detalhado de assuntos, as matérias que mais valem pontos, o tipo de prova – objetiva, dissertativa, oral, prática e/ou física. Depois, o candidato deve traçar um cronograma de estudos que começa com as disciplinas mais importantes e termina com as que valem menos pontos. Esta regra pode mudar de acordo com a situação do candidato. Se ele é muito fraco numa matéria, deve priorizar seu estudo, sob pena de fazer poucos pontos ou não atingir uma pontuação mínima.
  • 6- Método de estudo: com base na ordem de importância de disciplinas, o candidato deve dividir seu tempo entre o estudo de teoria e de questões de concursos passados. Se não trabalhar, pode estudar 8h por dia, intercalando 2h de teoria e 2h de questões. Se o candidato trabalhar, deve estudar 8h aos sábados e domingos, apenas para teoria, reservando 2h por dia ao longo da semana para resolver questões de concursos. Com base nessa estratégia, o candidato poderá se aprofundar gradualmente no conhecimento teórico da disciplina, ao mesmo tempo em que testa seu aprendizado, mede seu nível de acerto, conhece o tipo de perguntas e o padrão de resposta adotado pelas bancas organizadoras.
Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

Fernando Bentes, diretor acadêmico do site Questões de Concursos

  • 7- Revisão de Estudo: uma vez ao mês, proponho que o candidato faça uma espécie de simulado, no qual ele seleciona questões de todas as matérias estudadas. Além de servir como revisão, estes estudos fazem com que o candidato constantemente meça seu grau de estudo. Se estiver errando muito, deve retornar ao estudo teórico para melhorar seu embasamento abstrato e conceitual.
  • 8- Metas: os estudantes devem ter uma flexibilidade para adaptação de seu planejamento, alterando alguns horários, comprando novas fontes de estudo, etc. Mas é importante manter a fidelidade a um planejamento, com meios de testar se o conhecimento está sendo bem desenvolvido no aprendizado do candidato. Por isso, a confecção de questões de concursos passados é importante, como um meio de nivelar a qualidade e as chances de aprovação do candidato, que pode priorizar uma disciplina ou um assunto específico que errar de modo repetido. O ideal seria que ele estabelecesse uma rotina de cobrança durante sua revisão de estudo: acertar 50%, 70%, 90% e assim sucessivamente. Quanto mais próximo de 100%, mais concreta sua chance de passar.
  • 9- Fonte de estudo: primeiramente, o candidato deve preferir uma fonte em que renda mais. Existem materiais escritos, sonoros ou audiovisuais. Prefere ler ou escutar aulas? Prefere aulas presenciais em que tira dúvidas ou aulas on-line gravadas que, em geral, possuem professores melhores? Tudo depende de uma aupercepção do candidato, que deve saber como aprende melhor. A melhor recomendação seria uma fonte de qualidade e diversificada, com materiais escritos e aulas on line. O gasto representa uma fonte de qualidade e atualizada, em instituições de ensino com tradição no mercado, com planejamento pedagógico formado por professores que entendem o edital e a prova e que enfocam seu ensino na aprovação. O material escrito pode variar de uma apostila simples, para estudantes iniciantes ou de livros mais clássicos, utilizados pela banca na elaboração das perguntas de prova. As aulas on line significam que o aluno não vai perder tempo com deslocamento e o trânsito e ainda vai economizar com o que gastaria em alimentação e transporte. Além disso, cursos on line contam com os melhores professores do país, enquanto as aulas presenciais contam apenas com os profissionais restritos de uma região.

TJ-RJ: saíram editais para Analista Judiciário. Especialista faz análise.

TJ-RJForam publicados os editais para Analista Judiciário nas especialidades de psicólogo, assistente social, comissário e execução de mandatos. De acordo com os editais, ao todo, 118 vagas com remunerações são de R$ 5.794,26 .
Os interessados terão entre os dias 13 de outubro e 3 de novembro para efetivar as inscrições pelo site da organizadora FGV. A prova está prevista para 14 de dezembro.
De acordo com Fernando Bentes, diretor acadêmico do site questões de Concursos, o candidato deve ficar muito atento ao edital do TJ-RJ. “A prova de conhecimentos específicos tem uma pontuação muito grande, de 100 pontos. Porém, ela só será corrigida pela banca se houver um alto número de acertos na prova objetiva, que vale 70 pontos”, alerta.
Bentes explica que o critério de desempate se baseará, na ordem: pela maior nota da prova discursiva, na prova objetiva e, por último, nas disciplinas de conhecimentos específicos. “Estes conhecimentos específicos dependem da especialidade, mas as matérias pertinentes a todos os cargos envolvem os conhecimentos de Língua Portuguesa, CODJERJ, Consolidação Normativa e Legislação Complementar”, analisa.
Para psicólogo e assistente social, serão cobradas Noções de Direito Administrativo e Noções de Direito Constitucional, como conhecimentos gerais, dentro da prova objetiva. “Na prova discursiva, cabe um estudo profundo dos temas específicos do edital que envolvem a psicologia e o serviço social”, indica.  De acordo com ele, para comissário e execução de mandados, as disciplinas jurídicas terão mais ênfase, sendo cobradas Direito Administrativo, Direito Constitucional, Direito Processual Civil e Direito Processual Penal.
Bentes alerta para a atenção ao  cargo de comissário, no qual ainda será cobrado Direito da Criança, do Adolescente e do Idoso. e aconselha que o candidato deve valorizar a interpretação de textos, em língua portuguesa. “Na parte de CODJERJ, Consolidação Normativa e Legislação Complementar, recomendo a leitura seca das normas. É possível que o candidato encontre alguns esquemas, tabelas e resumos que tornam o estudo destas normativa de uma maneira menos cansativa que a simples decoreba”, diz.
“Nas disciplinas jurídicas, não recomendo apenas a leitura de lei seca, mas a leitura de manuais de Direito. Embora sejam superficiais, são bastante didáticos, abordam vários temas do edital e possuem jurisprudência atualizada”, enfatiza Bentes.
 O especialista ainda aconselha, até a data da prova, em dezembro, que o candidato reforce o estudo de questões de concursos passados do TJ e da banca FGV. “Assim, estará revendo o saber teórico e adaptando seu estudo ao que efetivamente cairá na prova. Este concurso será muito disputado, logo, não se pode perder tempo”, conclui.

   Veja os editais