TJ-SP: em breve, novo concurso!

TJ SPO  Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) divulgou, recentemente, por meio de sua assessoria, que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) indeferiu a medida liminar movida no sentido de impedir a seleção, sob a alegação de ainda existirem remanescentes  aguardando convocação da seleção de 2012. “O concurso vai acontecer. O principal empecilho já foi superado e agora vamos concentrar esforços para definir a distribuição das vagas pelas regiões, para então podermos publicar os editais”, diz.

Segundo a assessoria, com a retomada dos preparativos da seleção, a expectativa é de que a distribuição de vagas seja encerrada dentro de um prazo de aproximadamente 20 dias, até o início de setembro. Com isto,  a publicação dos editais, inicialmente prevista para ocorrer em agosto, ficará para meados de setembro.

A oferta será de aproximadamente 1.000 vagas, distribuídas pelas dez regionais administrativas do órgão. A expectativa  é de que a maior parte seja para a primeira região, que engloba a capital e grande São Paulo, com aproximadamente 400 oportunidades previstas.

A remuneração inicial é de R$ 4.848, incluindo salário de R$ 3.878, auxílio-saúde de R$ 200, auxílio-alimentação de R$ 29 por dia e auxílio-transporte de R$ 6 por dia, considerando 22 dias e para concorrer ao cargo, basta possuir ensino médio.Já está certo que a organizadora será a Fundação Vunesp e que serão mantidos os conteúdos programáticos dos últimos concursos para o cargo, realizados em 2012 e 2013.

Nos dois, a seleção contou com duas fases, com provas objetiva na primeira e prova prática de digitação na segunda. A parte objetiva contou com 80 questões, sobre língua portuguesa (30), conhecimentos em direito (38) e conhecimentos gerais, incluindo atualidades (4), matemática (4) e informática (4). A parte de direito contou com temas sobre direitos penal, processual penal, processual civil, constitucional, administrativo e normas da corregedoria geral da justiça.

Correios: Atenção à matemática

CorreiosEnquanto aguardamos o edital dos Correios precisamos organizar a preparação. Vinicius Werneck, professor de matemática do QC, orienta os candidatos a  abordar em seus estudos, tópicos como geometria e itens de matemática financeira, como taxas de juros simples e compostas. “Também deve ser dado atenção a problemas de aritmética que envolvem M.D.C e M.M.C, problemas de razão proporcional direta, inversa e composta. Já em geometria, uma boa olhada em figuras planas, áreas e volume é essencial, pois o Cespe cobra com muita regularidade esses conteúdos”.

 

O mestre acredita que dois tópicos importantes e que não caíram na última prova pode se tornar presente no próximo edital:  geometria e matemática financeira. Segundo ele, houve algumas mudanças nos conteúdos programáticos nos últimos concursos, que desde então passou a abranger mais esses tópicos da disciplina.

Werneck alerta que  o candidato que deseja concorrer a uma das vagas dos Correios de 2014 com segurança, deverá realizar muitas baterias de provas de concursos anteriores, principalmente a última. “Dessa forma, ele estará conhecendo o tipo de questão e o modo de como ela é apresentada”.

Mesmo sem definição da organizadora, os candidatos devem se basear pela banca que organizou o último concurso, o Cespe. Para ele, é uma banca que costuma exigir um pouco mais de interpretação nas questões e isso demanda um pouco mais de atenção do candidato. “O candidato deve treinar as questões anteriores para se familiarizar com a maneira como são cobradas. O candidato deve ter uma atenção redobrada na hora de ler o enunciado, com certeza é onde ficam a maior parte dos reprovados nas provas aplicadas pelo Cespe”, aconselha.

Antes mesmo da publicação do edital, o  candidato deve fazer uma revisão em cima dos tópicos aqui citados, orienta o professor. “Uma vez ele tendo segurança no conteúdo, ele deve realizar muitas resoluções de concursos anteriores dos Correios. Uma vez esgotada, ele deve procurar provas anteriores similares do Cespe e continuar a fazer sua bateria de exercícios”.

Tj-RJ: professor do QC orienta candidatos

TJ-RJO  concurso do TJ-RJ, para cargos de nível médio e superior é aguardado com ansiedade pelos candidatos. A publicação do edital para ainda este ano  foi confirmada pela a  presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargadora Leila Mariano.

As remunerações oferecidas pelo TJ são consideradas atrativas. O técnico judiciário recebe R$4.222,13, já o analista, R$6.498,26. Ambos os valores já incluem R$704 de vale-refeição. Os servidores contam ainda com auxílio-creche de R$874,75, para os que têm filho, enteado ou menor sob guarda, de seis meses a sete anos; auxílio–locomoção, de R$10,50 por dia; e plano de saúde e dentário.

Arenildo Santos, professor do QC analisa o grau de dificuldade das provas do TJ-RJ. “Levando-se em conta o estado do Rio de Janeiro, as provas do TJ se caracterizam, em geral, pela exploração do cansaço.  São, no mínimo, setenta questões, das quais a maioria  se destina à Língua Portuguesa, razão pela qual essa disciplina merece atenção especialíssima. No último concurso, realizado pela Fundação Carlos Chagas, trinta questões foram de Língua Portuguesa; as demais foram distribuídas quase regularmente entre as demais disciplinas: Informática, Direito Administrativo e outras, dependendo do nível e do cargo”, explica.
De acordo com o mestre, o candidato deve orientar-se pelas duas últimas provas destinadas ao TJ-RJ.  “Fazer ou refazer as provas oficiais já ocorridas é sempre um caminho eficiente de “reconhecimento do terreno”, ou seja, “familizarização” com o que é pertinente ao concurso”, orienta.
Em relação à importância das matérias, o especialista diz que a resposta a essa pergunta varia de acordo com o cargo específico do concurso.  “No que tange ao universo do Direito, por exemplo,  o último concurso priorizou, na prova de Analista Judiciário, Execução de Mandados, o Direito Processual Civil (10 questões).  Cada uma das demais disciplinas do Direito ficou com 5 questões.   No universo da Língua Portuguesa, o último concurso, para os cargos de Analista, apresentou a Discursiva de Redação, “aterrorizando” muitos candidatos com o famoso “Estudo de Caso”, tipo de texto que não necessariamente segue o padrão de uma Dissertação Argumentativa”.
A banca organizadora ainda não está definida, porém os candidatos devem iniciar seus estudos mesmo assim. “É claro que, dependendo da banca, há certas peculiaridades a serem seguidas.  Por isso mesmo, é necessário cautela.  Não adianta estudar o que não é certo cair, pois pode representar perda de tempo.  O mais importante mesmo é o candidato estudar aquilo que é certo cair:  num primeiro momento, Língua Portuguesa. Gramática e Interpretação.  O Direito Administrativo também é certo.  Se o candidato conseguir uma boa base nessas disciplinas, ele poderá, com segurança, dedicar-se  às demais disciplinas, depois de divulgado o edital.  É a tática mais segura que conheço”, explica.
No último comunicado oficial à imprensa, a desembargadora, anunciou a inclusão da disciplina de Raciocínio Lógico e sugeriu Custas Judicias, esta, já constava do conteúdo de Consolidação, porém, pode ser cobrada mais intensamente. ” Muitos candidatos simplesmente repelem, de suas escolhas, os concursos que exploram Raciocínio Lógico.  Como o TJ é sempre um concurso muito apelativo, esses candidatos que costumam fugir do Raciocínio Lógico vão ter de enfrentar o problema.  O mais importante é que o candidato abra a sua mente, não crie “fantasmas”.  Nenhuma matéria é tão difícil a ponto de não ser compreendida pelo candidato.  Noutras palavras, a entrada de RLM no próximo edital, coloca o candidato diante de mais um desafio, e isso não pode desanimá-lo; ao contrário, será mais um desafio a ser superado. Acredite: a vitória, depois, ficará muito mais “saborosa”.
O que estudar – Enquanto o edital não sai, os interessados podem se basear na última seleção, feita em 2012, pela Fundação Carlos Chagas (FCC). As provas constaram de :
15 de Legislação,
Para analista sem especialidade, foram exigidas 90 questões. Já para os analistas com especialidade, 70.
                              Veja outras matérias relacionadas com o assunto:

Sucesso nos Concursos: Prova mais fácil não garante vaga

Sabemos que as seleções para Nível Médio exigem menos em conhecimento, mas, ao mesmo tempo, são muito mais concorridos

 Muitas pessoas ficam em dúvida sobre qual nível de escolaridade escolher nos concursos. Sabemos que as seleções para Nível Médio exigem menos em conhecimento, mas, ao mesmo tempo, são muito mais concorridos. E é a este ponto que o candidato deve ficar atento.

Claro que existe uma nota mínima prevista no edital para que o concorrente seja classificado, mas o que vai importar é quantas pessoas sabem mais do que ele no processo, já que esses candidatos garantirão a vaga antes. A avaliação de que os concursos que exigem Nível Médio são mais fáceis tem gerado grande procura por essas provas, criando concorrência acirrada. É exatamente por isso que os candidatos devem tomar cuidado ao escolher o nível da prova. Veja abaixo mais dicas.

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Cláudia Jones é jornalista especializada e gerente de comunicação do site Questões de Concursos

Pergunta e resposta

“Eu tenho Nível Superior em Administração, mas quero começar a fazer concursos de Nível Médio. Estou muito confusa, já que algumas pessoas me falam que essas provas são mais fáceis que as outras. No entanto, ao mesmo tempo, o salário inicial é muito inferior. Qual concurso você me aconselha a fazer? Luciana, Pilares- RJ

Olá, Luciana. Existe uma falsa sensação de que os concursos de Nível Médio são mais fáceis. Mas o que realmente acontece é que o conteúdo programático nesses casos é cobrado com menor profundidade, e o nível de exigência é mais baixo que nas seleções para candidatos com Nível Superior.

Entretanto, o que torna as provas mais fáceis ou mais difíceis de passar, com raras exceções, é a relação entre o número de candidatos e de vagas. Ou seja, a concorrência que o candidato terá que enfrentar na prova.

Existe, obviamente, uma nota mínima prevista no edital para que o candidato seja classificado, mas o que vai realmente importar é quantas pessoas sabem mais que ele no processo, pois essas garantirão a vaga antes daqueles que não estão preparados para fazer a prova.

Como a procura por concursos de Nível Médio é muito grande, a relação candidato/vaga segue a mesma lógica. O candidato terá muito mais concorrentes, e a probabilidade de ter mais pessoas que se prepararam melhor aumenta ao mesmo tempo.

Os candidatos que possuem formação intermediária só podem se inscrever nos concursos que exigem esse grau, em detrimento dos candidatos que têm Nível Superior, que podem se inscrever em ambas as seleções. Isso explicaria a procura desproporcional por concursos que cobram apenas o Nível Médio atualmente.

Já para os candidatos que têm curso superior, eu aconselho a buscar um concurso com vagas para o seu grau de instrução. Apesar de as disciplinas terem maior complexidade, a relação candidato/vaga para essas provas será muito menor. E isso facilita a aprovação do candidato, que terá menos concorrentes. Bons estudos!

Rumo ao INSS: professor Dênis França orienta os candidatos

Dênis FrançaOs concursos para técnico do INSS não são muito complexos. Exigem do candidato muito mais atenção, dedicação e regularidade nos estudos do que qualquer outra habilidade. Não é que sejam concursos fáceis – os concursos fácies estão em rápida extinção –, mas apenas que não são complexos. Ou seja, trata-se de um edital que, historicamente, premia quem faz o dever de casa, se concentra no seu foco com antecedência e não tem preguiça de ler e treinar.

Assim, o candidato focado tem plenas condições de se antecipar e garantir os estudos das matérias cobradas no último edital, que foi publicado em 2011. As disciplinas se dividem entre conhecimentos gerais e específicos. No primeiro bloco, são tradicionalmente abordadas as seguintes disciplinas: Língua Portuguesa; Noções de Informática; Raciocínio Lógico; Noções de Direito Administrativo; Noções de Direito Constitucional; Ética no Serviço Público e Regime Jurídico dos servidores públicos federais.

Já no bloco dos conhecimentos específicos, são abordados os temas do Direito Previdenciário, objeto principal de trabalho dos servidores do INSS, o que justifica sua maior relevância.

Recomenda-se, portanto, muita dedicação no estudo do Direito Previdenciário, até porque, na última prova, foram 40 questões sobre essa disciplina e apenas 20 sobre todas as outras. Mesmo assim, porém, o candidato não pode se descuidar de todos os assuntos, a fim de garantir sua aprovação com boa pontuação em todos os temas.

Uma boa dica para o candidato que deseja pegar firme nos estudos é consultar as provas anteriores do INSS para ver como foi a abordagem, o grau de aprofundamento e divisão das questões na prova, dentre outros aspectos, porque isso oferecerá salutar norte para orientação dos estudos, na divisão do tempo, na escolha dos materiais necessários etc.

O candidato que se antecipa, não espera a publicação do edital para se dedicar aos estudos, treina muitas questões e tem paciência para ler e reler os conteúdos, dá importantes passos para sua aprovação.

 

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO E REGIME JURÍDICO ÚNICO

Os assuntos “Ética no Serviço Público” e “Regime Jurídico Único” possuem, em comum, uma facilidade para os estudos: seu conteúdo está praticamente todo condensado em certas leis ou decretos.

Isso ajuda o candidato a determinar o tamanho de sua tarefa, que, basicamente, se resume à leitura da legislação e, é claro, à realização de muitos exercícios, que ajudam a perceber como os temas são cobrados e a fixar as informações.

Portanto, o momento é apropriado para o início da leitura dos Decretos Federais 1.171/94 e 6.029/07, além da Lei Federal 8.112/90, cuja cobrança na prova é sempre certa.

Correios: programe seus estudos!

correios carteirosO mercado dá conta de notícias sobre a publicação do edital do concurso dos Correios com expectativa dos candidatos ainda para este ano. No entanto, O MPT entrou na Justiça para os Correios substituam todos os profissionais terceirizados pelos concursados.
As ofertas para o próximo concurso da instituição serão para  carteiro, operador de triagem e transbordo, atendente comercial e analista, cargos que requerem nível médio de eswcolaridade. E, para analista que exigirá requer nível superior. As remunerações variam de R$ 1.893,42 a R$ 3.468,50, com o acréscimo dos benefícios.
enquanto aguardamos o desenrolar da história, candidatos devem continuar na preparação. Fernando Bentes, diretor do site Questões de Concursos orienta que os interessados se baseiem no último concurso dos Correios, de 2011, já que  o edital ainda não foi publicado . “As matérias são apenas Matemática, Informática e Português, com 20 questões de cada, integrando 60 no total”. Para ser classificado, o candidato precisa do mínimo de 6 pontos na prova em cada uma destas disciplinas e 24 pontos no somatório geral.
Bentes alerta ainda em relação ao nível de dificuldade que é pequeno. “O candidato deve se esforçar para acertar o máximo possível. Quanto mais chegar perto de gabaritar a prova, maior sua chance de aprovação. Cada questão deve ter 5 opções de resposta”, orienta.
Para o professor,  o candidato deve retomar seus estudos de ensino médio e compre apostilas específicas para esta carreira.”Se tiver maiores dificuldades em alguma matéria, pode recorrer a um cursinho, que pode fornecer dicas importantes da prova”.
No entanto, os candidatos deve se ater à prova física, exigida para os cargos de Carteiro e operador de triagem. “O candidato não pode perder tempo e deve começar a treinar desde já, seguindo as orientações do último edital”, aconselha Bentes.
O último concurso dos Correios foi realizado pelo CESPE/UNB. Se a tendência se repetir, o candidato deve treinar muito pelas questões de concursos anteriores organizados por esta banca.

PMERJ: locais de provas divulgados

pmerjOs locais e horários de aplicação da prova da Polícia Militar do Rio de Janeiro, que acontecerá neste dia 31 de agosto, já foram divulgados pela oganizadora, a Exatus.
A prova é composta de  40 questões de Português, Direitos Humanos, Geografia, História, Informática, Legislação de Trânsito e Sociologia.
 A orientação da organizadora para os candidatos é que, no dia da prova, o candidato leve apenas documento original de identidade, lápis, borracha e caneta azul ou preta. A fim de evitar a eliminação dos candidatos, estão proibidos aparelhos eletrônicos como celulares, notebooks, pagers, entre outros similares. Também está proibida a entrada de candidatos portando bonés, óculos de sol, gorros, chapéus, sacolas e bolsas.  implicará na eliminação do inscrito. Segundo a organizadora, dos 105.458 inscritos, 83.892 são do sexo masculino e  21.566 são do feminino.

Tira Dúvidas: Como iniciar os estudos para o TCU?

images (36)Vi que o concurso do TCU está autorizado. Quando esse edital deverá ser publicado tendo em vista que teremos Eleições e Enem. Estou pensando em começar a estudar para ele. Acredita que dê tempo? E como devo iniciar os estudos? Hernani, Vila Isabel

Hernani,

Eleições e Enem não impedem aberturas de concursos. O órgão, quando tem seu concurso autorizado pelo Ministério do Planejamento, tem até seis meses para publicar o seu edital. Caso, ele não publique , perde a autorização e terá que fazer novo pedido. No entanto, nenhum órgão quer perder a autorização, pois se solicitou é por que há necessidade de preenchimento de vagas. A data limite para o TCU publicar o seu edital é até 7 de janeiro, tendo em vista que a autorização data de 7 de julho. No entanto, o órgão pode publicar seu edital a qualquer instante antes desse prazo final. A ideia é manter-se no ritmo de estudos, quem já iniciou, e entrar o mais rápido possível na preparação quem ainda não começou.  Para quem já está mais adiantado nessa preparação, indico a feitura de questões das matérias e tópicos já estudados e, claro, manter-se atento às atualizações, principalmente nas disciplinas de direito. Mas, para quem já avançou na teoria, é momento de intensificar o treinamento de questões. Não é recomendável nenhuma parada significativa nos estudos até a publicação do edital, pois dessa forma, o candidato tende a perder o ritmo. Claro, que aqui, como ainda não há edital, vamos respeitar o período de descanso. Pelo menos uma vez por semana, o candidato deve relaxar e não pensar em estudos. O cérebro também precisa descansar, mas não pode se acostumar. Para quem ainda não começou, a receita é a mesma, divida as matérias pelos dias da semana, separe os espaços vazios que você tem na sua agenda. Não recomendo que o candidato iniciante estude por muitas horas por dia. O desgaste é fatal na preparação. Portanto, equilíbrio é a palavra de ordem neste momento. Acredito que para quem trabalha,  duas horas por dia são bem vindas. E, sempre seguido de exercícios. Para quem tem mais tempo livre, pode aproveitar, por exemplo, dois períodos do dia. A ideia é alternar as matérias e não estudar apenas uma de forma a esgotá-la. Alternando e distribuindo as disciplinas pelos dias da semana, você verá como o estudo ficará mais agradável. As disciplinas cobradas no último concurso, em 2012, para técnico, que exige nível médio, são português, redação oficial,controle externo, Noções de Informática, Direito Constitucional e Atualidades que compunham a parte da matérias básicas. Já a parte de Conhecimentos específicos era composta de Direito Administrativo e Execução Orçamentária e Financeira. Já em 2013, foi realizado o concurso para Auditor Federal de Controle externo, que exige nível superior, cobrou 18 disciplinas. Agora, é só você começar a estudar  com organização.

Bons estudos!

Por: Cláudia Jones

Guia de Estudos do QC:  Técnico                                                                                                                                 Guia de Estudos do QC:  Auditor

  • Português                                                                                                                                                                            Direito Civil                                                                 Auditoria
  • Redação Oficial                                                                                                                                                                Contabilidade de Custos
  • Noções de Informática                                                                                                                                                Contabilidade Geral
  • Atualidades                                                                                                                                                                        Contabilidade Pública
  • Direito Constitucional                                                                                                                                                 Processual Civil
  • Direito Administrativo                                                                                                                                                 Processual Penal
  • Controle Externo                                                                                                                                                           Direito Penal
  • Administração Financeira e Orçamentária                                                                                                         Administração Pública

Professores do QC dão dicas para a prova da Polícia Federal.

PFRumores fortes sinalizam a divulgação do edital para o cargo de agente da Polícia Federal, para em breve e a realização das provas ainda este ano. Pode haver atrasos, mas, ao que tudo indica, o concurso vai mesmo ocorrer neste ano.  Ainda não foi definida a organizadora, no entanto, esta é a hora de iniciar os estudos.  Para o candidato que deseja participar do concurso ou quer realmente disputar uma vaga em condições de ser aprovado, o ideal é começar o mais rápido possível.

Para concorrer a esse cargo, o candidato deverá ter o ensino superior completo em qualquer área e carteira de habilitação, na categoria B ou superior. As contratações são pelo regime estatutário (estabilidade), e os ganhos iniciais, de R$7.887,33, incluindo o auxílio-alimentação, no valor de R$373. Há reajuste previsto para janeiro do ano que vem, com o valor da remuneração inicial passando para R$9.075,20, também com o auxílio. O concurso será composto por provas objetivas e discursivas (aplicadas em todas as capitais), avaliações física, médica e psicológica, investigação social e curso de formação profissional. Segundo notícias, a PF pretende iniciar o curso de formação no começo do ano que vem e nomear os aprovados em julho, mas para isso deverá ser necessário que o edital seja publicado ainda este mês.

De acordo com o professor Arenildo Santos, do QC, “em primeiro lugar, veja o edital do mais recente concurso para a PF/Agente.  O último foi realizado pela banca Cespe/Unb.  Por que olhar o edital? Simples: é preciso que você tenha uma ideia muito nítida do processo que envolve o concurso.  Veja, por exemplo, o seguinte:

a) São vários os cargos a que o concurso se destina comumente. É importante que você comece a se situar.

b) Caso você tenha alguma deficiência e vá declará-la, é preciso que saiba como proceder, pois haverá uma perícia médica, a fim de que se constate o caso.

c) É preciso que você tenha uma ideia de como proceder para fazer a inscrição; qual é o procedimento mais comum.  Isso evita a desorientação.

d) Não deixe para amanhã o que você pode prever hoje. Isso mesmo: veja o prazo (em geral são dois dias) para interposição de recursos, pois você poderá se valer disso. Normalmente, o candidato só vê isso no momento em que precisa do recurso.  Tente simular uma situação.  Como será, se você precisar disso.

e) Veja que, normalmente, a prova tem caráter eliminatório e classificatório.  O que significa dizer que você tem de acertar um número mínimo de questões por disciplina.  Noutras palavras, não adianta “virar as costas” para determinadas disciplinas de que você “não gosta”.

f) É comum haver a prova discursiva: redação. Isso mesmo.  E também com caráter eliminatório e classificatório.

g) É fundamental observar não somente as disciplinas que frequentemente são exploradas, bem como o conteúdo programático.  Ainda que possa haver alguma “mudança aqui, outra ali” no programa, a essência é basicamente a mesma.

h) Por fim, observe que costuma haver TAF (Teste de Avaliação Física).

 Estudo prévio: aquilo que é “certo” cair.   Para Arenildo, é importante que o candidato, comece a estudar bem antes de o edital sair.  Afinal, não é qualquer concurso que envolve a possibilidade de uma remuneração em torno de R$7.000,00.  A concorrência é muito grande.  Avalie o que, indiscutivelmente, vai cair. Língua Portuguesa, não importa o nível relativo à prova, cai: é importante, por exemplo, priorizar interpretação textual, emprego de pronomes, análise semântica de conectivos e orações, concordância, regência (crase) e ortografia.  São assuntos de grande incidência em concursos.  Raciocínio Lógico; Atualidades; Noções de Informática, de Direito Administrativo, de Direito Constitucional; são áreas comumente exploradas em ambos os níveis da prova.

Santos orienta a fazer um plano de estudos até o edital ser publicado.  “Comece já a estudar as disciplinas que certamente estarão presentes.  Depois da publicação, faça uma dedicação mais específica”.

Para o professor Denis França, um bom parâmetro de estudo para o programa de Direito Administrativo do concurso de Agente da Polícia Federal é o último edital para o cargo de Escrivão, publicado em 2012.

Para ele, não se trata de um programa extenso. “É muito importante, porém, que o candidato conheça com segurança os temas, que são recorrentes nas provas de Direito Administrativo, tais como organização da Administração Pública, princípios do regime jurídico administrativo, licitações, poderes administrativos e controle da Administração”.

O especialista recomenda, ainda, especial atenção em relação ao regramento que rege os agentes públicos, com destaque para a Lei 4.878/65, de incidência específica sobre as carreiras policiais. Igualmente, toda a legislação que vem aprontada nominalmente no programa da disciplina – leis cujos números são expressamente citados – deve ser vista com atenção.”É claro que por ocasião da publicação do edital pode haver novidades e diferenças. Mas o candidato preparado, que está antecipando sua preparação, terá tempo hábil para estudar as inovações que possam existir no edital, bem como para revisar os conteúdos, garantindo o rendimento nas provas que o leve à aprovação”.