Allan Cavalcante nunca pensou em desistir: “Estava ocupado estudando e desejando minha vaga”

Início » Aprovados » Allan Cavalcante nunca pensou em desistir: “Estava ocupado estudando e desejando minha vaga”
By | 2018-05-09T11:37:44+00:00 09 de maio de 2018|Aprovados|

Olá, meu nome é Allan Cavalcante, sou de Caruaru, Pernambuco. Sou formado em psicologia e vou contar um pouco da minha história. Comecei a estudar em fevereiro de 2017, sem saber muito bem o que fazer.

Na verdade, eu havia me formado acreditando que meu mercado seria uma realidade, quando foi outro completamente diferente. Então, decidi investir em concurso público por conta da estabilidade.

Comecei os estudos com alguns livros e apostilas antigas, sem foco em um determinado concurso. Rapidamente notei que não estava rendendo o que podia e que eu precisava de um bom reforço para incrementar minha preparação.

Alguns meses depois, saiu o edital da Funape (Fundação de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco) e me interessei bastante.

Foi nesta época que conheci o Qconcursos.com e logo comecei a praticar resolvendo questões. Estava procurando questões pela internet e um dos primeiros resultado foi o site, então a partir daí fiquei só com o Qconcursos.comNa ocasião, para o concurso da Funape, eu fiz quase todas as questões de Direito Previdenciário.

Com a inclusão do Qconcursos.com na minha rotina de estudos, pude perceber que tive uma grande melhora nos estudos e cheguei à conclusão de que não adianta dominar o assunto: é necessário aprender a “arte” de fazer provas. Para isso, nada melhor do que treinar no dia a dia.

Outra coisa importante que percebi com o tempo foi a necessidade de direcionar os estudos para a banca examinadora. Isso porque muda muito a maneira como uma banca trabalha em relação a outra. Me dei muito bem na prova da Funape. Eram 42 vagas e fiquei em 33º lugar.

Sem parar!

Em outubro de 2017 saiu o edital do concurso do Tribunal de Justiça de Pernambuco e só comecei a estudar após a prova da Funape. Eu nem tinha pensado em fazer esse concurso público do TJ-PE, mas minha noiva me incentivou a fazer. Então resolvi prestar o concurso público.

Eu me inscrevi para a prova do TJ-PE, mas nem estava estudando, pois meu foco estava direcionado para a Funape e foi quando fiz esta prova que tive um pouco mais de confiança. Decidi arriscar e fazer a prova do TJ-PE.

Aproveitei o conhecimento que adquiri nas matérias básicas como português, constitucional e administrativo, e foquei o treinamento em cima da banca do TJ-PE. Nesse um mês e meio foram quase 4 mil questões feitas pelo Qconcursos.com.

No concurso do TJ-PE, que a banca foi a peculiar IBFC, eu respondi mais de três mil questões só dela, para condicionar meu cérebro ao estilo que eu poderia esperar no dia da prova. Optei por fazer prova para dois cargos: Analista e Técnico Área Administrativa.

No dia foi tudo muito corrido, tanto pela manhã, quanto pela tarde. As provas estavam bem densas e polêmicas, com questões muito diferentes do que a banca costuma cobrar.

Saí bem perto do final do horário, um pouco abalado porque achava que o resultado não seria bom. Mas, por outro lado, a prova foi complicada para todo mundo.

Felizmente tive um ótimo resultado: fiquei em 1º lugar em ambos os cargos, o que me motivou bastante para continuar nos estudos, sempre buscando algo maior.

Desistir? Jamais

Nunca pensei em desistir. Na verdade, nem tive tempo de olhar para fatores que pudessem me fazer pensar em desistir. Estava ocupado demais estudando, estava ocupado demais desejando intensamente a minha vaga.

Eu não olhava a concorrência, ponto de corte, etc. Minha meta era lutar comigo mesmo, porque se eu fizesse uma prova excelente, mesmo com concorrência, eu passaria. Tudo dependia apenas de mim!

Bem, a verdade é que cada um reage e age de uma forma. Comigo funcionou, mas também porque eu coloquei uma pressão sobre mim, estava sem emprego, o dinheiro da minha indenização acabando e eu só pensava “é agora ou nunca”!

Mais oportunidades chegaram

Em outubro de 2017 saíram mais dois editais bem interessantes, com provas para o mês de dezembro: Tribunal Regional Federal da 5ª Região e Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região. Me inscrevi para os dois.

No concurso do TRT 21 só fiz para técnico e fiquei em 4º lugar. Já no TRF 5 fiz para técnico e analista e fiquei nas 5ª e 15ª colocações, respectivamente.

Ainda não fui nomeado para nenhum dos dois. Essa parte que você precisa ter um pouco paciência – e isso os cursos não ensinam (risos)!

Eu achei que nomeações seriam mais rápidas, mas esse ano o TRT 21 já tem autorização para convocar. Agora, é só esperar, pois se Deus quiser até o fim do ano eu tomo posse.

Dose certa

Nessa fase de foco e determinação, o estudo representa só uma parte do que me ajudou a alcançar esses resultados.

Sem um bom equilíbrio mental e sem um ambiente favorável (no meu caso, todo mundo ao meu redor estava apoiando e com muita compreensão, principalmente minha namorada), eu não teria conseguido esse resultado.

Tenho expectativa de seis nomeações, mas o meu preferido é o TRT 21. Lembro que fui fazer a prova bem debilitado fisicamente. A prova foi em Natal e, na noite anterior, teve um evento lá, o “Carnatal”, e só consegui vaga em uma pousada muito ruim. Acordei com a garganta travada e uma gripe forte.

Cheguei ao local da prova e tive a sensação de que o ar condicionado estava abaixo de zero (risos). Fiz a prova tremendo e com febre e eu não achei que iria me sair bem. Fiz a prova muito rápido também, em menos de três horas, pois queria sair logo do prédio por causa do frio e mal-estar.

Então, por toda essa história particular, pela certeza de que Deus me ajudou muito no dia e por eu ter adorado a cidade, é que esse concurso se tornou meu preferido!

Continuo estudando porque acabei gostando da coisa, vou até sentir falta quando começar a trabalhar, mas meu objetivo, por ora, já alcancei: foram o TRT 21 e o TRF 5.

A quem estiver na luta ainda

Minha mensagem para você que continua na batalha é que cuide bem de três coisas:

1 – Psicológico: Tem a ver com confiança, motivação e determinação.  

2 – Social: As pessoas com quem você convive podem atrapalhar ou ajudar muito. No meu caso, minha noiva e família ajudaram demais.

3 – Estudo: Muita gente só foca neste último, mas tem que, na verdade, equilibrar esses três fatores.

Minha principal mensagem é: NÃO DESISTAM! Eu percebi que a cada prova que eu fazia eu estava melhorando o nível, então, se hoje seu resultado não está satisfatório, continue. A tendência é melhorar até atingir seu objetivo.

Recomendo a todos o Qconcursos.com. Se posso dar uma dica é: façam muitas questões! Atualmente, já respondi mais de 13 mil e minha meta é terminar 2018 com, no mínimo, 20 mil.

Comentários