A persistência levou Shirley a várias aprovações

Início » Aprovados » A persistência levou Shirley a várias aprovações
By | 2017-08-31T17:33:42+00:00 12 de novembro de 2015|Aprovados|

Os depoimentos que recebemos de nossos aprovados, podem contribuir e muito para a caminhada de quem está nesse propósito e, por isso compartilhamos com todos vocês!

Esta, é a história de Shirley Bezerra que conquistou o seu objetivo usando um dom maior: a teimosia!

“Antes de começar a estudar para concursos eu advogava (desde 2004), mas o mercado de trabalho para o advogado é muito ingrato.

Em 2010 meu marido me convenceu a sair do escritório no qual trabalhava para estudar.

Lembro como se fosse hoje: parei de trabalhar em agosto e teria pouco mais de 30 dias para estudar para o concurso da Defensoria – RJ. Não fui aprovada por um ponto.

Fiquei empolgada porque pelo pouco tempo que tive e por ter sido a minha primeira prova, achei o resultado muito bom.

Decidi me “profissionalizar”; passei a frequentar um fórum de discussão sobre concursos e passei a estudar antecipadamente para um concurso: o escolhido foi para o TJ – RJ, cujo edital estaria saindo em breve.

E foi assim que passei a estudar: trocando ideias e experiências com outros concurseiros. Porém, antes saiu o edital para a área de apoio do MP-RJ, então estudei para esse, mas meu foco era o TJ. Passei no MP, para o cargo de nível médio, porém fiquei muito atrás. Logo pensei “Evoluí, pois agora já fui aprovada”.

Qconcursos

Trocando ideias com colegas, fui apresentada ao Qconcursos e daí em diante esse site passou a ser meu companheiro inseparável de estudo: classificar as questões por tipo, banca, assunto, nível e todos os outros filtros foi algo que me ajudou muito.

Antes de conhecer o QC eu tinha de procurar provas, mas na maioria das vezes o assunto que eu estava estudando não encontrava e eu perdia muito tempo com isso.

O concurso do TJ só saiu em 2012, juntinho com o do TRF da 2a Região.

Tive que escolher um deles para focar e, pelo histórico anterior de convocações, optei pelo concurso do Tribunal de Justiça. Fui aprovada em ambos, porém fiquei muito mal colocada no Tribunal Regional Federal.

Mudança de foco

Ao perceber que as convocações para o TJ não seriam grandes, me desliguei e mudei o foco: comecei a estudar para o TRT RJ, cujo edital sairia no final de 2012.

Felizmente fui aprovada e relativamente bem classificada. E a fila vai continuar andando até 2017.

Peguei o gosto de estudar para os TRTs e viajei para fazer prova na Bahia, Santa Catarina, São Paulo e Campinas. Acabei sendo aprovada só nos dois últimos.

A essa altura eu já tinha otimizado o meu tempo:

  • passei a estudar somente com o tablet (tenho meu material todo nele), para ter menos peso nas viagens;
  • cronometrava o meu tempo líquido e já tinha a certeza de que o diferencial era conhecer bem a banca, o que a gente só consegue resolvendo questões de provas anteriores, o que também contribui bastante para fixar a matéria.

Ou seja, mais uma vez o Qconcursos estava comigo durante as minhas horas de estudo.

Confiança

Chegou um momento que eu já tinha adquirido uma boa bagagem, então eu ficava o dia inteiro só no QC, especialmente na véspera da prova.

Estipulava uma quantidade de questões pra resolver de cada assunto, filtrava por banca, matéria, assunto e nível, e excluía as questões que eu já tinha resolvido, as desatualizadas e as que  tinham sido anuladas.

Pronto, pra mim, essa é a melhor revisão. Até os comentários dos colegas ajudam, pois alguns trazem macetes.

Só voltava para doutrina quando, mesmo após ler o comentário do professor no QC, ainda permanecia com dúvida, o que era exceção.

Tinha acabado de voltar do TRT-SP, em fevereiro de 2014, quando decidi tentar a prova da Defensoria de novo.

A prova ocorreria em pouco mais de 30 dias e só deu tempo de estudar as matérias diferentes do TRT-SP e de treinar o máximo de questões possível.

Fiz duas provas no mesmo dia (me acostumei a isso) e saí pensando “Não foi dessa vez de novo”. No entanto, para a minha felicidade, meu nome era o 17o no cargo de nível médio e fui convocada de primeira. A emoção é indescritível e é mágica!

Estava cansada de estudar, mas pouco depois da posse na DP saiu novo edital para o TJ-RJ.

Teimosia gratificante

Como sou teimosa, decidi fazer pra entrar, pois não queria bater na trave de novo. E, mais uma vez, o QC era meu companheiro inseparável em virtude do pouco tempo que eu tinha.

Usava todo o meu tempo para estudar, agora que ele estava reduzido devido ao trabalho: estudava em pé na ida e na volta de metrô; passava meu horário de almoço na biblioteca e não saía para nada nos finais de semana.

Tirei forças de onde nem sabia que tinha, pois o cansaço era grande. Basicamente só revisei usando o QC e foquei muito nas leis específicas.

Fui feliz mais uma vez, pois quase um ano depois de ter tomado posse na Defensoria, fui convocada para o TJ. Realizei mais um sonho!

Tenho uma rotina de estudos com edital e sem edital. A diferença é que enquanto não sai edital eu não estudo nos finais de semana e dou uma reforçada na doutrina, ainda mais quando não tem banca definida.

Porque com banca definida e edital publicado, eu fico o tempo todo no QC, tentando acertar cada vez mais questões.

Além disso, costumo dizer que estou em Saturno, pois desligo do mundo que não tem a ver com a prova. Porém, uma coisa não deixo de fazer: atividade física (musculação/ localizada e corrida).

Exercícios físicos fazem bem à mente, ao corpo e ainda prepara você para as horas de prova e para o exame admissional do seu cargo público.

Boas lições

Da minha trajetória consegui tirar algumas lições:

  1.  faça muitas e muitas questões! Use e abuse do QC sem moderação, pois só assim você vai conseguir mostrar à banca que é você quem manda. Ademais, o suporte e a estrutura deles são excelentes.
  2. tenham amigos concurseiros, pois eles te entendem e podem dividir as angústias, dúvidas e ansiedade; fiz amigos maravilhosos e que viraram amigos íntimos, de frequentar a casa e tudo;
  3. estude como se não estivesse em nenhum cadastro de reserva, pois enquanto você não tomar posse, não tem nada garantido; não fique sofrendo por um concurso que já passou e não te chamou ou está demorando pra te chamar;
  4. só pare de estudar quando estiver no cargo dos seus sonhos;

Lembre-se que o caminho é duro, árduo, cansativo, mas o cargo público é para a vida toda!

Desejo boa sorte a todos!”

 

Comentários